Secretaria de Saúde de Parnamirim, RN, investiga se morte de mulher de 47 anos está relacionada com coronavírus

Paciente não havia sido sequer identificada como suspeita do Covid-19.

Por Rafael Barbosa e Fernanda Zauli, G1 RN 19/03/2020 17h12  Atualizado há 5 minutos

Hospital Giselda Trigueiro, na Zona Oeste de Natal, é referência em infectologia — Foto: Julianne Barreto/Inter TV Cabugi
Hospital Giselda Trigueiro, na Zona Oeste de Natal, é referência em infectologia — Foto: Julianne Barreto/Inter TV Cabugi

As secretarias de Saúde do Estado e da cidade de Parnamirim, na Grande Natal, vão investigar se a uma mulher que morreu nesta quinta-feira (19) na UPA Nova Esperança foi vítima do novo coronavírus. Maria Robervânia de Carvalho Gomes tinha 47 anos de idade e trabalhava como faxineira em uma loja de venda de carros seminovos. Ela não havia sido sequer identificada como paciente suspeita do Covid-19.

De acordo com o filho de mulher, João Paulo Gomes, os sintomas começaram a aparecer no fim de semana passado. “Todos nós gripamos aqui em casa e ficamos bem depois. Ela não melhorou”, relata. Maria Robervânia morava com o marido, o filho, a nora e uma neta de quatro anos de idade em Nova Parnamirim, na Região Metropolitana da capital.

Segundo João Paulo, na segunda-feira (16), a mãe dele se sentiu melhor e viajou a Mossoró, na região Oeste, para resolver questões pessoais da família. Voltou pior da viagem. Ainda segundo o filho, ela não trabalhou nesta semana. Na terça (17), procurou atendimento em uma clínica privada na Zona Sul de Natal.

João Paulo Gomes conta que o médico que a atendeu identificou que ela estava com sintomas do novo coronavírus: falta de ar, tosse e febre. Foi aí que orientou que Maria Robervânia procurasse a rede pública de saúde, para realizar os testes e confirmar ou não a suspeita.

Ainda segundo João Paulo Gomes, a mãe dele seguiu direto para a Unidade de Ponto Atendimento (UPA) Nova Esperança, em Parnamirim. Ao chegar lá, descobriu que não seria submetida ao teste, por causa do protocolo do Ministério da Saúde. Apesar de apresentar os sintomas, ao ser questionada se havia tido contato com algum estrangeiro e responder que não, Maria Robervânia não se enquadrou como caso suspeito do Covid-19.

João Paulo Gomes diz que ela foi medicada e liberada. A faxineira voltou para casa, mas o quadro de saúde não apresentou evolução. Já na manhã desta quinta-feira (19), com muita falta de ar, foi levada novamente à UPA, desta vez pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

“Lá eles não fizeram o teste de novo, pelo mesmo motivo”, afirma João Paulo. Ele conta que a mãe foi entubada, com dificuldades respiratórias e, às 11h desta quinta, morreu. “Uma negligência em não fazer o exame logo no primeiro dia, um descaso”, desabafou o filho.

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde de Parnamirim alegou que “todos os procedimentos de classificação de risco e de atendimento foram devidamente cumpridos neste caso”.

O corpo de Maria Robervânia de Carvalho Gomes foi levado para o Hospital Giselda Trigueiro, referência local em infectologia, para que sejam realizados os exames que vão precisar se ela morreu com Covid-19.