Traição em residência do casal gera dever de indenizar por danos morais, decide TJ

A 4ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve decisão do juiz Cassio Ortega de Andrade, da 3ª Vara Cível de Ribeirão Preto, que condenou homem a indenizar, por danos morais, a ex-esposa a quem traiu, levando a amante no ambiente familiar, onde ambos moravam com os filhos.

O valor da reparação foi fixado em R$ 20 mil.
De acordo com os autos, desconfiada da infidelidade do companheiro, a autora buscou os vizinhos para pedir imagens das câmeras das residências, quando descobriu que o marido havia levado a amante à casa do casal, onde eles moravam junto aos três filhos. A circunstância, de acordo com ela, ocasionou enorme angústia e desgosto.

Ilustrativa


Segundo o desembargador Natan Zelinschi de Arruda, relator do recurso, a simples traição ou relação extraconjugal não ensejaria indenização por danos morais. O dever de reparar, porém, advém “da insensatez do réu ao praticar tais atos no ambiente familiar, onde as partes moravam com os três filhos comuns”, afirmou o magistrado.

Além disso o magistrado ressaltou que a mulher foi exposta a situação vexatória, haja vista o conhecimento de vizinhos sobre o ocorrido. “No mais, é óbvio que a situação sub judice altera o estado emocional, atinge a honra subjetiva, ocasiona enorme angústia e profundo desgosto, o que autoriza a fixação de danos morais em razão da excepcionalidade da situação, como bem observou o juiz sentenciante”, destacou.

O julgamento teve a participação dos desembargadores Marcia Dalla Déa Barone e Alcides Leopoldo. A votação foi unânime.

Juiz que absolveu PMs de estupro em viatura será investigado por amizade com advogado

O juiz Ronaldo João Roth, do Tribunal de Justiça Militar, será investigado pelo Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) por suposto favorecimento ao advogado José Miguel da Silva Junior, no caso em que dois policiais militares foram absolvidos da acusação de estupro dentro de uma viatura por uma jovem, de 21 anos, em Praia Grande (litoral de São Paulo), em 2019.

Segundo reportagem do portal G1, o magistrado e o advogado trabalham juntos na Escola de Direito Militar (EPD) de São Paulo. Roth é coordenador do curso de pós-graduação em Direito Militar, enquanto José Miguel é um dos professores do mesmo curso.

Além disso, fotos dos dois juntos foram postadas nas redes sociais de ambos e mostram encontros em cafeterias, escritórios e até durante um desfile de escola de samba, no Carnaval de 2017. Em muitas das publicações, José Miguel se refere ao juiz como “amigo”. As postagens datam de, pelo menos, 2017 até este ano. Em uma delas, a legenda escrita pelo advogado diz: “Hoje não falamos de direito. Colocando o papo em dia com o mestre Ronaldo Roth”.

José Miguel representa o PM que dirigia a viatura no momento em que, segundo relato da jovem, o outro agente a estuprava. Além dele, os advogados Filipe Molina e Luiz Nakaharada completam a defesa. Ele alegou que foi surpreendido com a prática do ato, e que não sabia da intenção do colega.

O outro soldado, que, segundo a sentença, sentou-se ao lado da vítima no banco traseiro do carro, foi condenado pelo crime previsto no artigo 235 do Código Penal Militar, que prevê até um ano de detenção por libidinagem ou pederastia em ambiente militar. Mas ele não será preso, já que a pena é de sete meses de detenção, em regime aberto, e o juiz suspendeu o cumprimento da pena.

Na decisão, o juiz afirma que a vítima “nada fez para se ver livre da situação”, e que “não reagiu”. No entendimento do magistrado, assim, “não houve violência”. “Não houve nenhuma violência ou ameaça”, escreveu. Ele absolveu os PMs da acusação de estupro, pois entendeu que, neste caso, o sexo foi consensual. Para Roth, “a vítima poderia, sim, resistir à prática do fato libidinoso, mas não o fez”.

