Cai para três número de casos suspeitos de coronavírus no Brasil

Total de casos descartados sobe para 45 em todo o país

Diagnóstico laboratorial de casos suspeitos do novo coronavírus (2019-nCoV), realizado pelo Laboratório de Vírus Respiratório e do Sarampo do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), que atua como Centro de Referência Nacional em Vírus Respiratórios para o Ministério da Saúde

Publicado em 16/02/2020 – 14:20 Por Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil – Brasília

O número de casos suspeitos de infecção por coronavírus no Brasil caiu para três, informou o Ministério da Saúde. Segundo o balanço mais recente da pasta, divulgado às 12h de hoje (16), dois pacientes em São Paulo e um no Rio Grande do Sul estão sendo monitorados. O número de suspeitas descartadas subiu para 45.

O total não mudou em relação ao boletim de ontem (15). De sexta-feira (14) para sábado, um caso no Paraná e outro no Rio Grande do Sul foram descartados. No entanto, um caso começou a ser investigado em São Paulo, resultando no total de três suspeitas em todo o país.

Principais sintomas do coronavírus
Confira os principais sintomas e os cuidados para evitar o coronavírus. – Agência Brasil

Entre os 45 casos descartados, o estado de São Paulo lidera, com 20 pacientes analisados. Em seguida, vêm Rio Grande do Sul, com nove suspeitas, Rio de Janeiro (5), Santa Catarina (4), Paraná (3), Minas Gerais (2), Distrito Federal (1) e Ceará (1).

Na sexta-feira, o Ministério da Saúde informou que não pretende reduzir as ações de combate ao coronavírus até o inverno, quando aumentam os casos de doenças respiratórias. Segundo a pasta, a mobilização continuará, independentemente da redução do número de casos investigados.

Batizada pela Organização Mundial da Saúde de COVID-19, a doença provocada pelo coronavírus provoca febre e problemas respiratórios. Até as 12h de hoje, haviam sido registrados 50.580 casos confirmados em todo o planeta. Desse total, a maioria está na China, com 50.024 casos e 1.524 mortes. Os outros dois óbitos foram registrados no Japão e nas Filipinas.

Edição: Maria Claudia

Brasileiros em quarentena seguem sem sintomas do novo coronavírus

Informação é do Ministério da Defesa

Publicado em 16/02/2020 – 08:49 Por Agência Brasil – Brasília

O Ministério da Defesa informou ontem (15) que os 58 brasileiros que regressaram da China e cumprem um período de quarentena em Anápolis (GO) seguem sem sintomas de contaminação pelo novo coronavírus.

Segundo a nota, os repatriados “passaram pelas avaliações clínicas previstas e permanecem com o quadro assintomático”.

As avaliações de saúde são feitas pelo Laboratório Central do Estado de Goiás (Lacen) em todos os 34 brasileiros resgatados e nos 24 profissionais, divididos entre tripulação, médicos e equipe de comunicação, que foram à China durante a Operação Regresso.

Os brasileiros que não apresentarem sintomas da doença serão liberados depois de 18 dias de isolamento. Eles estão hospedados na Base Aérea de Anápolis desde o último domingo (9).

Casos investigados no Brasil

Na última sexta-feira (14), o Ministério da Saúde informou que investiga quatro casos suspeitos de infecção pelo novo coronavírus no Brasil. Das quatro pessoas ainda sob suspeita de ter o vírus, cujo epicentro ocorreu na cidade chinesa de Wuhan, há uma criança de 2 anos, um adulto de 56 anos e duas pessoas na faixa dos 20 anos. Duas pessoas são do sexo masculino e duas são mulheres. Todos têm histórico de viagem à China, mas não a Wuhan.

Aeronaves da FAB chegam amanhã à meia-noite em Anápolis

Aviões chegam a Wuhan, na China, hoje às 13h30 (horário de Brasília)

Publicado em 07/02/2020 – 12:10

Por Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil Brasília

 Aviões da Força Aérea Brasileira decolam de Brasília para buscar brasileiros que estão em Wuhan, na China

As aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB) com as 34 pessoas resgatadas de Wuhan, na China, chegam por volta da meia-noite de amanhã (8) na Base Aérea de Anápolis (GO), onde as pessoas passarão por uma quarentena de 18 dias. A cidade chinesa é o epicentro do surto de coronavírus.

