Silvio Santos vai responder por crime de racismo

“Quando um apresentador, dono de um canal que é uma concessão pública, ratifica e continua perpetuando piadinhas racistas, isso passa a ser um problema no qual encontramos aparato constitucional para enquadrá-lo”, afirmou o deputado estadual Jesus dos Santos (PSOL-SP)

14 DE DEZEMBRO DE 2019, 15H13

Por Redação‌‌‌, Revista Forum

O apresentador Silvio Santos é alvo de representação encaminhada ao Ministério Público que pede que o dono do SBT seja processado por crime de racismo. A motivação é o tratamento dado à cantora Jennyfer Oliveira em seu programa, que foi apontada pela plateia como vencedora de um concurso de calouros, mas foi rejeitada pelo apresentador – que optou por premiar uma cantora branca.

A iniciativa é do deputado estadual Jesus dos Santos (PSOL-SP), integrante da bancada ativista que divide o mandato entre nove pessoas. “Quando um apresentador, dono de um canal que é uma concessão pública, ratifica e continua perpetuando piadinhas racistas, isso passa a ser um problema no qual encontramos aparato constitucional para enquadrá-lo. O crime de racismo é bem nítido quando informa que atos racistas de qualquer forma e grau precisam ser contidos”, disse o parlamentar à jornalista Eligia Aquino Cesar, da Folha.

Segundo a Folha, a representação vou levada ao MP após a realização de uma audiência pública na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), da qual também participaram a deputada Leci Brandão (PCdoB-SP) e o deputado Luiz Fernando Teixeira (PT-SP).

Durante o ‘Programa Silvio Santos’ da última semana, o apresentador não aceitou uma vitória esmagadora de Jennyfer Oliveira em um concurso de cantoras (ela obteve 84 votos dos 100 possíveis) e optou por premiar a que considerou mais bonita. Jennyfer era a única negra das quatro concorrentes.

Confusão em baile funk termina com oito mortos em Paraisópolis

Policiais de moto perseguindo dupla entraram na festa, que tinha cerca de 5.000 pessoas, e teriam sido recebido com pedradas e garrafadas

Vania Souza, da Agência Record

1/12/2019 às 11h44 (Atualizado em 1/12/2019 às 12h54)

Confusão aconteceu quando policiais de moto entraram em baile funk
Confusão aconteceu quando policiais de moto entraram em baile funk

Um baile funk em Paraisópolis, uma das maiores comunidades de São Paulo, terminou ao menos com oito pessoas mortas, após uma confusão na madrugada deste domingo (1º).

O porta-voz da Polícia Militar, major Emerson Massera, fala em nove mortes, número que não é confirmado pela Secretaria Municipal de Saúde, responsável pelo hospital para onde foram levadas as vítimas.

Segundo a PM, equipes da equipes da Rocam (Ronda Ostensiva com Apoio de Motocicletas) que perseguiam dois homens em uma moto, que teriam atirado contra os policiais, entraram no baile funk que acontecia dentro da comunidade, por volta das 4h. No local, havia cerca de 5.000 pessoas. 

De acordo com a PM, indivíduos atiraram objetos, como pedras e garrafas nos policiais, que solicitaram reforço à Força Tática. 

Foram usadas bombas de gás para dispersar a multidão e, na correria, dez pessoas foram pisoteadas.

No pronto-socorro do Campo Limpo, para onde foram levadas, médicos constataram a morte de oito delas, de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde. Duas permanecem internadas. 

A Polícia Militar afirmou que vai emitir nota oficial sobre o episódio ainda neste domingo. 

O advogado e conselheiro do Condepe (Conselho Estadual de Direitos Humanos) Ariel de Castro Alves afirma que “aparentemente, foi uma ação desastrosa da PM que gerou tumulto e mortes”.