Uma denúncia chegou ao Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) em junho, mesmo mês da absolvição dos réus, apontando uma relação íntima de amizade entre o magistrado que julgou o caso e o advogado de um dos réus — o que, segundo advogados da seção de Ética da OAB e especialistas em direito militar, pode acarretar em suspeição do juiz no processo.

A denúncia da relação dos dois, segundo o MP-SP, foi encaminhada à Promotoria de Justiça Militar, à Corregedoria do Tribunal de Justiça Militar e à Procuradoria-Geral de Justiça, que solicitou ao Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo para investigar o caso. O despacho foi assinado pelo juiz Cláudio Godoy na última quinta-feira (9).

No pedido de instauração do procedimento investigatório, o Procurador de Justiça Mario Antonio de Campos Tebet aponta que o advogado não aparenta ter proximidade com nenhum outro magistrado sem ser Roth.

“Nas redes sociais de Jose Miguel, não se identificou nenhuma publicação indicativa de proximidade pessoal nos últimos dois anos com nenhum outro Magistrado, de nenhuma seara (Justiça Comum ou Justiça Militar), que não seja o Dr. Ronaldo Roth”, escreveu o procurador.

O Código de Processo Civil diz que o juiz tem que se declarar impedido se for amigo do advogado das partes. Já o Código de Processo Militar, apenas se for amigo de uma das partes.

O Código de Processo Civil: Art. 145 diz que “há suspeição do juiz: I – amigo íntimo ou inimigo de qualquer das partes ou de seus advogados”. E Código de Processo Penal Militar: Art. 38 diz que “o juiz dar-se-á por suspeito e, se o não fizer, poderá ser recusado por qualquer das partes: a) se for amigo íntimo ou inimigo de qualquer delas”.

Em nota ao portal G1, a Justiça Militar afirmou que, por força de lei, o magistrado não pode se manifestar publicamente sobre o assunto.

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) informou ao G1 que os policiais citados respondem a processo disciplinar demissionário pela instituição, e seguem afastados do trabalho operacional: “Cumpre esclarecer que o processo administrativo é independente do processo penal-militar. Em que pese a decisão do Tribunal de Justiça Militar [TJM], ainda há graves infrações sendo apuradas em Processo Regular”.

Atos contra Bolsonaro na Paulista foram um desastre: “em torno de 1000 vândalos”

O centro de São Paulo foi palco de atos contra o governo de Jair Bolsonaro na tarde deste sábado (24), o movimento foi marcado por pancadaria e quebra-quebra e ainda um incêndio criminoso a estátua de Borba Gato, um dos cartões postais da capital Paulista. Um morador da região classificou como uns “1000 vândalos” fazendo essa baderna no centro de São Paulo.

A concentração foi em frente ao MASP, Políticos de diversos partidos estiveram no protesto. O vereador Eduardo Suplicy (PT) declarou que quer fazer parte do movimento contra Bolsonaro nas eleições de 2022.

“Acabei de estar com o Boulos e com o Haddad e queremos estar junto com vocês no ano que vem. Tanto no estado quanto no governo federal estaremos unidos no Fora Bolsonaro”, declarou.

Por Terra Brasil Notícias

Chegam a SP insumos para produção de 5 milhões de doses de CoronaVac

Previsão é que as doses sejam entregues em junho ao governo federal

Publicado em 25/05/2021 – 18:51 Por Camila Maciel – Repórter da Agência Brasil – São Paulo

Vacinação drive thru na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), zona norte do Rio. A cidade do Rio de Janeiro retoma hoje (25) sua campanha de aplicação da primeira dose da vacina contra a covid-19 em idosos da população em geral. Hoje serão vacinados os idosos com 82 anos.

Mais 3 mil litros de Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) para produção da CoronaVac chegaram a São Paulo na tarde de hoje (25). Com o material, o Instituto Butantan produzirá 5 milhões de doses da vacina contra a covid-19. As entregas estão programadas para junho.

