Servidores do RN confirmam paralisação

Representantes de movimentos sindicais que integram o Fórum dos Servidores confirmaram paralisação geral para o dia 13 de agosto. Em coletiva realizada na sede do Sinai-RN, os servidores cobram transparência do Governo sobre a resolução das reivindicações propostas pelo Fórum e afirmam que a paralisação geral será a primeira medida em resposta à forma como as negociações estão sendo conduzidas. Segundo o Fórum, a paralisação faz parte de um movimento nacional que também se opõe à aprovação da PEC da Reforma da Previdência.

Resultado de imagem para Servidores confirmam paralisação
Janeayre Souto, do Sinsp, afirma que desde março o governo do estado não é transparente

Janeayre Souto, presidente do Sindicato dos Servidores da Administração Direta do Estado (Sinsp-RN), afirma que desde março o Executivo não vem sendo transparente com os servidores. “Nos dois primeiros meses [a transparência] era um ponto elogiável do Governo, mas hoje isso não existe mais. Não mostram sequer o fluxo de caixa aos servidores”, comenta, acrescentando que a greve geral não está descartada. “A parada chama atenção para a pauta que propomos desde o início da negociação. Uma greve não está descartada caso a postura do governo acerca das reivindicações se mantenha assim”, diz.


Em um discurso mais brando, o representante do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública (Sinte/RN), José Teixeira, reitera a importância do Fórum dos Servidores nas negociações, porém vê esforço no governo para tentar honrar seus compromissos com os sindicalistas. “Acreditamos, sim, que o Fórum [dos Servidores] é importante, afinal nossa angústia também é grande. São três folhas em atrasos, inclusive folhas com salários baixíssimos, inferiores a dois salários mínimos. No entanto, o Governo nos prometeu que cumprirá e quitará essa dívida até outubro. Não dá pra analisar o Governo por esses primeiros sete meses apenas e é claro que se não cumpri-las, medidas serão tomadas”, afirma o representante do Sinte/RN.


Os servidores do Rio Grande do Norte decidiram pela paralisação das atividades em reunião do Fórum Estadual dos Servidores ainda no início de julho. Esta será a primeira paralisação dos servidores na gestão Fátima Bezerra (PT), que assumiu o governo em janeiro deste ano.


O Dia Estadual de Paralisação acontecerá devido ao insucesso nas seguidos tratativas entre servidores e Governo do Estado. Além do pagamento das três folhas em atraso, os servidores cobram do governo o tratamento igualitário para todas as categorias, com  reajuste salarial  de 16,38% para todas os setores do funcionalismo; a revogação do decreto nº 29007, a “Super-conta”, que retira a autonomia financeira das autarquias; a realização de concursos públicos para vários setores do funcionalismo (o Fórum afirma que não há concurso de nível médio no Estado desde 1989 e afirma que 11 mil servidores terceirizados oneram a folha de salários da administração estadual); e também a apresentação de um calendário de pagamento referente ao segundo semestre de 2019, ainda indefinido. 


Sobre esta última reivindicação,  a presidente do Sinsp-RN afirma que o Estado vem impondo cronogramas com escalonamento sem ouvir os sindicalistas. “O escalonamento contemplava, no início do ano, servidores que ganhavam até 6 mil reais. Essa conta, no último mês, já estava relacionada aos servidores que ganham até 3. Todos os cronogramas são impostos e os servidores sequer podem participar. É muita falta de respeito com o servidor”.Além do Sinsp-RN e Sinte-RN, estiveram presentes na coletiva representantes da administração indireta (Sinai-RN),   saúde (Sindsaúde-RN), agentes penitenciários (Sindasp-RN), dos servidores da UERN (ADUERN) e técnicos tributários (Sintern).


Fonte: Tribuna do Norte

Governo do RN apresenta calendário para pagar folha de maio e 13º salário de 2017

Por G1 RN

 

Governadora do RN, Fátima Bezerra (PT), durante reunião com servidores para tratar do pagamento dos salários de maio — Foto: Acson Freitas/Inter TV CabugiGovernadora do RN, Fátima Bezerra (PT), durante reunião com servidores para tratar do pagamento dos salários de maio — Foto: Acson Freitas/Inter TV Cabugi
Governadora do RN, Fátima Bezerra (PT), durante reunião com servidores para tratar do pagamento dos salários de maio — Foto: Acson Freitas/Inter TV Cabugi

O Governo do Rio Grande do Norte apresentou nesta segunda-feira (6) calendário para pagamento da folha salarial do mês de maio e também do 13º de 2017. As datas foram definidas em reunião com o Fórum de Servidores, composto por representantes de vários sindicados e categorias do serviço público estadual.

No próximo dia 15, o Governo vai pagar os salários de maio para os trabalhadores que ganham até R$ 5 mil. Quem recebe salários acima desse valor terá depositado 30% do seu vencimento também no dia.

No final do mês, o governo deverá depositar os 70% restantes aos servidores que receberam apenas uma parte do valor.

O calendário vale para os órgão que não têm arrecadação própria. No caso dos órgãos e secretarias que não se encaixam nesse perfil, os salários devem continuar sendo pagos no fim do mês.

devem continuar sendo pagos no fim do mês.