Manifestantes cobram PEC da segunda instância na Avenida Paulista

Em outras capitais, movimento foi fraco em manifestações contra decisão do Supremo Tribunal Federal

Por Redação Estadão 09 de novembro 2019 às 19h24

Os grupos que lideraram o movimento pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) voltaram a se reunir nesse sábado, 9, na Avenida Paulista para defender a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que permite a prisão após condenação em segunda instância. Os manifestantes foram convocados pelo Nas Ruas, Vem Pra Rua (VPR) e Movimento Brasil Livre (MBL), além de outras organizações menores, e ocuparam um trecho entre Museu de Arte de São Paulo (Masp) e a Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp). A Polícia Militar não fez estimativa de público.

Estacionado em frente ao Masp, o caminhão do Nas Ruas reuniu os bolsonaristas do PSL, que fizeram um discurso duro contra o STF e atacaram o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que foi solto ontem da carceragem da Polícia Federal em Curitiba após o STF derrubar a prisão após condenação em 2° instância. O Nas Ruas e o Vem Pra Rua defendem o impeachment de ministros do STF.

ara a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), uma das fundadoras do Nas Ruas, a liberdade de Lula vai unificar o campo da direita. “A saída do Lula da cadeia vai reforçar a liderança de Bolsonaro no campo da direita. A soltura dele traz de volta o sentimento que nos uniu no impeachment da Dilma”, disse a deputada ao Estado. Em seu discurso, Zambeli falou sobre o processo de expulsão que enfrenta no PSL por se manter leal a Bolsonaro.

Aliado de Bolsonaro, o empresário Luciano Hang, dono da rede lojas Havan, foi um dos mais exaltados oradores no caminhão do Nas Ruas. Ele puxou palavras de ordem ligando Lula á Cuba e atacando a esquerda. “Esse pessoal de vermelho foi treinado em Cuba. Vão para a Cuba que os pariu”, disse Hang ao microfone. O jurista Modesto Carvalhosa também discursou no carro de som e defendeu o impeachment de ministros do STF.

“A soltura do Lula conseguiu unir as pessoas de bem que estavam divididas. A esquerda destruiu o Brasil”, disse Hang. Entre os manifestantes em frente ao caminhão do Nas Ruas se viam faixas em defesa da intervenção militar, exaltando o presidente Jair Bolsonaro e o ministro Sergio Moro.

Além de São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba e Salvador também registram atos. Na maioria das cidades, houve baixa adesão de manifestantes. Na capital paranaense, o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, deputado Felipe Francischini (PSL-PR), prometeu pautar proposta que permita a prisão após condenação em segundo grau.

Rio de Janeiro

No Rio, os participantes do protesto se reuniram em torno de um pequeno carro de som e ocuparam menos de um quarteirão da praia de São Conrado, bem em frente ao prédio onde mora o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. Muitos deles estavam vestidos de preto em protesto contra o STF. A maioria, no entanto, manteve a tradição do movimento e se vestiu de verde e amarelo.

Mauro Pimentel/AFP

“A decisão do STF foi um golpe, um ato político”, discursou uma das organizadoras do evento, Adriana Balthazar, do Vem Pra Rua/RJ. “Estamos na rua para pedir o fim da impunidade.”

“A gente acordou com uma sensação de ressaca, sabe, dor de cabeça, uma sensação muito ruim”, afirmou o administrador Bruno Miller, de 54 anos, que participava da manifestação ao lado da mulher, a advogada Karen Cabral, de 42 anos. “A gente dá dez passos para frente e cinco para trás, mas o Brasil está mudando, vai mudar.”

Porto Alegre

Em Porto Alegre, centenas de pessoas protestaram na Avenida Goethe, em frente ao Parcão, no bairro Moinhos de Vento, ponto de encontro dos tradicionais grupos de direita. O número oficial de participantes no ato não foi informado pela Polícia Militar.

Com gritos de “a nossa bandeira jamais será vermelha”, os organizadores do protesto, que envolve o MBL e o Vem Pra Rua, alertavam a população afirmando que os “corruptos estão sendo soltos e a impunidade triunfou” – diziam nos auto-falantes sobre um carro de som.