Os insumos são enviados pela biofarmacêutica Sinovac e, no Brasil, passam pelos processos de envase, rotulagem, embalagem e controle de qualidade. De acordo com o governo paulista, todo o processo dura, em média, de 15 a 20 dias. Depois de prontas, as doses são entregues ao Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde.

As entregas de IFA estão sendo feitas desde o final de 2020, matéria-prima que rendeu 3,8 milhões de doses. Em fevereiro, foi feita a entrega de 11 mil litros, em março, 8,2 mil litros de insumos e, em abril, 3 mil litros. 

Ao todo, o instituto entregou 47,2 milhões de doses ao PNI. Segundo o Butantan, o montante cumpre o primeiro contrato de 46 milhões de vacinas, assinado em 7 de janeiro com o Ministério da Saúde. O segundo contrato prevê a entrega de 54 milhões de doses. 

O órgão espera finalizar em setembro a obra de uma nova fábrica, o que permitirá, a partir de dezembro, a produção integral no Brasil, sem que seja necessário importar matéria-prima. A capacidade será de 100 milhões de doses por ano.

Bruno Covas tem quadro clínico irreversível, diz boletim médico

Prefeito licenciado de São Paulo está internado no Hospital Sírio-Libanês desde o dia 2 de maio para tratamento de câncer.

Por SP2 e G1 SP — São Paulo

14/05/2021 19h38  Atualizado há 26 minutos


O prefeito Bruno Covas e o filho Tomás, em foto publicada em seu Instagram no dia 4 de maio. — Foto: Reprodução/Instagram

O prefeito licenciado de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), apresentou agravamento do estado de saúde nesta sexta-feira (14). Segundo o boletim médico, o quadro é irreversível.

Covas está internado desde o dia 2 de maio no Hospital Sírio-Libanês, no Centro da capital paulista, para tratamento do câncer no sistema digestivo com metástase nos ossos e no fígado.

“O Prefeito Bruno Covas segue internado no Hospital Sírio-Libanês recebendo medicamentos analgésicos e sedativos. O quadro clínico é considerado irreversível pela equipe médica. Neste momento, encontra-se no quarto acompanhado de seus familiares”, diz boletim divulgado na noite desta sexta.

Internado com câncer, Bruno Covas tem quadro de saúde irreversível, diz boletim

Na segunda-feira (10), Covas havia iniciado uma nova etapa de tratamento, com a combinação de imunoterapia e terapia-alvo.

A imunoterapia é feita com medicamento que reforça o sistema imunológico do paciente, para que ele próprio combata o câncer. Já a terapia-alvo, um tratamento mais recente, é feita com outro tipo de medicamento, que identifica uma proteína que existe em células cancerígenas e ataca essas células.

Na semana passada, Covas passou também por sessões de radioterapia para ajudar a conter um sangramento na cárdia detectado em um exame (leia mais abaixo).

Visitas no hospital

Na quinta-feira (13), o prefeito licenciado postou uma foto nas redes sociais ao lado do vice-governador Rodrigo Garcia, que se filiou ao PSDB nesta sexta-feira (14), de olho na disputa eleitoral do estado em 2022.

Nas últimas semanas, Covas recebeu no hospital visitas de familiares e políticos, como o prefeito em exercício, Ricardo Nunes (MDB), o governador João Doria (PSDB) e o presidente da Câmara Municipal, Milton Leite (DEM).

No Dia das Mães, Covas fez uma homenagem à sua mãe e à mãe de seu filho Tomás, que tem 15 anos. Ele também postou uma foto dele mesmo sorrindo e escreveu: “Continuo a lutar aqui no hospital. sem baixar a cabeça e sem perder minha motivação. Muita força, foco e fé. Espero logo estar junto de vocês para agradecer por todo carinho”.

Com o afastamento de Covas do cargo, o vice-prefeito, Ricardo Nunes (MDB), assumiu a Prefeitura de São Paulo no último dia 4, por 30 dias.

