PF pede prisão do padre Robson, do Santuário Pai Eterno

Pedido da Polícia Federal já está no Superior Tribunal de Justiça (STJ); informação foi confirmada pelo advogado de padre Robson de Oliveira

Padre Robson. Foto: Reprodução

Goiânia – A Polícia Federal enviou para o Superior Tribunal de Justiça (STJ) um pedido de prisão preventiva contra o padre Robson de Oliveira Pereira, que foi reitor do Santuário Divino Pai Eterno, em Trindade, na região metropolitana da capital goiana. O fato foi confirmado pelo advogado de defesa do religioso, Cleber Lopes.

O pedido foi feito nessa quarta-feira (17/11). O caso está sob responsabilidade do ministro-relator Benedito Gonçalves. Até o momento não há definição sobre o acolhimento do pedido. Há informações dentro da PF de que o padre já não se encontra em Goiás desde que a representação foi protocolada. A defesa não confirma o fato.

A motivação do pedido de prisão foi um áudio anexado ao processo que indicaria compra de sentença favorável ao religioso na Justiça de Goiás. Ao Metrópoles, o advogado Cleber Lopes afirmou que não há base jurídica para a solicitação da PF.

“Não tem base jurídica nenhuma. Encontraram diálogos que suspostamente foram aprendidos na Operação Vendilhões. Segundo eles, revela a corrupção no TJGO. Tem diálogo do advogado que fala com fulano que sugere pagamento de vantagem no tribunal. Diálogo de advogado em processo cível, no caso da fazenda. Pegaram o diálogo e apontaram crime de corrupção”, afirmou o jurista.

Ainda de acordo com Lopes, “a representação pela prisão do religioso foi colocada no sistema e antes de a gente imprimir entrou no sigilo”.

Operação Vendilhões

O padre foi denunciado pelo MPGO por organização criminosa, apropriação indébita, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro doado por fiéis à Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe). De acordo com o órgão, o prejuízo para a associação chegaria a mais de R$ 100 milhões.

A denúncia à Justiça é decorrente da Operação Vendilhões, que cumpriu mandados em agosto de 2020 para apurar os desvios. Segundo as investigações, o dinheiro teria sido usado para comprar bens como fazendas, casa na praia e até um avião. O valor deveria ser destinado para a construção da nova basílica, que ainda está em fase inicial de obras, em Trindade (GO).

Padre Robson, que sempre negou qualquer irregularidade, está afastado das atividades e proibido de se manifestar por decreto canônico. Ele tem procurado se manter no anonimato desde que o escândalo veio à tona. A última aparição dele ocorreu em fevereiro deste ano, durante assembleia on-line dos redentoristas.

Metrópoles

Ex-deputada Flordelis é presa após decisão da Justiça

A deputada federal cassada Flordelis dos Santos de Souza foi presa no início da noite desta sexta-feira. Ela teve a prisão preventiva decretada minutos antes pela juíza Nearis dos Santos Carvalho Arce, da 3ª Vara Criminal de Niterói. A prisão foi decretada 48 horas após o mandato da pastora na Câmara dos Deputados ter sido cassado, após pedido do Ministério Público estadual e do advogado Angelo Máximo, que representa o pai de Anderson no proesso criminal.

Cleia Viana/ Divulgação Câmara dos Deputados

Flordelis foi denunciada como mandante do assassinato em agosto do ano passado e não tinha sido presa porque como deputada federal tinha imunidade parlamentar, prevista na Constituição Federal. Com a cassação do mandato e sua publicação no Diário da Câmara dos Deputados, Flordelis deixou de contar com a proteção constitucional.

O Globo

Vereadora de Natal é detida por embriaguez ao volante

Margarete Régia (PROS) foi conduzida à delegacia de plantão da Zona Norte após apresentar sinais de embriaguez durante abordagem na Avenida João Medeiros Filho e pagou fiança para ser liberada.

Por Inter TV Cabugi

Vereadora Margarete Régia na Delegacia de Plantão da Zona Norte de Natal, para onde foi conduzida pela PM
Via Certa Natal/Cedida

A vereadora Margarete Régia (PROS), de Natal, foi detida no início da noite desta quarta-feira (12), na Zona Norte da capital potiguar, por embriaguez ao volante. A abordagem foi feita por uma equipe de Rondas Ostensivas com Apoio de Motocicletas da Polícia Militar (Rocam) por direção perigosa, na Avenida João Medeiros Filho.