Luciano Nagel/Estadão

Perto dali, sentadas no gramado do parque, a servidora pública Clarissa Carpes, de 45 anos e sua companheira, a empresária Andressa Nardes, de 43, participavam dos protestos com bandeiras do Brasil e uma máscara do ministro da Justiça, Sérgio Moro. “Durante os 13 anos de PT no governo, tive vergonha de ser brasileira, mas agora não tenho mais. O povo está muito mais politizado e informado do que está acontecendo na política”, disse.

Já a empresária Andressa Nardes, de 43 anos, afirmou que “a esquerda já morreu”. “Está desmoralizada”, disse. A maior preocupação da gaúcha é em relação aos partidos políticos do Centrão. “O Centrão é o problema, mas estamos nas ruas para enfrentá-lo”, destacou.

Curitiba

Com gritos de “vagabundos” e “STF vergonha nacional”, manifestantes de Curitiba fizeram um “tomataço” contra fotos dos ministros do STF. A manifestação se reuniu em frente à sede da Justiça Federal.

Hannah Clinton/Estadão

O deputado federal e presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) Felipe Francischini (PSL-PR) discursou durante o evento e prometeu colocar em pauta na próxima semana a PEC sobre a prisão em segunda instância. “Não aceitaremos baderneiros enfiarem o país no buraco”, disse ao público.

Ao Estado, ele disse que a pressão sobre os deputados é positiva para mostrar o desejo das pessoas. “É uma opinião jurídica mais do que política, mas é importante que os deputados e senadores conheçam a vontade da população, que é a prisão em segunda instância”. Além disso, o deputado contou que planeja colocar em pauta ainda este ano na CCJ a chamada PEC da Bengala, pela redução da idade de aposentadoria dos ministros do STF, e um projeto de lei pelo voto impresso.

Dirigindo-se ao público como “República de Curitiba”, os organizadores fizeram uma oração e pediram apoio à Lava Jato, ao presidente Jair Bolsonaro e aplaudiram as Forças Armadas Brasileiras. Os manifestantantes também exaltaram o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, os procuradores Diogo Castro de Matos e Deltan Dallagnol, da Operação Lava Jato. O governador do Paraná, Ratinho Júnior, também foi cobrado para se posicionar com relação à prisão em segunda instância.

A consultora imobiliária Gisa Cruz, 35 anos, compareceu à manifestação junto com o irmão, o marido e as filhas de 4 e 11 anos. A mais velha carregava um cartaz com um trecho da Bíblia. “[A prisão em segunda instância] é inaceitável”, diz.

A manifestação começou ao som do hino nacional, que foi tocado mais uma vez após o “tomataço”. Os organizadores colocaram na praça uma placa com as fotos dos seis ministros que votaram contra a prisão em segunda instância e os manifestantes jogaram tomates e gritaram palavras de ordem.

Belo Horizonte

Sem caminhões de som e com menos gente do que em protestos anteriores, na capital mineira os manifestantes se reuniram na Praça da Liberdade, Região Centro-Sul.

O coordenador do Vem pra Rua em Minas, Max Fernandes, classificou a decisão do STF de “grave retrocesso”. Para ele, cabe agora aos parlamentares em Brasília “corrigir” o posicionamento do Supremo. “O Congresso tem o dever moral de aprovar rapidamente uma lei, ou Projeto de Emenda Constitucional (PEC), que corrija imediatamente a decisão do STF”.

Fernandes disse, ainda, que a manifestação deste sábado poderia ser menor pelo fato de um outro protesto ter sido realizado na terça-feira, antes da decisão do STF. Além de Belo Horizonte, estavam previstos para este sábado atos em pelo menos outros 12 municípios de Minas Gerais.

O aposentado Geraldo Teixeira, de 76 anos, mostrava um cartaz com a frase “STF câncer do Brasil”. “Muitas pessoas estão indignadas, mas não mostram que estão indignadas”, ressaltou. Para o administrador de empresas e contador Daniel Maciel, de 37 anos, a decisão do Supremo deixa uma sensação de impunidade. “A prisão tem que ser mais rápida. É assim em outros países. Por que temos que retroceder”?, questionou.