Intubado e extubado no mesmo dia

Covas foi internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no dia 3 de maio para passar por um procedimento para conter um sangramento no tumor da cárdia, localizada na transição entre o estômago e o esôfago.

Ele chegou a ser intubado para o procedimento, mas foi extubado no mesmo dia, após o sangramento ter sido contido. No dia 4 de maio, ele teve alta da UTI e foi para leito semi-intensivo.

Em foto divulgada nas redes sociais, após deixar a UTI, Covas apareceu ao lado do filho com a camiseta do Santos, time para o qual ambos torcem. Na mensagem, o prefeito licenciado disse ter vencido mais uma etapa e ter fé em continuar a driblar os próximos obstáculos.

Por conta do sangramento, as sessões de quimioterapia que estavam previstas foram suspensas e Covas realizou sessões de radioterapia.

Como foi a última internação

VÎDEO: Veja a cronologia da doença de Bruno Covas

Em 2 de maio, Covas anunciou que faria um pedido de afastamento do cargo por 30 dias, para poder continuar o tratamento de saúde, e que o vice-prefeito, Ricardo Nunes (MDB), assumiria a gestão da cidade.

No mesmo dia, Covas foi internado para realizar exames de rotina do tratamento oncológico, com o objetivo de prosseguir o tratamento quimioterápico e imunoterápico. Nesses exames foi detectado o sangramento no local do tumor inicial, a cárdia.

Os médicos explicaram que a intubação foi feita para proteger as vias aéreas do prefeito e evitar alguma laceração no momento da endoscopia, procedimento utilizado para estancar o sangramento.

“O evento foi controlado com sucesso. A intubação foi estratégia para evitar que os coágulos fossem aspirados e contaminassem a via aérea. Foi uma intubação para proteger a via aérea durante o evento. É diferente da intubação de quem tem insuficiência respiratória por Covid ou alguma coisa assim. Não houve alteração da função respiratória”, afirmou Artur Katz.

Tratamento

Em 15 de abril, o prefeito licenciado já havia sido internado para a realização de exames de controle, que descobriram novos focos de tumor nos ossos e no fígado. Durante a internação, ele apresentou uma piora no quadro e foi diagnosticado líquido no abdômen e nas pleuras, tecidos que revestem os pulmões.

Drenos foram colocados para a retirada do líquido, uma suplementação nutricional também foi iniciada, e Covas teve alta em 27 de abril.

Primeiro diagnóstico em 2019

O prefeito licenciado foi internado pela primeira vez em outubro de 2019, quando chegou ao hospital com erisipela (infecção), que evoluiu para trombose venosa profunda (coágulos) na perna direita. Os coágulos subiram para o pulmão, causando o que é chamado de embolia.

Durante os exames para localizar os coágulos, médicos detectaram o câncer na cárdia, região entre o esôfago e o estômago, com metástase no fígado e nos linfonodos.

Covas passou por oito sessões de quimioterapia, que fizeram com que o tumor regredisse. Mas, segundo a equipe médica, não foram suficientes para vencer o câncer. Após novos exames, o prefeito iniciou o tratamento com imunoterapia.

Em janeiro de 2021, após ser reeleito nas eleições municipais e continuar no cargo, Covas anunciou uma nova fase de procedimentos no combate à doença.

Ele tirou uma licença de 10 dias, quando passou a ser submetido a sessões de radioterapia. Na época, estavam previstas 24 sessões de radioterapia complementares para o tratamento.

Em abril deste ano, exames apontaram novos pontos de câncer nos ossos e no fígado.

Em entrevista ao Fantástico logo após a descoberta do câncer, no final de 2019, ele se disse confiante no tratamento, como mostra o vídeo abaixo:

VÍDEO: ‘É um soco na cara’, diz Bruno Covas ao descobrir que estava com câncer

Após lockdown, prefeito de Araraquara sofre ameaças em rede social

As publicações foram feitas depois que o TJ-SP derrubou uma liminar que permitia a abertura do comércio na cidade

Redação 29 de março de 2021 – 11:46

Créditos: EBC

O prefeito de Araraquara, Edinho Silva (PT), registrou boletim de ocorrência no domingo 28 após sofrer ameaças em uma rede social. Publicações feitas no Facebook questionaram o local de moradia do prefeito e ameaçaram sua integridade física.