A informação foi confirmada hoje (7) pelo brigadeiro Marcelo Damasceno, responsável pela Operação Regresso, em reunião com o presidente Jair Bolsonaro, no Ministério da Defesa, em Brasília.

“Ao levar informação clara para o Brasil e, em especial, para o pessoal de Anápolis, que não existe qualquer risco para terceiros aqui no Brasil. É uma operação muito bem preparada e planejada”, disse Bolsonaro

Os ministros da Defesa, Fernando Azevedo, e da Saúde, Henrique Mandetta, também participaram do briefing antes de seguir para Anápolis, onde visitarão as instalações que receberão os brasileiros e suas famílias.

Os dois aviões partiram de Ürumqi, última escala na China, pouco depois das 10h (horário de Brasília), com previsão de chegada em Wuhan às 13h30 (de Brasília). Às 17h30, partem da cidade chinesa. Antes de embarcar, as pessoas serão submetidas a exames médicos prévios. Quem apresentar sintomas compatíveis com o coronavírus não poderá viajar.

Aviões da FAB trarão brasileiros que estão em Wuhan, epicentro do surto de coronavírus, para o Brasil – Ministério da Defesa/Divulgação

Além dos 34 resgatados, brasileiros e suas famílias, mais seis estrangeiros – quatro poloneses, um indiano e um chinês – embarcarão no voo da FAB. De acordo com o brigadeiro, foi um gesto de solidariedade ao governo da Polônia que não tinha como buscar seus cidadãos.

Ao deixarem Brasília, na quarta-feira (5), as aeronaves brasileiras fizeram escala em Fortaleza (CE), Las Palmas (Espanha), Varsóvia (Polônia) e Ürumqi (China), até o destino final em Wuhan. A viagem de volta prevê escalas nos mesmos locais. Os estrangeiros desembarcarão em Varsóvia.

Entre os 34 resgatados estão duas crianças de 2 e 3 anos. Além deles, 24 pessoas da equipe de resgate também passarão pela quarentena: 12 pessoas da equipe médica da FAB, dois médicos do Ministério da Saúde, duas pessoas da equipe de imprensa – entre elas, um cinegrafista da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) – e oito tripulantes.

Instalações

O hotel da Base Aérea de Anápolis foi isolado e preparado para receber as 58 pessoas para os dias de quarentena. Eles ficarão em quartos individuais, terão seis refeições diárias, televisão e internet disponíveis e espaço de lazer e entretenimento.

Os cidadãos confinados terão tratamento gratuito e o direito de serem informados permanentemente sobre seu estado de saúde. Eles serão monitorados e, em caso de suspeita de infecção, serão isolados e levados para outro setor da base aérea. Caso o quadro de saúde se agrave, eles serão transportados, em aeronave preparada, para o Hospital da Forças Armadas, em Brasília.

No dia 30 de janeiro, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o surto de coronavírus como emergência em saúde pública de importância internacional. Mais de 630 pessoas já morreram na China e 30 mil foram infectadas pelo novo vírus. No Brasil, nove pacientes são monitorados por suspeita de terem sido infectados. Até agora, nenhum caso foi confirmado.

Confira os principais sintomas e os cuidados para evitar o coronavírus. – Agência Brasil

Coronavírus: aviões da FAB decolam de Brasília para trazer 34 brasileiros da China

Número de repatriações, no entanto, pode aumentar; tripulação e médicos também vão passar por quarentena quando retornarem ao Brasil

André de Souza 05/02/2020 – 12:17 / Atualizado em 05/02/2020 – 16:05

O Ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, e Comandante da Aeronáutica, Tenente Bridadeiro do Ar Antonio Carlos Moretti Bermudez, acompanham o embarque de militares. Foto: Jorge William / Agência O Globo
O Ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, e Comandante da Aeronáutica, Tenente Bridadeiro do Ar Antonio Carlos Moretti Bermudez, acompanham o embarque de militares. Foto: Jorge William / Agência O Globo

BRASÍLIA — Até o momento, 34 brasileiros que vivem na região da cidade de Wuhan , na China, já manifestaram interesse em voltar ao Brasil em dois aviões da Força Aérea Brasileiras ( FAB ). O número, porém, ainda pode aumentar.

As aeronaves decolaram no início da tarde desta quarta-feira da base aérea de Brasília, com 11 tripulantes e sete médicos cada. O retorno, já na base aérea de Anápolis (GO), onde será a quarentena, deve ocorrer no sábado.