Salvador

Na capital baiana, o protesto convocado pelo MBL teve baixa adesão neste sábado. Cerca de 80 pessoas participaram do ato, realizado no Farol da Barra, cartão-postal da capital baiana.

A manifestação começou por volta das 9h30. Vestidos com camisas da Seleção Brasileira e empunhando bandeiras do Brasil, os manifestantes portavam faixas com a hashtag #PacoteAntiCrimeEuApoio e também em apoio ao ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro. Nos discursos, os alvos principais eram os ministros do STF e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), solto nesta sexta, 8. Apoiadores do petista que passavam pelo local reagiram com gritos de “Lula Livre”.

Coordenador do MBL na Bahia, Siqueira Júnior justificou o pequeno número de pessoas no protesto com o fato de ele ter sido convocado de “última hora”. Para ele, Lula é o “símbolo maior” da impunidade que estaria sendo chancelada pelo STF. “Lula é um corrupto que está saindo pela porta da frente. Mais tarde, outros criminosos também vão sair pela porta da frente da cadeia. Isso nos indigna”, critica.

Integrante de um movimento de direita na Bahia que defende a volta da monarquia no País, Alexandre Moreira, de 21 anos, diz que foi ao ato para defender o governo de Jair Bolsonaro (PSL). “Setores da mídia e do sistema político brasileiro estão articulando para causar um caos social no Brasil visando a derrubar o governo”, afirma.

Recife

No Recife, a mobilização foi na Avenida Boa Viagem, na Zona Sul. Manifestantes ocuparam uma quadra da via em caminhada de um quilômetro desde a Padaria Boa Viagem até o Segundo Jardim.

Essa foi a primeira participação da cobradora de ônibus Isabela Regina, de 34 anos, em movimento pró-Bolsonaro. “Estou aqui pela PEC 410 e apoiando o pacote anticrime do (Sérgio) Moro. Viemos hoje não pelo presidente, mas pela nação, para acabar com essa safadeza do STF de ter soltado os bandidos”, disse. A PEC 410, que deve ser votada na Câmara dos Deputados na próxima semana, permite prisão depois de condenação em segunda instância. Já a psicóloga Sheyla Paes, de 40, conta que começou a frequentar protestos em Boa Viagem pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff e que, desta vez, se revoltou com decisão do Supremo. “Eu apoio o evento, apoio Bolsonaro, a PEC, a intervenção militar, porque chegou numa situação que é tudo ou nada, não tem meio termo”, enfatizou. Paes acredita que a interpretação da Constituição alterada pela Corte na última quinta-feira beneficia pessoas ricas. “Chegou ao ponto de (o STF) soltar pessoas corruptas. Bandidos, estupradores, assassinos vão ser soltos por advogados. Quem tem grana está solto hoje”. / Roberta Jansen e Pedro Venceslau e Luciano Nagel, Hannah Cliton, Leonardo Augusto, Bruno Luiz e Vinícius Brito, especiais para o Estado

Incêndio atinge barracões de escola de samba em São Paulo

Fogo começou no galpão da Independente Tricolor e, segundo o Corpo de Bombeiros, não há vítimas; 18 viaturas realizam o atendimento no local

Por Da Redação 14 out 2019, 19h15 – Publicado em 14 out 2019, 19h06

Ocorrência foi registrada por volta das 18h e, segundo o Corpo de Bombeiros, não há vítimas (Reprodução/TV Globo)

Um incêndio atingiu o barracão da escola de samba da Independente Tricolor, em São Paulo, na tarde desta segunda-feira, 14. Segundo informações do Corpo de Bombeiros, não há vítimas.

A ocorrência foi registrada às 18h03 e, a princípio, dez viaturas se dirigiram à Avenida Otto Baumgart, na altura do número 100. Por volta das 18h40, o perfil dos Bombeiros no Twitter afirmou que 18 viaturas foram deslocadas para o atendimento. Equipes da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), da Defesa Civil e do SAMU também estão no local.

