Avaí pede liminar no STJD para obrigar Flamengo a vender ingressos para visitantes

Clube de Santa Catarina diz que decisão causou “surpresa e repulsa”. Rubro-negro afirma que rival desta quinta não exerceu, em tempo hábil, seu direito à cota de ingressos

Por GloboEsporte.com — Rio de Janeiro

05/12/2019 11h42  Atualizado há 3 minutos


O Avaí entrou com pedido de liminar no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) contra a decisão do Flamengo de não disponibilizar o setor de visitantes para a partida desta quinta-feira, no Maracanã. De acordo com o clube de Florianópolis, a medida rubro-negra causou “surpresa e repulsa”. O Flamengo, em comunicado emitido na manhã desta quinta-feira, alegou que o Avaí não exerceu em tempo hábil o seu direito à cota de ingressos.

O vice-presidente jurídico do Flamengo, Rodrigo Dunshee de Abranches, deu a posição rubro-negra sobre a questão. Dunshee afirma que o Avaí não exerceu o direito que lhe cabia.

– Ontem (quarta), às 15h30, recebi a informação de que não havia chegado o documento formal exigido pelo artigo 86, dizendo que o time que queira usar o setor de visitantes deve comunicar três dias úteis, para que sejam tomadas providências, em relação à segurança, organização e vendas. Às 15h30 da tarde, sem esse comunicado, ainda não havíamos vendido sequer um ingresso. São cerca de 10 mil ingressos no setor, um prejuízo enorme.Como o Avaí não se pronunciou dentro do regulamento, decidimos então colocar os ingressos à venda para a torcida do Flamengo. Comuniquei a CBF, sobre o ocorrido, para ela ficar ciente.

– Temos o maior prazer em receber a torcida do Avaí ou qualquer outra torcida visitante no Maracanã. Mas eles têm que cumprir o regulamento. Existe um rito a ser seguido. O Avaí não exerceu o direito, perdeu o direito. O direito não socorre os que dormem. Em qualquer outra oportunidade que eles mandarem o comunicado, vamos recebê-los como o maior prazer. O Flamengo está gerindo o seu negócio. Dormiram no ponto. Adoraria achar uma solução, não deve ser mais de 200 torcedores do Avaí. Estamos conversando com o Maracanã para tentar encontrar uma solução, mas está muito em cima.

Flamengo e Avaí se enfrentam nesta quinta-feira, no Maracanã — Foto: Alexandre Vidal/GloboEsporte.com
Flamengo e Avaí se enfrentam nesta quinta-feira, no Maracanã — Foto: Alexandre Vidal/GloboEsporte.com


Na petição, o Avaí junta mensagens enviadas por aplicativo a Maurício Portela, diretor do marketing do Flamengo, que segundo o clube ficaram sem resposta. O Avaí pede que o Flamengo “seja obrigado a paralisar de imediato as vendas para a sua torcida e a manter o local destinado à torcida visitante, bem como reestabelecer as vendas para o torcedor do visitante”.

No documento, o clube ressalta ainda que houve uma oferta rubro-negra para que fosse negociado o setor de visitantes, mas que foi recusada pelo presidente Francisco José Battistotti. A petição é assinada pelo advogado Osvaldo Sestário.

“Ainda noutra situação, o Avaí recebeu através do telefone direto de seu presidente, do Sr. Maurício Portela do Flamengo, abaixo identificado, uma oferta de tentativa de negociar o setor de visitante junto ao presidente Battistotti do Avaí, o que foi recusado pelo presidente do Avaí”, diz o texto.

Na manhã desta quinta-feira, o Flamengo emitiu um comunicado alegando que o Avaí não exerceu o seu direito à cota de ingressos em tempo hábil:

“O Clube de Regatas do Flamengo comunica que irá vender para a sua torcida a carga de bilhetes originalmente destinada ao Avaí, uma vez que o clube catarinense não exerceu, em tempo hábil, seu direto a cota de ingressos, como prevê o artigo 86 do RGC 2019. A partida será realizada amanhã, no Maracanã, pela 37ª rodada do Campeonato Brasileiro”.

Confira o artigo 86 do Regulamento Geral de Competições da CBF para 2019:

“Art. 86 – O Clube visitante terá o direito de adquirir, com pagamento prévio, a quantidade máxima de ingressos correspondente a 10% (dez por cento) da capacidade do estádio ou da capacidade permitida pelos órgãos de segurança, desde que se manifeste em até 3 (três) dias úteis antes da realização da partida através de ofício dirigido ao Clube mandante, obrigatoriamente com cópia às Federações envolvidas e à DCO”.