Assim como os passageiros, os tripulantes e os médicos também passarão por quarentena quando chegarem, mas o prazo em que ficarão isolados ainda está sendo definido. No caso dos passageiros vindos da China, a quarentena vai durar 18 dias.

Um grupo de brasileiros que vive na cidade de Wuhan, epicentro do surto do novo Coronavírus, enviou uma carta aberta ao presidente Jair Bolsonaro e ao Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, pedindo que fossem transportados de volta ao Brasil com a ajuda do governo

As aeronaves também vão passar por um processo de desinfecção na volta. Os cuidados são para evitar a chegada do nova cepa do vírus, que causa febre e problemas respiratórios e já matou mais de 400 pessoas, quase todas na China.

Sobre a duração da quarentena para tripulantes e médicos, o tenente-brigadeiro do ar Marcelo Kanitz Damasceno explicou que isso ainda está sendo definido pelo Instituto de Medicina Aeroespacial (IMAE), que faz parte da FAB. Questionado se eles não ficarão 18 dias, Damasceno respondeu:

— Pode ser que não. O número de 18 dias, estamos preparados em Anápolis, na nossa base área, tendo toda a orientação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) . Estivemos lá durante a semana preparando os nossos hotéis para recebimento, esvaziamento, com o Ministério da Saúde nos indicando as melhores práticas. Estamos voltando lá diariamente planejando a chegada das famílias, das crianças, berços para os recém-nascidos.

Além disso, os aviões levarão equipamentos, como uma “bolha” que é usada para isolar uma pessoa das demais caso venha a apresentar algum sintoma. Antes do embarque na China, serão feitos exames e quem apresentar sintomas não poderá vir para o Brasil.

Dos sete médicos em cada avião, seis são militares do IMAE que integram as equipes de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear (DQBRN), e um é do Ministério da Saúde. Há inclusive uma infectologista ligada à pasta que fala mandarim.

Cada avião tem capacidade para 30 passageiros, totalizando 60, sem contar a tripulação e médicos, podendo transportar mais gente se necessário. Na terça-feira, quando havia 29 pessoas interessadas em voltar, o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, explicou que, nesse tipo de transporte, era importante não ocupar todas as cadeiras.

— Quanto mais espaçado a gente deixar os passageiros brasileiros, melhor, porque diminui a possibilidade de contágio. Então, se tivermos 30 (retornando), 15 numa aeronave e 15 em outra é o ideal — disse Azevedo na terça-feira.

Cada voo até a China durará cerca de 47 horas, incluindo ida e volta e o tempo parado em solo. Os aviões partirão de Brasília e farão paradas para abastecimento em Fortaleza, Las Palmas (nas Ilhas Canárias, que pertencem à Espanha), Varsóvia, Urumqi (na China) e, por último, em Wuhan.

Um grupo de brasileiros que vive na cidade de Wuhan, epicentro do surto do novo Coronavírus, enviou uma carta aberta ao presidente Jair Bolsonaro e ao Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, pedindo que fossem transportados de volta ao Brasil com a ajuda do governo

Mortes por coronavírus passam de 400 na China

Novo vírus já infectou mais de 20 mil pessoas

Publicado em 04/02/2020 – 07:47

Por NHK* Pequim

Uma mulher usando uma máscara passa pela sede do Banco Popular da China, o banco central, em Pequim, na China, quando o país é atingido por um surto do novo coronavírus, em 3 de fevereiro de 2020. REUTERS / Jason Lee

A China informa que o novo coronavírus já infectou mais de 20 mil pessoas e causou mais de 400 mortes.

A Comissão Nacional de Saúde da China anunciou 3.235 novos pacientes nesta terça-feira (4), elevando o número total para 20.438. O número de mortes causadas pelo vírus subiu para 425, depois de mais 64 pacientes terem morrido na província de Hubei, local que mais sofre com a epidemia.

Um hospital construído às pressas em Hubei deu início ao tratamento de pacientes nessa segunda-feira (3). A unidade tem capacidade para aproximadamente 1.000 leitos, mas somente ontem o número de pacientes na província havia aumentado em mais de 2 mil.

O sistema médico da China está seriamente sobrecarregado com a expansão da epidemia.

Coronavírus fora da China

Fora da China continental, 185 infecções pelo novo coronavírus foram confirmadas em 26 países e territórios.