Na Avenida Otto Baumgart está localizada a Fábrica do Samba, galpão que abriga metade das escolas de samba do grupo especial do Carnaval de São Paulo.

Mais informações em instantes.

Justiça autoriza transferência de Lula para São Paulo

Juíza Carolina Lebbos atendeu a pedido da Superintendência Regional da PF em Curitiba, que alegou dificuldades para manter o ex-presidente no local. Não foi determinada data para a transferência.

Por Adriana Justi, Pedro Brodbeck e Fernando Castro, G1 PR

07/08/2019 09h46  Atualizado há 4 minutos


O ex-presidente Lula em São Bernardo do Campo (SP), em 7 de abril de 2018, poucas horas antes de se entregar à Polícia Federal — Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil
O ex-presidente Lula em São Bernardo do Campo (SP), em 7 de abril de 2018, poucas horas antes de se entregar à Polícia Federal — Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

A juíza Carolina Lebbos autorizou a transferência do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva da carceragem a Polícia Federal (PF), em Curitiba, para um estabelecimento prisional de São Paulo. A decisão foi publicada nesta quarta-feira (7).

LEIA A ÍNTEGRA DA DECISÃO

A juíza disse que caberá à Justiça Federal no estado de São Paulo definir onde Lula cumprirá o restante da pena de 8 anos e 10 meses por condenação na Lava Jato, no caso do triplex em Guarujá (SP). A data da transferência não foi definida. O G1 questionou a Justiça Federal em SP sobre onde o ex-presidente deverá ficar preso, mas ainda não obteve resposta.

Ainda não há prazo para a saída de Lula de Curitiba para SP

Quem pediu a remoção foi a Superintendência Regional da Polícia Federal no Paraná, onde Lula está detido desde abril de 2018. A PF alegou que, por causa da prisão, os órgãos de segurança têm de atuar de forma permanente para evitar confrontos entre “grupos antagônicos” e que toda a região teve a rotina alterada. A corporação disse que ainda que as instalações são limitadas para presos de longa permanência.

A Polícia Federal argumentou que a transferência minimizaria as demandas apresentadas diariamente à corporação e demais instituições envolvidas, reduzindo gastos e o uso de recursos humanos, além de devolver à região a tranquilidade e livre circulação para moradores e cidadãos que buscam serviços prestados pela PF.

A juíza determinou que, na transferência, seja preservada a “integridade física, moral e psicológica do preso, bem como sua imagem – como, aliás, deveria ser observado em relação a qualquer cidadão”, vetando o uso de algemas sem necessidade.

O que disse a defesa de Lula

A defesa do ex-presidente discordou do pedido de transferência nos moldes da solicitada pela PF do Paraná. Além de defender que Lula fosse colocado em uma sala de Estado-Maior em unidade militar, pedia a suspensão da análise da requisição feita pela PF até o julgamento de um pedido de liberdade provisória (habeas corpus) no Supremo Tribunal Federal (STF). Esse habeas corpus foi julgado – e rejeitado – em 25 de junho.

Segundo os advogados de Lula, qualquer determinação de transferência deveria levar em consideração que “o cumprimento antecipado da pena pelo peticionário deve ocorrer em Sala de Estado-Maior, em instalações militares situadas no raio da Grande São Paulo, conforme disponibilidade das Forças Armadas a ser informada pelo Exmo. Sr. Ministro da Defesa”.

A defesa disse que a Lei Federal nº 7.474/1986 garante aos ex-presidentes da República, de forma vitalícia, as prerrogativas ali previstas.

A juíza, por sua vez, disse que a lei não faz qualquer menção ao cumprimento da pena por ex-presidentes em sala de Estado-Maior. “E, ao ver deste Juízo, não se pode juridicamente extrair interpretação extensiva nesse sentido, de modo a impor, a priori e em qualquer circunstância, o cumprimento de pena por ex-presidentes da República em Sala de Estado-Maior”, afirmou na decisão.

