Conmebol troca o árbitro do VAR a quatro dias da final da Libertadores entre Flamengo e River

Peruano Diego Haro foi afastado por ter dado entrevistas sobre os times finalistas, o que contraria o regulamento da entidade. Uruguaio Esteban Ostojich assumirá a função

Por Martín Fernandez — São Paulo

19/11/2019 20h11  Atualizado há 3 horas


A quatro dias da final da Taça Libertadores, em Lima, a Conmebol decidiu trocar o árbitro que comandaria as operações do VAR na partida decisiva entre Flamengo e River Plate, sábado. O peruano Diego Haro foi afastado da função por ter dado uma entrevista a uma rádio argentina elogiando os dois finalistas.

Diego Haro em ação em um jogo do Corinthians este ano pela Copa Sul-Americana — Foto: Pilar Olivares/Reuters
Diego Haro em ação em um jogo do Corinthians este ano pela Copa Sul-Americana — Foto: Pilar Olivares/Reuters

+++ Fla viaja para a final nesta quarta em voo fretado com menção a 1981

+++ Rodrigo Caio vê Flamengo calejado para final e avisa: “Não tenho medo de nada”

+++ Telões no Maracanã para a final: veja como será, quais os shows e como comprar ingresso

A manifestação pública sobre os times que decidirão o torneio contraria o regulamento de árbitros da Conmebol, o que motivou a troca. A entidade sul-americana escalou para comandar o VAR o uruguaio Esteban Ostojich, que originalmente seria o terceiro assistente da sala de operações do árbitro de vídeo. Outro peruano, Victor Carillo, assumirá a função de terceiro assistente.

O árbitro de campo na final de sábado será o chileno Roberto Tobar, auxiliado pelos compatriotas Christian Schiemann e Claudio Rios.

Conmebol abre processo disciplinar, e Flamengo pode ficar sem o Maracanã na Libertadores

Entidade pede explicação do clube por conta de bombas e sinalizadores utilizados por torcedores na vitória sobre Emelec. Notificado, Rubro-Negro prepara defesa para apresentar e evitar punição

Por GloboEsporte.com — Rio de Janeiro

05/08/2019 17h26  Atualizado há 2 horas


Flamengo pode ficar sem o Maracanã para seus próximos jogos na Libertadores. Por conta de sinalizadores e bombas utilizadas por torcedores dentro do estádio na vitória sobre o Emelec, do Equador, nas oitavas de final, a Conmebol abriu processo disciplinar contra o clube. A informação foi publicada inicialmente pelo UOL e confirmada pelo GloboEsporte.com.

Torcida do Flamengo encheu o Maracanã contra o Emelec, mas uso de bombas e sinalizadores pode causar punição na Libertadores — Foto: André Durão / GloboEsporte.com
Torcida do Flamengo encheu o Maracanã contra o Emelec, mas uso de bombas e sinalizadores pode causar punição na Libertadores — Foto: André Durão / GloboEsporte.com

O Flamengo foi notificado para explicar as ocorrências descritas no relatório da partida e já prepara sua defesa. O clube tem até o dia 9 para enviarem as suas alegações para a Conmebol para tentar evitar punições. O Rubro-Negro enfrenta o Internacional pelas quartas de final da Libertadores e tem o mando de campo do jogo de ida, que acontece no dia 21 de agosto.

Entre as possíveis punições que o Flamengo está sujeito pelo código disciplinar da Conmebol estão: advertência, multa (de até 400 mil dólares), portões fechados e até a proibição de jogar no estádio.

Punição no ano passado

O Flamengo já teve que cumprir jogos com portões fechados na Libertadores de 2018 por conta de incidentes de invasão e vandalismo na final da Copa Sul-Americana de 2017, contra o Independiente, da Argentina.

Na ocasião, a Conmebol puniu o clube nos dois primeiros jogos como mandante no torneio, contra River Plate, da Argentina (realizado no estádio Nilton Santos) e Santa Fe, da Colômbia (Maracanã), e ainda aplicou multa de 300 mil dólares.

Maracanã de portões fechados em 2018 — Foto: André Durão
Maracanã de portões fechados em 2018 — Foto: André Durão