13º salário

Também no fim de maio, no dia 31, o governo deverá depositar cerca de R$ 15,62 milhões nas contas de servidores que ainda não receberam o 13º salário de 2017. Nessa data, receberão aqueles que ganham entre R$ 5 mil e R$ 12 mil líquidos: 6.378 beneficiários. Quem ganha abaixo disso já teve essa folha quitada.

No dia 28 de junho, o governo deverá pagar o 13º salário de 2017 aos mais de mil beneficiários que têm salários maiores que R$ 17 mil e ainda não receberam o pagamento. O valor será de R$ 14,61 milhões.

Os valores serão depositados com correção, segundo o Poder Executivo.

“No que diz respeito ao calendário de pagamento, nós avançamos. Firmamos aqui o compromisso de começar a quitar os salários atrasados garantindo o pagamento dos salários do 13º de 2017. Também vamos instituir uma comissão que vai elaborar uma proposta para garantir um calendário de pagamento, dentro do mês, para todo o ano de 2019”, afirmou a governadora Fátima Bezerra (PT).

O governo ainda tem em atraso parte das folhas de novembro, dezembro, além do 13º de 2018.

Servidores da Saúde do RN começam greve e fazem protesto na Governadoria

Os servidores da saúde do Rio Grande do Norte deflagraram nesta terça-feira, 5, uma greve por tempo indeterminado. Eles acamparam em frente a Governadoria.

Crédito da foto: Extraída do Facebook do Sindsaúde/RNO grupo está acampado em frente a Governadoria

 

A categoria aprovou a paralisação no último dia 24 de janeiro. A proposta foi votada por ampla maioria em assembleia geral no auditório do Sinpol.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Saúde Pública do Rio Grande do Norte (Sindsaúde/RN), a greve é fruto dos constantes ataques que os servidores estaduais vêm sofrendo nos últimos anos. O parcelamento dos salários de janeiro gerou muita revolta dos servidores da saúde que estão com os salários de dezembro e o 13º de 2018 ainda atrasados.

A entidade lembra ainda que a governadora Fátima Bezerra (PT), publicou no último dia (21), um decreto suspendendo o pagamento e o gozo da licença-prêmio, direito garantido por lei a todos os servidores. O decreto foi revogado pelo governo após reunião com o Fórum dos servidores, mas está sendo proibido solicitar a licença pelas direções dos hospitais.

A categoria da saúde reivindica o pagamento do 13º salário de 2017, o pagamento do salário de novembro de 2018 para aqueles que recebem acima de cinco mil reais, o salário de dezembro de 2018 e o 13º salário de 2018. O Sindsaúde-RN ainda demanda o fim do parcelamento dos salários, da divisão entre ativos e aposentados, reivindicando além disso melhores condições de trabalho, abastecimento das unidades hospitalares, e um concurso público para saúde para sanar a sobrecarga de trabalho.

A saúde é a primeira categoria a iniciar uma greve por tempo indeterminado no novo Governo.

de fato.com

Governo cede à pressão dos servidores e revoga decreto que suspendia licenças-prêmio

Após reunião com representantes do fórum de servidores públicos, o Governo do Rio Grande do Norte decidiu revogar o decreto publicado dia 22 de janeiro que suspendia o gozo e o pagamento de licenças-prêmio.

A informação é do secretário-chefe do Gabinete Civil, Raimundo Alves Júnior, que coordenou a reunião com os representantes dos funcionários públicos do Estado.

O Fórum Estadual de Servidores Públicos do RN, que reúne 17 entidades de classe da administração direta e indireta do Governo do Rio Grande do Norte, voltou a se reunir na tarde dessa terça-feira (22) para definir o teor e as prioridades da pauta que será discutida hoje, às 15h, com a governadora Fátima Bezerra. A “revogação imediata” do Decreto nº 28.697, assinado no dia 21 e publicado na edição de ontem do Diário Oficial do Estado, que proíbe a concessão de licenças-prêmios aos servidores estaduais, está entre os oito pontos que serão abordados durante a reunião desta quarta no Gabinete Civil.

Ontem, representantes do fórum afirmaram que se o Governo não recuasse, o caso seria judicializado. “Conseguimos derrubar (no Tribunal de Justiça do RN) um decreto semelhante no final da gestão do governo Robinson Faria. Temos toda jurisprudência favorável aos servidores. Esse novo Decreto é um atropelo, um ruído criado sem necessidade”, avaliou o presidente do Sindifern, Fernando Freiras.
Os servidores ainda cobram do Governo uma posição sobre o pagamento regular dos salários e atualização dos vencimentos em atraso.

Somados, os salariais pendentes alcançam R$ 978 milhões: servidores aposentados e pensionistas que ganham acima de R$ 5 mil ainda não receberam o 13º salário de 2017, dívida que chega a R$ 42 milhões. O salário de novembro de 2018 de todos os servidores que ganham acima de R$ 5 mil (ativos, inativos e pensionistas) também não foi pago, um débito que representa R$ 96 milhões. Já a folha salarial de dezembro do ano passado mais o pagamento do 13º salário de 2018 estão atrasados para os 104 mil servidores públicos estaduais, totalizam mais R$ 840 milhões.

Tribuna do Norte