Além da petição impetrada no STJD, o Avaí emitiu a seguinte nota oficial na manhã desta quinta. Veja a íntegra abaixo:

“O Avaí Futebol Clube esclarece que, diante da decisão do Clube de Regatas Flamengo em não disponibilizar para venda os ingressos da partida de hoje, 05/12, no setor de visitantes, destinados à torcida do Avaí, decidiu buscar junto à Justiça Desportiva uma solução em defesa de seu torcedor.

O Avaí recebeu uma oferta do clube carioca para a venda do espaço ainda na semana passada. Em respeito aos seus torcedores, negou a oferta proposta. O Flamengo, então, confirmou a abertura do setor de visitantes. Ainda nesta terça-feira, dois dias antes da partida, o Flamengo informou ao Avaí como se daria a venda dos ingressos para sua torcida, detalhando o setor destinado e valores. Daí a enorme surpresa e indignação ao recebermos no início da noite de ontem a informação de que, após reunião de diretoria, o Flamengo optou por não destinar mais ingressos de visitante. Sequer o número de cortesias que TODOS os clubes destinam reciprocamente uns aos outros nos jogos de ida e volta foram disponibilizados.

Diante destes fatos, manifesta-se o Avaí Futebol Clube no sentido de:

1. Informar ao seu torcedor que protocolou pedido junto ao STJD para que se restabeleça a venda dos ingressos ao setor visitante. Tomará todas as medidas jurídicas disponíveis para a reparação dos inúmeros danos que a decisão descabida do Flamengo traz ao clube e sua torcida;

2. Alertar as autoridades competentes, assim como à CBF e ao próprio Flamengo, que existe um número expressivo de torcedores no Avaí no Rio de Janeiro para assistir à partida desta noite. Os responsáveis por esta decisão são também responsáveis pelos riscos à integridade física destes torcedores.

3. Lamentar o não cumprimento da política de reciprocidade. Ainda na semana passada vimos diretores do Flamengo esbravejarem contra a decisão de torcida única na partida contra o Palmeiras. E agora? Exige-se reciprocidade mas não adota na prática o seu discurso?

4. Lamentar que essa decisão deve-se a uma disputa com a torcida rival pelo maior público do ano. Será que, em nome da rivalidade, deve o Flamengo deixar de lado valores éticos e morais? Esse é o “novo” que tanto se propala?

Por fim, o Avaí reconhece o exitoso trabalho da diretoria do Flamengo. Reconhece sua imensa torcida. Mas as novas práticas de gestão devem estar alinhadas à adoção de princípios éticos, de retidão nos atos e de cumprimento aos acordos. E faltou tudo isso ao Flamengo nesta descabida e lamentável decisão de sua diretoria. Espera-se que os tribunais acionados pelo Avaí F.C. deem em tempo adequado a resposta que restabeleça a justiça, o bom senso e o respeito aos torcedores avaianos”.

Flamengo vai ao STJD contra gerente do Vasco que agrediu Gabigol após clássico

Rubro-Negro prepara representação contra o dirigente de futebol André Souza, que acertou joelhada no atacante rubro-negro após o apito final. Suspensão pode chegar a 180 dias

Por Marcelo Baltar — Rio de Janeiro

14/11/2019 09h22  Atualizado há 2 horas

Imagens mostram gerente de futebol do Vasco agredindo Gabigol após empate no Maracanã

A agressão do gerente de futebol do Vasco, André Souza, no atacante Gabigol, do Flamengo, vai parar no STJD. Revoltada com a atitude, a diretoria rubro-negra entrará ainda nesta quinta-feira com representação contra o dirigente rival.

– Flamengo, em nome do bom futebol, da ética e da paz nos estádios, fará o possível para que haja uma condenação dura nesse caso. Não podemos permitir que pessoas ligadas à gestão do futebol tenham uma conduta desqualificada como essa. O STJD certamente será rigoroso contra isso – disse ao GloboEsporte.com o vice-presidente geral e jurídico do Flamengo, Rodrigo Dunshee.

Para fazer a denúncia, o departamento jurídico vai se basear nos artigos 254-A, 257 e 258 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), que tratam de agressão ou conduta contrária à disciplina e à ética esportivas. O que prevê suspensão de até 180 dias ao dirigente cruz-maltino.