Créditos: Divulgação / Facebook

As publicações foram feitas depois que o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) derrubou uma liminar que permitia a abertura do comércio na cidade no sábado 27.

Araraquara foi a primeira cidade do estado a restringir a circulação de pessoas. No dia 21 de fevereiro foram fechados até serviços essenciais, como supermercados e postos de gasolina, e houve a suspensão do transporte público. Um dia antes da medida, a cidade havia batido recorde diário de casos confirmados, com 248 registros, indicando uma crise hospitalar que chegou a beira do colapso.

No último dia 26, enquanto o estado de São Paulo batia recordes de mortos por Covid-19 em 24 horas, a cidade não registrou nenhum óbito.

Ao deixar o plantão policial, o prefeito afirmou que as ameaças não o intimidam e que não farão com que a prefeitura recue nas suas politicas públicas em defesa da vida no combate à pandemia.

Três pessoas morreram após usarem “kit covid” em São Paulo

Presidente Bolsonaro também divulga o kit com métodos de “tratamento precoce”

Três pessoas morreram em são paulo após usar o kit covid”

Em São Paulo, cerca de cinco pessoas foram hospitalizadas e foram parar na fila de transplante de fígado após usarem medicamentos presentes no “kit covid” . Tal kit inclui a hidroxicloroquina, azitromicina, ivermectina e anticoagulantes. Além disse, outras três pessoas morreram de hepatite no estado depois do uso dos remédios. As informações foram apuradas pelo jornal Estado de São Paulo.

Apesar de não terem comprovação científica em relação ao combate ao novo coronavírus, os medicamentos são indicados por alguns médicos. O “kit covid” também é divulgado pelo presidente Jair Bolsonaro.

“Quando fazemos os exames no fígado, vemos lesões compatíveis com hepatite medicamentosa. Vemos que esses remédios destruíram os dutos biliares, que é por onde a bile passa para ser eliminada no intestino”, declarou Luiz Carneiro D’Albuquerque, chefe de transplantes de órgãos abdominais do HC-USP e professor da universidade.

“É uma combinação de altas dosagens com a interação de vários medicamentos. A substância desencadeia um processo em que a célula ataca outros células, levando a fibroses, que causam a destruição dos dutos biliares”, ressaltou.

No início do mês de março, a Organização Mundial da Saúde ( OMS ), afirmou que a hidroxicloroquina, por exemplo, não funciona para o tratamento da Covid-19 e ainda pode causar diferentes efeitos nos pacientes. Além disso, o presidente Bolsonaro divulga o “kit covid” como uma forma de “tratamento precoce” contra o novo coronavírus.

“Nós temos uma doença que é desconhecida, com novas cepas, e pessoas estão morrendo. Os médicos têm o direito, ou o dever, de que, no momento que falta um medicamento específico para aquilo com comprovação científica, ele pode usar o que se chama de off label – fora da bula”, disse Bolsonaro, na sexta-feira (19/3), à Rádio Acústica.

“É impressionante, eu converso com muita gente idosa, né? ‘Estou tomando regularmente ivermectina, e eu e minha família, ninguém se contaminou’. Então, parece que ivermectina é preventiva e, quando você contrai, ela serve para curar a doença também”, afirmou.