De acordo com a PM, a vereadora estava com um grupo de amigas e quase bateu em um ônibus e uma motocicleta. Ao presenciarem a situação, os policiais, inicialmente, sinalizaram para que a parlamentar parasse o veículo e não foram atendidos.

Ainda conforme a PM, os policiais conseguiram alcançar o carro da vereadora mais à frente e constataram que ela tinha sinais de embriaguez.

Margarete Régia, que é irmã do deputado estadual Albert Dickson (PROS), foi levada para a Delegacia de Plantão da Zona Norte, se recusou a fazer o teste do bafômetro e foi autuada pelo crime de embriaguez ao volante. A parlamentar pagou cinco salários mínimos de fiança.

Margarete Régia (PROS), vereadora de Natal, é detida por embriaguez ao volante

A vereadora não participou da sessão desta quarta-feira na Câmara Municipal de Natal por ter apresentado um atestado médico, segundo a Casa Legislativa. Após pagar a fiança, ela foi liberada e saiu pela porta dos fundos da delegacia de plantão da Zona Norte, um local sem acesso da imprensa e por onde os presos, vítimas e testemunhas não costumam sair.

Nas redes sociais, a assessoria jurídica da parlamentar deu uma versão diferente da Polícia Militar. Confirmou que ela foi abordada em operação de trânsito, mas que optou por ser conduzida à delegacia, “nos termos permitidos pela lei”. A nota ainda diz que a vereadora respeita as autoridades policiais e sempre estará à disposição para os esclarecimentos que se façam necessários.

A assessoria de Margarete Régia não se pronunciou sobre o fato de ela ter alegado problemas de saúde na Câmara e faltado à sessão no mesmo dia em que foi presa por embriaguez ao volante e desobediência.

Quanto à saída da vereadora pela porta dos fundos da delegacia de plantão, a assessoria de imprensa da Polícia Civil informou que, após ser liberada, a pessoa não pode ser coagida, ou seja, tem o direito de escolher sair por onde quiser.

Polícia indicia Dr. Jairinho e Monique pela morte de Henry

Eles foram indiciados por homicídio duplamente qualificado 

Publicado em 04/05/2021 – 13:42 Por Ana Cristina Campos – Repórter da Agência Brasil – Rio de Janeiro

Dr. Jairinho, namorado de Monique Medeiros da Costa e Silva, mãe do menino Henry Borel, sae da Delegacia de Polícia da Barra da Tijuca(16ªDP) após prestar depoimento sobre a morte do menido de 4 anos.

A Polícia Civil do Rio de Janeiro indiciou por homicídio duplamente qualificado – impossibilidade de defesa da vítima e pelo emprego de tortura – o vereador Jairo Souza Santos Júnior, conhecido como Dr. Jairinho (sem partido), e a professora Monique Medeiros, padrasto e mãe de Henry Borel, de 4 anos.

Laudo do Instituto Médico Legal revelou que o menino, morto no dia 8 de março, sofreu 23 lesões, três delas na cabeça, e morreu devido a uma hemorragia no fígado provocada por ação violenta.

Além do homicídio, Jairinho também foi indiciado por dois episódios de crime de tortura ocorridos em fevereiro e Monique, por tortura por omissão, porque, segundo as investigações, ela sabia que o filho estava sendo torturado e não agiu para evitar o crime.

O inquérito foi enviado para o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro que vai decidir se denuncia ou não o casal pelos crimes.

Nova versão

Durante seu depoimento à polícia, Monique disse que Henry tinha caído da cama. Depois, em cartas escritas na prisão, ela mudou sua versão e disse que mentiu porque tinha medo de Jairinho e afirmou ter sido manipulada. A defesa quer que a polícia tome novo depoimento da professora.

“Sobre o argumento [da defesa] de calar a Monique, isso é absolutamente descabido. Ela foi ouvida por horas. Por lei, ela terá oportunidades para se manifestar em juízo: na presença de seus advogados, promotor de justiça e juiz de direito. A única pessoa que foi calada nessa situação toda foi o Henry. Ele foi calado. Ele pediu ajuda e não foi ouvido. Ela teve oportunidade de se manifestar”, disse hoje (4) o titular da 16ª DP (Barra da Tijuca), delegado Henrique Damasceno, que conduziu as investigações.