+ Joelhada , dura de Luxa em Jesus, pisão de Marí… As polêmicas do clássico

André Souza, de camisa branca, ao lado de Gabigol — Foto: ALEXANDRE DURÃO/CÓDIGO19/ESTADÃO CONTEÚDO
André Souza, de camisa branca, ao lado de Gabigol — Foto: ALEXANDRE DURÃO/CÓDIGO19/ESTADÃO CONTEÚDO

O que diz a regra

  • Pena do artigo 254-A: suspensão de quatro a doze partidas, provas ou equivalentes, se praticada por atleta, mesmo se suplente, treinador, médico ou membro da comissão técnica, e suspensão pelo prazo de trinta a cento e oitenta dias, se praticada por qualquer outra pessoa natural submetida a este Código.
  • Pena do artigo 257: suspensão de duas a dez partidas, provas ou equivalentes, se praticada por atleta, mesmo se suplente, treinador, médico ou membro da comissão técnica, e suspensão pelo prazo de quinze a cento e oitenta dias, se praticada por qualquer outra pessoa natural submetida a este Código
  • Pena do artigo 258: suspensão de uma a seis partidas, provas ou equivalentes, se praticada por atleta, mesmo se suplente, treinador, médico ou membro da comissão técnica, e suspensão pelo prazo de quinze a cento e oitenta dias, se praticada por qualquer outra pessoa natural submetida a este Código.
Clássico terminou com confusão — Foto: André Durão
Clássico terminou com confusão — Foto: André Durão

O episódio aconteceu durante o bate-boca que ocorreu após o clássico, que terminou em 4 a 4, na última quarta-feira, no Maracanã, pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro. No meio da discussão, André Souza deu uma joelhada no camisa 9 do Flamengo, o que revoltou companheiros no campo, principalmente o lateral-esquerdo Renê (veja o vídeo acima).

Após o ocorrido, o lado cruz-maltino não se pronunciou. Quem deu a versão do lado rubro-negro foi o próprio agredido, Gabigol.

– Estava conversando com o Fellipe (Bastos) sobre o jogo. Ele (André Souza) veio e me deu um tostão. Me agrediu, sim, fica nítido na imagem. Não tive nem reação. A agressão realmente não dá para entender – disse.

Fortaleza solicita ao STJD impugnação da partida contra o Flamengo

Tricolor entende ter sido prejudicado pela arbitragem

Por André Almeida — Fortaleza, CE

18/10/2019 18h39  Atualizado há 6 horas


Fortaleza x Flamengo, Arena Castelão — Foto: Thiago Gadelha/SVM
Fortaleza x Flamengo, Arena Castelão — Foto: Thiago Gadelha/SVM

O Fortaleza protocolou, na tarde desta sexta-feira (18), ação no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) com pedido de impugnação da partida contra o Flamengo, realizada na última quarta-feira (16), no Castelão, e que terminou com vitória do Rubro-Negro por 2 a 1.

A possibilidade já estava sendo estudada pela diretoria leonina nos últimos dias e o departamento jurídico preparou a ação baseando-se em argumentos que o Tricolor entende ter sido prejudicado. A alegação é que houve erro de direito da arbitragem comandada pelo paranaense Paulo Roberto Alves Júnior na jogada que originou o segundo gol do Flamengo.

Gol do Flamengo! Vitor Gabriel escora para trás, e Reinier marca, aos 43 do 2º tempo

Em jogada ensaiada, Renê cobrou lateral na área, Vitor Gabriel escorou para trás, e Reinier cabeceou no ângulo. No lance que decidiu o placar aos 43 minutos, o time da casa reclamou de uma segunda bola em campo.

Após a partida, o presidente do Fortaleza, Marcelo Paz, deu entrevista criticando o desempenho da arbitragem.

– A gente vem vendo o Fortaleza ser roubado jogo após jogo. O árbitro, quando conduz o jogo, a gente percebe. O lateral João Lucas era para ter sido expulso porque fez falta clara em Osvaldo. O escanteio do primeiro gol não existiu, Vitinho chutou em ninguém. O VAR chamou pênalti duvidoso, e o segundo gol deles foi com duas bolas em campo e ainda foram jogadas pela torcida. O torcedor foi lesado, vestiário revoltado. O VAR é uma decepção, vê coisas que não existem – disse o mandatário.