Saiba mais em: https://agorarn.com.br/ultimas/tres-pessoas-morreram-apos-usarem-kit-covid-em-sao-paulo/ | Agora RN

Repasse do Fundeb em 2021 será de R$ 179 bilhões

Decreto regulamenta procedimentos operacionais do fundo

Publicado em 22/03/2021 – 19:07 Por Pedro Rafael Vilela – Repórter da Agência Brasil – Brasília

O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), autarquia federal vinculada ao Ministério da Educação (MEC), deve divulgar, até o final de março, o cronograma de repasses dos recursos da União para o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), que em 2021 deve totalizar R$ 179 bilhões. A informação foi dada pelo ministro da Educação Milton Ribeiro, durante solenidade que marcou a assinatura, pelo presidente Jair Bolsonaro, do decreto que regulamenta os procedimentos operacionais do novo Fundeb.    

“Até o final do mês de março, o MEC divulgará, por meio do FNDE, os valores por aluno do Fundeb e o cronograma de repasses dos recursos da União para o ano de 2021. Está previsto o repasse aproximado de R$ 179 bilhões por meio do Fundeb, dos quais R$ 19 bilhões referem-se à complementação da União”, afirmou.

O Fundeb foi criado originalmente em 2007 e vigorou até 2020, quando foi restabelecido por meio da Emenda Constitucional nº 108/20, promulgada em agosto, e pela Lei nº 14.113, que entrou em vigor em dezembro do ano passado.  

Composto de 20% da receita de oito impostos estaduais e municipais, como ICMS, ITR e IPVA, e de valores transferidos de impostos federais, o fundo custeou em 2019, por exemplo, cerca de R$ 156,3 bilhões para a rede pública. Com o novo fundo, o Congresso Nacional aumentou a participação da União no financiamento da educação básica. A participação federal passa dos atuais 10% para 23%. O aumento é escalonado. Este ano, o percentual passa para 12%. Em 2022, 15%; em 2023, 17%; em 2024, 19%; em 2025, 21%; e a partir de 2026, 23%.

De acordo com o MEC, dentre os temas regulados pelo decreto, estão a transferência e a gestão dos recursos do fundo, definindo as instituições financeiras responsáveis pela distribuição dos recursos, suas responsabilidades, as formas de repasse e movimentação do dinheiro público.

“Embora a proposta de emenda à constituição que trouxe essas inovações tenha sido aprovada no ano passado, estamos ainda em período de transição. Isso porque nos três primeiros meses há necessidade de os técnicos ajustarem como isso será feito para distribuição dos recursos. Hoje, com a assinatura do decreto, daremos início às medidas operacionais, no âmbito do MEC, do Inep e do FNDE, que permitirão, a partir do mês de abril, o próximo mês, a distribuição dos recursos de acordo com critérios mais condizentes e com o propósito de viabilizar, por meio do Fundeb, uma mudança efetiva na qualidade da educação básica em nosso país”, destacou Milton Ribeiro.

O decreto ainda trata do acompanhamento e do controle social sobre a distribuição, a transferência e a aplicação dos recursos do Fundo, que serão exercidos, perante os respectivos entes governamentais, no âmbito da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios, pelos Conselhos de Acompanhamento e Controle Social instituídos especificamente para essa finalidade.

Em outro decreto assinado por Bolsonaro na solenidade, foi instituído o Conselho de Acompanhamento e Controle Social, no âmbito federal, previsto na lei que regulamentou o Fundeb. O texto regulamenta a indicação dos representantes, a duração dos mandatos dos membros do colegiado, a forma de realização do chamamento público, a periodicidade das reuniões, além de fixar as atribuições da Secretaria Executiva do Conselho.

Segundo o MEC, o Conselho exercerá o acompanhamento e o controle social sobre a distribuição e transferência dos recursos do Fundeb, além de supervisionar o censo escolar anual e a elaboração da proposta orçamentária anual. 

“A proposta apresentada pelo Ministério da Educação possibilita a constituição imediata do Conselho, que virá a se somar a outras instâncias governamentais e não governamentais que atuam no acompanhamento da execução do Fundeb. O diferencial dessa iniciativa, no entanto, consiste em ter em sua composição a representação social, possibilitando a participação de membros da sociedade na supervisão e no controle da implementação de uma política pública. O trabalho desenvolvido pelo Conselho auxiliará o governo no planejamento da distribuição e no controle e acompanhamento da transferência dos recursos do Fundo”, informou a pasta.