MPF foi contra a transferência

Os procuradores do Ministério Público Federal (MPF) se mostraram contra o pedido de transferência e argumentaram que a remoção somente poderia ocorrer após o encerramento da instrução criminalnas ações penais que envolvem a investigação sobre a compra de um terreno para a construção da nova sede do Instituto Lula e um imóvel vizinho ao apartamento do ex-presidente, em São Bernardo do Campo, e a que investiga o sítio em Atibaia.

Segundo a juíza Carolina Lebbos, o MPF também argumentou que “a movimentação do entorno foi resolvida pelo Juízo Estadual e a concentração de pessoas diminuiu consideravelmente, não mais havendo notícia de episódios de confronto nas imediações”; “que a remoção não afeta os ônus da administração, alterando apenas o centro de custo; que a sociedade deve suportar os incômodos do livre exercício do direito à manifestação pública, cabendo a atribuição dos prejuízos a quem lhes deu causa”.

Condenações e processos

Lula cumpre pena por condenação em 2ª instância na Operação Lava Jato. Em 24 de janeiro de 2018, o ex-presidente foi condenado a 12 anos e 1 mês de prisão pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no caso do triplex. Para a Justiça, Lula recebeu propina da empreiteira OAS na forma de um apartamento no Guarujá, em troca de favores na Petrobras. A defesa do ex-presidente nega.

Em abril deste ano, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu manter a condenação, mas reduziu a pena para 8 anos, 10 meses e 20 dias de reclusão.

Considerando essa pena, Lula teria que cumprir, desde a data da prisão, 17 meses para reivindicar a transferência para o semiaberto, regime pelo qual é possível deixar a cadeia durante o dia para trabalhar. Esse prazo será atingido em 7 setembro.

Em março, o ex-presidente foi autorizado a deixar o presídio e ir até São Bernardo do Campo (SP), para participar do velório do neto, Arthur Lula da Silva, de 7 anos.

Em 6 de fevereiro, Lula foi condenado em outra ação da Lava Jato: a juíza substituta da 13ª Vara da Justiça Federal de Curitiba, Gabriela Hardt, condenou o ex-presidente a 12 anos e 11 meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro, por receber propina por meio de uma reforma em um sítio em Atibaia (SP). A defesa nega e recorreu à 2ª instância, que ainda não julgou o caso.

Lula ainda responde a outros seis processos em tramitação em diferentes instâncias da Justiça.

Ator de Chiquititas de 22 anos é assassinado junto com a família, caso vem à tona e deixa público desesperado

Uma triste notícia acabou abalando por completo o universo dos famosos neste domingo, 09 de junho. O ator Rafael Miguel, de apenas 22 anos, acabou sendo assassinado juntamente com toda sua família em São Paulo. A trágica informação veio à tona por meio do apresentador da Record, Luiz Bacci. O artista ficou conhecido nacionalmente por conta do comercial “mãe, compra brócolis” e também devido a sua participação na novelinha do SBT, Chiquititas.

Rafael Miguel fez parte do elenco de Chiquititas (Foto: Reprodução/SBT)

De acordo com informações do jornalista, a execução do ator de Chiquititas ocorreu quando ele estava chegando na casa da namorada. O suspeito dos assassinato seria o próprio pai da menina. Nas redes sociais de Rafael Miguel várias fotos dele acompanhado da amada estão presentes. Maiores informações ainda não foram divulgadas pela polícia.

O ator de Chiquititas sofria de depressão e já havia dito para namorada, com quem estava junto há nove meses, que ela havia sido a responsável para que ele se livrasse da grave doença. Rafael Miguel fez sucesso no começo dos 2000 em um comercial no qual aparecia fazendo um escândalo num supermercado. Além dos comerciais e de atuar na trama do SBT, ele também fez participações em filmes.

https://www.instagram.com/p/BvsLRidHv4o/?igshid=37bep82mykyf
Morte do ator que interpretou o Rafael de Chiquititas é anunciada e deixa público perplexo (Foto: Reprodução/ SBT)

Neste domingo (09) o público foi pego de surpresa com a notícia da morte do ator que fez o Rafael de Chiquititas, novela infantil que fez o maior sucesso no SBT. O jovem Filipe Cavalcante de apenas 19 anos fez o Sítio do Pica Pau Amarelo pela Globo, no entanto, alcançou o sucesso mesmo, estrelando o remake na emissora de Silvio Santos. Com um personagem extrovertido e cheio de histórias, ele conquistou o público e se tornou famoso.