Há 20 casos confirmados no Japão; 19 na Tailândia; 18 em Cingapura; 15 na Coreia do Sul; 15 em Hong Kong; 12 na Austrália e 11 nos Estados Unidos.

Taiwan e Alemanha têm 10 casos cada; Macau, 9; Malásia e Vietnã, 8 cada; França, 6; Emirados Árabes Unidos, 5, e Índia, 3.

O Canadá, a Itália, o Reino Unido, a Rússia e as Filipinas têm dois casos cada, ao passo que o Nepal, Camboja, Sri Lanka, a Finlândia, Suécia e Espanha têm um caso cada.

Hong Kong

O governo de Hong Kong registrou a primeira morte em consequência do novo coronavírus. Segundo o governo, um homem de 39 anos que havia contraído o vírus morreu hoje no país.

Esta é a segunda morte causada pelo vírus fora da China continental. O primeiro caso foi registrado nas Filipinas.

Estudos

Pesquisadores da China descobriram que o novo tipo de coronavírus contagia seres humanos por meio de um receptor celular idêntico ao do coronavírus que causou a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS) no país há 17 anos.

Na Academia Chinesa de Ciências, cientistas infectaram morcegos e outros animais com o novo tipo de coronavírus, obtidos de sete pacientes na cidade de Wuhan, província de Hubei. A descoberta foi anunciada nesta segunda-feira (3) no periódico científico britânico Nature.

A equipe descobriu que os receptores para o novo coronavírus na superfície de células humanas são os mesmo utilizados pelo coronavírus causador da SARS (sigla em inglês).

Segundo os pesquisadores, a descoberta sugere que drogas e vacinas criadas para a SARS poderiam ser utilizadas para tratar pacientes de coronavírus e para controlar o surto.

A equipe descobriu também que a sequência do genoma do novo tipo de coronavírus é 96% idêntica a um coronavírus encontrado anteriormente em morcegos, e 79,5% idêntica ao genoma do vírus da SARS.

Eles disseram que vão continuar tentando entender o ciclo do contágio para descobrir se a força de infecção do vírus muda quando ele é transmitido entre seres humanos.

*Emissora pública de televisão do Japão

Saiba mais

Edição: -Tags: coronavírussaúdeChina

Brasil registra 16 casos suspeitos de coronavirus

Números foram atualizados pelo Ministério da Saúde

Publicado em 01/02/2020 – 14:52

Por Pedro Peduzzi – Repórter da Agência Brasil  Brasília

Crianças no Nepal assistem aula com máscaras de proteção depois que o país confirmou o primeiro caso de coronavírus, na cidade de Thimi, Bhaktapur, no Nepal

O Ministério da Saúde atualizou em 16 o número de casos considerados suspeitos de coronavírus no país. Segundo balanço divulgado às 12h de hoje (1º), já foram descartados outros dez casos.

A unidade federativa que apresenta maior número de casos suspeitos é São Paulo, com 8 ocorrências. Duas suspeitas já foram descartadas no estado. O Rio Grande do Sul registra, neste momento, 4 casos suspeitos; outros três já foram descartados.

Em Santa Catarina, até o momento, já foram levantadas 2 suspeitas; dois outros casos foram descartados.

A lista inclui ainda o Paraná e o Ceará, com um caso suspeito em cada.

Histórico

Os coronavírus são conhecidos desde meados dos anos 1960 e já estiveram associados a outros episódios de alerta internacional nos últimos anos. Em 2002, uma variante gerou um surto de síndrome respiratória aguda grave (Sars) que também teve início na China e atingiu mais de 8 mil pessoas. Em 2012, um novo coronavírus causou uma síndrome respiratória no Oriente Médio que foi chamada de Mers.

A atual transmissão foi identificada em 7 de janeiro. O escritório da Organização Mundial da Saúde (OMS) na China buscava respostas para casos de uma pneumonia de etiologia até então desconhecida que afetava moradores na cidade de Wuhan.

Na última quinta-feira (30), a OMS declarou estado de emergência global em saúde devido ao coronavírus.

Nesta semana, a Agência Brasil publicou matéria esclarecendo as principais dúvidas com relação ao novo coronavírus.

Confira os principais sintomas e os cuidados para evitar o coronavírus. – Agência Brasil

Confira os principais sintomas e os cuidados para evitar o coronavírus. – Agência Brasil

Saiba mais

Edição: Lílian BeraldoTags: coronavírusMinistério da Saúdecasos suspeitos

Coronavírus no Brasil: número de casos suspeitos segue estável

O Ministério da Saúde anunciou em coletiva de imprensa nesta quinta-feira 30 que o número de suspeitos de coronavírus no país, doença que vem se propagando globalmente, permanece em nove.