Federação suspende rodada do Paulista e adia decisão de ir à Justiça

Estado vive fase emergencial por alta de casos e mortes por covid-19

Publicado em 18/03/2021 – 15:22 Por Lincoln Chaves – Repórter da Rádio Nacional e da TV Brasil – São Paulo

A quinta rodada do Campeonato Paulista, prevista para o fim de semana, está adiada. A decisão foi anunciada nesta quinta-feira (18) pela Federação Paulista de Futebol (FPF) em nota divulgada após uma reunião virtual da entidade com representantes dos clubes da Série A1 (primeira divisão) e dos sindicatos dos Atletas, dos Árbitros e dos Treinadores.

São Paulo está na Fase Emergencial no combate à pandemia do novo coronavírus (covid-19) desde a última segunda-feira (15). Entre as restrições determinadas pelo governo paulista, atendendo a uma recomendação do Ministério Público Estadual, está a suspensão de eventos esportivos coletivos. A FPF contestou a decisão e se reuniu com o poder público e o MP, apresentando um protocolo sanitário mais rigoroso, mas não teve êxito na tentativa de manter a realização dos jogos durante os 15 dias de vigência da fase.

Na última terça-feira (16), federação e clubes informaram que não descartavam acionar a Justiça para garantir a manutenção do calendário, alegando “falta de argumentos científicos e médicos” que sustentem a paralisação. Segundo o comunicado desta quinta, porém, foi decidido “não ingressar neste momento com Mandado de Segurança”.

A FPF vem tentando levar as partidas para fora de São Paulo e chegou a marcar o duelo entre São Bento e Palmeiras – que seria disputado na última quarta-feira (17) – para o estádio Independência, em Belo Horizonte. O governo mineiro, porém, proibiu a realização de eventos de outros locais e o embate foi suspenso. Conforme a nota, a FPF “permanece em contato com autoridades estaduais, municipais, federações e CBF [Confederação Brasileira de Futebol] para tentar viabilizar a realização dos jogos da próxima semana”.

Nesta quinta-feira, a prefeitura da cidade de São Paulo confirmou a primeira morte de uma pessoa com covid-19 (um jovem de 22 anos, que tinha obesidade e apresentava desconforto respiratório) que não conseguiu ser atendida por falta de vagas em unidades de terapia intensiva (UTIs). Só na capital, de acordo com o secretario estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, 88% dos leitos estão ocupados. No estado, nove em cada dez vagas de UTI estão sendo utilizadas em decorrência da pandemia.

Vacinas da AstraZeneca chegam ao Brasil

Voo trazendo imunizante desceu em São Paulo

Publicado em 22/01/2021 – 17:41 Por Camila Boehm – Repórter da Agência Brasil – São Paulo
Atualizado em 22/01/2021 – 17:52

O voo procedente da Índia que trouxe 2 milhões de vacinas da AstraZeneca contra a covid-19 ao Brasil chegou por volta das 17h30 no Aeroporto Internacional de São Paulo, localizado em Guarulhos.

Para o recebimento da carga, estão presentes no local os ministros da Saúde Eduardo Pazuello, das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e das Comunicações, Fábio Faria. De lá, as vacinas serão encaminhadas para o Rio de Janeiro.

A carga vinda da Índia foi transportada em voo comercial da companhia Emirates. Após os trâmites alfandegários, seguirá em aeronave da Azul para o Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio.

De acordo com a Fiocruz, assim que chegarem à instituição, as vacinas passarão por checagem de qualidade e segurança, além de rotulagem, com etiquetagem das caixas com informações em português.

A previsão é que esse processo seja realizado até manhã de sábado (23) por equipes treinadas em boas práticas de produção. As vacinas devem ser liberadas para distribuição no período da tarde.

Acompanhe ao vivo a transmissão da TV Brasil:

Matéria ampliada às 17h52