No entanto, sua morte foi anunciada neste domingo por um veículo de notícias e isso fez com que muitos admiradores do rapaz ficassem desesperados com a triste informação, porém, a informação do rapaz aos 19 anos não passava de uma ‘fake’ news e o mistério foi desvendado por um perfil do Instagram. Por meio de seu perfil no Instagram, esse relatou que entrou em contato com o jovem e alegou que a notícia era falsa.

O ator se pronunciou por meio de suas redes sociais e falou sobre o caso em um vídeo. Na legenda, Filipe, agradeceu as mensagens de carinho mais pediu cuidado por parte dos fãs na hora de checar as informações: “Obrigado por todas as mensagens de carinho e preocupação que recebi mas to vivo, saudável… e que isso sirva de lição pra ninguém acreditar em algo só porque está na internet, busque pela fonte… saiba se é verdadeira blz gnt?”.

Tv foco

Idosa se emociona ao ganhar boneca em aniversário de 77 anos

18 de maio de 2019

Aos 12, dona Maria se casou e aprendeu a cuidar da casa. Mas o que ela queria mesmo era trocar a espiga com roupas de boneca e cabelos de milho por uma de verdade.

O sonho veio no aniversário de 77 anos e carinhosamente embalado em forma de presente da neta.

A entrega do brinquedo para a moradora de Bauru (SP) foi registrada pela família e postada nas redes sociais. O post no Instagram viralizou, chegou a ter mais de 3 mil curtidas e centenas de comentários.

“Eu fiquei muito feliz. Esse foi o melhor presente que ganhei na vida. Era meu sonho. Agora tenho uma amiga. Eu converso com ela, ela fica na minha cama, dorme comigo. Ela é minha filhinha”, diz Maria José de Freitas.

Ao G1, a idosa contou que não aproveitou a infância por se casar cedo. Por isso, não conseguiu brincar de boneca, que sempre foi sua paixão.

“Eu tive aqueles casamentos arranjados. Meu pai foi embora de casa, largou minha mãe e os filhos. Me arrumaram esse marido para que tivesse um homem em casa para cuidar de nós. Na época as espigas de milho se transformavam em bonecas. Na minha infância, ninguém tinha boneca bonita assim. Éramos muito pobres e vivíamos na roça”, explica.

Já adulta, Maria conta que chegou a comprar sua primeira boneca e diz que sempre levava o brinquedo para todos os lugares que ia. Mas antes de mudar para o Paraná, deu a boneca para a neta que era criança.

“Na verdade, achei que era fácil achar uma boneca igual aquela, porém, nunca mais encontrei. Eu queria igual, que fosse aquela que o corpinho todo fosse de plástico, mas não achava. E faz 32 anos que sempre comentava com a minha família que queria achar de novo uma boneca igual”.

https://www.instagram.com/p/BxSH93ilvqQ/?utm_source=ig_web_copy_link

Itaberaba notícias

Vídeo: mulher aplica “mata-leão” em ladrão após assalto; criminoso chora

Uma moradora de Praia Grande, no litoral de SP, lutadora de jiu-jitsu,  surpreendeu  um menor de idade  aplicando um golpe “mata-leão”.  Segundo o  G1, o jovem chegou a chorar enquanto era imobilizado.

Vídeo: mulher aplica “mata-leão” em ladrão após assalto; criminoso chora

Reprodução/ YouTube

Da Redação Istoé

Segundo o delegado responsável, Alexandre Comin, a vítima relatou em depoimento que caminhava no bairro quando o suspeito roubou o celular da mulher e tentou fugir. Em seguida, ela foi atrás junto com o marido, que estava próximo, e conseguiu imobilizar o suspeito até a chegada da polícia.