Redação

Pessoas viajando para o Ano Novo Lunar vestem máscaras de proteção. Foto: Nicolas Asfouri/AFP

Foram notificados, entre às 12h de ontem, quarta-feira 29, e às 12h de hoje, quinta-feira 30, dez novos casos. Dos 43 casos notificados no total no território brasileiro, 28 foram descartados de suspeita da doença.

Dos nove suspeitos de coronavírus, 1 está em Minas Gerais, 1 no Rio de Janeiro, 3 em São Paulo, 2 no Rio Grande do Sul, 1 no Paraná e 1 no Ceará.

https://twitter.com/minsaude/status/1222962832985198592

Carta Capital

Cruzeiro com 7 mil pessoas a bordo é bloqueado em porto da Itália por suspeita de coronavírus

Casal de chineses foi isolado em enfermaria do navio; fontes ligadas ao Ministério da Saúde italiano afirmam que primeiro exame deu negativo

AFP com Ansa 30/01/2020 – 09:37 / Atualizado em 30/01/2020 – 12:48

Navio cruzeiro Costa Esmeralda, da empresa Costa Cruzeiros, está bloqueado no porto de Civitavecchia, cidade próxima a Roma, depois que casal chinês apresentou sintomas semelhantes ao da doença provocada pelo novo coronavírus Foto: Guglielmo Mangiapane / REUTERS
Navio cruzeiro Costa Esmeralda, da empresa Costa Cruzeiros, está bloqueado no porto de Civitavecchia, cidade próxima a Roma, depois que casal chinês apresentou sintomas semelhantes ao da doença provocada pelo novo coronavírus Foto: Guglielmo Mangiapane / REUTERS

ROMA — Quase 7 mil pessoas, incluindo 6 mil passageiros, estão bloqueadas em um navio cruzeiro no porto italiano de Civitavecchia , perto de Roma , por casos suspeitos de coronavírus a bordo, anunciaram as autoridades de saúde locais.

— O ministério da Saúde nos alertou sobre possíveis casos e enviou três médicos a bordo para realizar os exames prévios — informou à AFP uma porta-voz do centro de saúde de Civitavecchia.

Coronavírus : O que se sabe até agora?

Os primeiros exames realizados na passageira, no entanto, teriam descartado que ela tenha contraído o coronavírus, segundo pessoas ligadas ao Ministério da Saúde italiano.

— Tudo parece indicar que os primeiros resultados de laboratório indicaro negativo. Aguardamos, no entanto, um laudo definitivo — adiantou à AFP uma fonte da pasta.

Especialistas do hospital Spallanzani, em Roma, referência em doenças infecciosas, explicaram que o resultado definitivo deve estar disponível em até 48 horas. Não se sabe se o casal chinês ficará isolado durante os próximos dois dias, nem se a embarcação permanecerá em Civitavecchia ao longo desse período.

O prefeito da cidade italiana, Ernesto Tedesco, solicitou aos passageiros que permaneçam a borto até lá:

— Tenho que proteger a saúde dos meus compatriotas.

A empresa italiana Costa Cruzeiros , responsável pela viagem, confirmou que 6 mil passageiros estão a bordo e as demais pessoas são integrantes da tripulação.

Mais de 6 mil passageiros são impedidos de desembarcar em Civitavecchia, na Itália, devido a suspeita de coronavírus a bordo Foto: Guglielmo Mangiapane / Reuters▲

Casal de chineses com suspeita de coronavírus foi isolado em enfermaria do navio Foto: Filippo Monteforte / AFP
Casal de chineses com suspeita de coronavírus foi isolado em enfermaria do navio Foto: Filippo Monteforte / AFP▲

A empresa de cruzeiros explicou que “ativou o protocolo para um caso suspeito relacionado a um hóspede de Macau atualmente a bordo do Costa Smeralda”, segundo o comunicado da Costa Cruzeiros.

Leia também : Droga aprovada contra HIV pode atacar coronavírus, diz estudo chinês

“A mulher, de 54 anos, foi colocada em um quarto isolado da enfermaria a bordo, juntamente com seu companheiro de viagem”, informou.