Kevinho passa por cirurgia de emergência e agradece fãs pelo carinho nas redes sociais

Cantor passa por procedimento cirúrgico de emergência em São Paulo

  • Redação / Tribuna do Paraná

Foto: Reprodução/Instagram

Em publicação em seu perfil oficial no Instagram, nesta quarta-feira (1º), Kevinho informou aos fãs que ficaria “meio off” das redes sociais por questões de saúde. De acordo com o próprio cantor, ele teve que se submeter a uma cirurgia de emergência para remoção do apêndice. No mesmo post, Kevinho agradeceu todos os seguidores que têm compartilhado seu novo hit, Salvou Meu Dia, com Gusttavo Lima.

Confira o post na íntegra: 

Nesta terça-feira (30), Kevinho tinha show em Curitiba, no Baile da Santinha, e cumpriu seu contrato. Apesar disso, a informação que a Tribuna do Paraná recebeu é a de que ele já estava mal e até por isso não deu entrevista e nem atendeu muitos fãs. Kevinho subiu ao palco já por volta das 2h desta quarta-feira (1) e saiu da van direto para o palco. Após o show, voltou direto para São Paulo.

Crime Brutal: Jovem é presa após matar e mutilar irmão de 5 anos em suposto ritual

Polícia encontrou celular na cena do crime e investiga causas

Por José Maria Tomazela

5 de abril de 2019 | 11:00

FOTO: REPRODUÇÃO/CAROLINA ABELIN/TV TEM

Uma jovem de 18 anos foi presa suspeita de matar e mutilar o irmão de 5 anos em um suposto ritual de magia negra, na noite desta quinta-feira, 4, em São Roque, município do interior de São Paulo. O crime aconteceu na casa da família, no bairro Gabriel Piza. De acordo com a Polícia Civil, a mãe havia saído, deixando a irmã mais velha tomando conta do irmãozinho. Quando a mulher voltou, encontrou a casa trancada e a filha se negava a abrir. Ela só conseguiu entrar depois que a porta foi arrombada por um cunhado que mora próximo.

A cena encontrada no local chocou a família. A criança estava morta, com várias queimaduras pelo corpo. O menino teve os olhos perfurados e o pênis mutilado – a irmã teria comido o órgão genital. O corpo estava no chão do quarto e tinha ao redor várias velas acesas. O cunhado disse que a garota estava agressiva e arremessou objetos contra os familiares. Ele foi atingido por uma pedrada. A jovem precisou ser contida pelos policiais militares, chamados pela família.

A suspeita do crime, Karina Aparecida da Silva, foi levada para a delegacia da Polícia Civil e, após ser autuada por homicídio, foi encaminhada para a cadeia feminina de Votorantim, cidade da região. Peritos do Instituto de Criminalística da Polícia Civil fizeram levantamentos na casa. Um celular queimado, provavelmente pela garota, um cartão de memória, um canivete e uma porção de maconha foram apreendidos.

O corpo do menino passou por necropsia no Instituto Médico Legal (IML) de Sorocaba. Exame preliminar indicou que a criança estava morta quando sofreu a mutilação. Conforme a Polícia Civil, aparentemente a jovem usou um travesseiro para matar o irmão por asfixia e, em seguida, vilipendiou o corpo.

O escrivão Anderson Goes disse que o celular e o cartão da memória serão enviados para perícia para que o conteúdo seja analisado. A investigação quer apurar se a jovem participava de algum grupo de magia negra pelas redes sociais e se houve incentivo de alguém para a prática do crime.

Karina passou por audiência de custódia na manhã desta sexta-feira (5) e foi mantida presa. O corpo do menino estava sendo velado em São Roque. Nenhum familiar quis comentar o caso. O defensor público que acompanhou a audiência informou que por ora não iria se manifestar.