A mulher, que viaja com o marido, é proveniente de Hong Kong e chegou na Itália via Milão, em 25 de janeiro. O casal está em isolamento no hospital de bordo do navio e é acompanhado por médicos do Instituto Lazzaro Spallanzani, especializado em doenças contagiosas.

Veja mais : Confira a cronologia do surto de coronavírus

Os especialistas fazem exames para descobrir se os chineses contraíram o novo coronavírus (2019-nCoV), que já contaminou cerca de 7,8 mil pessoas e matou pelo menos 170, a maioria delas na província de Hubei, epicentro da epidemia.

Continue lendo : Coronavírus chega à Índia e às Filipinas

As outras 7 mil pessoas a bordo, entre passageiros e tripulantes, foram impedidas de descer do transatlântico por enquanto. O roteiro do navio já incluiu Marselha, na França, Barcelona e Palma de Mallorca, na Espanha, e Savona, na Itália.

— Estamos aguardando para conhecer o resultado das verificações ainda em curso, mas tudo que precisava ser feito foi feito. A situação está sob controle, e não há motivos para preocupações a bordo — disse o comandante da Guarda Costeira na região do Lazio, Vincenzo Leone.

O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, afirmou que o governo está preparado para adotar novas medidas se necessário, mas não detalhou quais seriam elas.

— Não estamos alarmados, mas, sim, absolutamente vigilantes e cautelosos na condução desse caso — disse Conte a repórteres durante uma agenda na Bulgária.

O casal voou para Milão de Hong Kong em 25 de janeiro, antes de embarcar no cruzeiro, informou a mídia italiana.

— É claro que estamos um pouco preocupados. Ninguém entra no barco, exceto os médicos. Essas férias correm o risco de acabar sendo um pesadelo — disse um dos passageiros.

A China informou nesta quinta-feira o pior número de mortos em um dia, 38, devido ao novo coronavírus, enquanto a preocupação global cresce com o aumento do contágio.

A Organização Mundial da Saúde (OMS), que instou o “mundo inteiro a agir”, se reunirá nesta quinta-feira para determinar se a epidemia constitui uma emergência internacional de saúde.

China construirá segundo hospital em 10 dias para tratar pacientes com coronavírus

Governo havia feito anúncio da obra do primeiro hospital, também para tempo recorde, ainda na sexta-feira

O Povo Online | Rede Nordeste25.01.2020, 18:00:00

Escavadeiras em canteiro de obras de novo hospital sendo construído em Wuhan, na província central de Hubei, na China ((Foto: STR/AFP))

A cidade chinesa de Wuhan, epicentro de um novo coronavírus, construirá um segundo hospital “em duas semanas” para tratar os doentes deste patógeno, informou neste sábado o Jornal do Povo.

De acordo com o veículo estatal, o novo centro terá capacidade para 1.300 leitos, que serão adicionados aos 1.000 planejados em um primeiro hospital de emergência, cuja construção em 10 dias foi anunciada na sexta-feira, 24.

Ainda na sexta, o governo Chinês começou a construir o primeiro hospital de emergência destinado a receber mil pacientes com coronavírus a partir de 3 de fevereiro, informou a imprensa estatal.

Segundo imagens transmitidas pela televisão, maquinas pesadas preparavam o terreno onde o estabelecimento será construído em Wuhan, o epicentro do surto, uma cidade com 11 milhões de habitantes no centro do país.

Os números mais recentes divulgados sobre o coronavírus são de 26 mortos e 830 pessoas infectadas, segundo o governo chinês. A agência de notícias France Press cita a Comissão Nacional de Saúde da China e diz que mais de mil casos considerados suspeitos estão sendo investigados.

Neste sábado, o governo da Austrália confirmou o primeiro caso de coronavírus. A doença já tem registros em pelo menos dez países.

Morcegos
Estudo publicado na última terça-feira, 21, pela revista Science China Life Sciences, apontou que o novo tipo de coronavírus está diretamente relacionado a uma cepa existente em morcegos. A suspeita agora é de que o vírus, que surgiu na cidade chinesa Wuhan, em dezembro de 2019, pode ter sido disseminado pelo consumo de uma sopa de morcego, comum na região.

Mais de 40 milhões de chineses foram isolados em suas cidades depois da imposição de restrições em outras cinco localidades para evitar a propagação do coronavírus, que já matou 26 pessoas e contaminou pelo menos 830 no gigante asiático.

Veja o que se sabe até agora no vídeo a seguir.