Defesa

A defesa de Jairinho disse que houve muito açodamento para a conclusão do inquérito e que não há dúvida de que a mesma celeridade ocorrerá da parte do Ministério Público. “Esta pressa não é aconselhável em um processo de alta complexidade. A pressão da opinião publica não pode interferir sob pena do cometimento de erros graves”, informou a defesa.

Os advogados de Monique Medeiros disseram que ela é inocente “neste hediondo crime que vitimou seu filho”. Para a defesa, o inquérito policial foi finalizado prematuramente com erros investigativos. “Foram reinquiridas várias pessoas e admitida mudança de seus relatos. Monique não teve igual direito, em ‘dois pesos e duas medidas’”, diz a nota.

“A defesa vai trabalhar com objetivo de fazer prevalecer a verdade na Justiça. Tratar Monique como coautora do crime é erro injustificável!”, afirmou a defesa.

“Aguardo os fatos”, diz suplente Cesar Maia sobre vereador preso

Com a prisão nesta terça-feira do vereador de Parnamirim Diogo Rodrigues da Silva (PSD), acusado de chefiar um esquema de fura-filas para marcação de exames e consultas pelo Sistema Único de Saúde no Estado, o mundo político e a opinião pública perguntaram quem é o suplente de Diogo, já antevendo uma possível perda do mandato do vereador.

Trata-se do médico César Maia (PSD), bastante conhecido no município e que é irmão do ex-vereador e ex-deputado estadual Carlos Maia. 

César Maia teve 1.570 votos (1,81% do total), sendo o segundo mais votado do partido. Diogo Rodrigues teve 2.266 (2,61% do total) sendo o segundo mais votado no geral. 

Diogo Rodrigues é ex-diretor da central de regulação de consultas e exames de Parnamirim, ligado à secretaria municipal de Saúde do município, na gestão do prefeito Rosaldo Taveira. 

Juridicamente, existe uma dúvida sobre a situação. Se Diogo for afastado da Câmara pela Justiça ou cassado poor quebra de decoro pelos seus pares, César Maia assume a cadeira. Se a Justiça Eleitoral cassar os votos de Diogo por entender o crime como eleitoral, haverá recontagem de votos do partido e a cadeira possivelmente irá para outro partido.

A reportagem do PN entrou em contato com César, que pediu tranquilidade e cautela: “De fato sou o suplente do PSD. Mas, estou aguardando os fatos”.

Potiguar Notícias

Pedido de prisão de Sara Winter está redigido na PGR

MPF deve adotar providências contra militante bolsonarista que ameaçou o ministro Alexandre de Moraes

Por Robson Bonin 31 maio 2020, 20h17 – Publicado em 31 maio 2020, 20h12

A influencer Sara Winter, que ganhou notoriedade por liderar um grupo de aloprados bolsonaristas em Brasília, será alvo, nos próximos dias, de uma denúncia do Ministério Público Federal por ter ameaçado de morte o ministro Alexandre de Moraes.

Relator do inquérito das fake news no STF, Moraes assinou os mandados de busca da operação que mirou 29 alvos do esquema bolsonarista de fake news, na semana passada.

Sara, por liderar um bando paramilitar que ensaiava coreografias musicais na frente do Supremo, teve celulares e outros pertences apreendidos na ação.

Depois disso, ela ameaçou Moraes, como mostrou o Radar. “Não vão me calar, de maneira nenhuma. Pelo contrário.. Pois agora..Pena que ele mora em São Paulo. Se morasse aqui já estava na frente da casa dele convidando para trocar soco comigo. Queria trocar soco com esse fdp (xingamento), esse arrombado. Infelizmente, não posso. Pois me aguarde, sr. Alexandre de Moraes. Nunca mais vai ter paz na sua vida. Descobrir os lugares que o senhor frequenta. Vamos infernizar sua vida, até o senhor pedir para sair. Hoje o sr. tomou a pior decisão da sua vida”, diz Sara Winter no vídeo, gravado após a ação da PF na sua residência.

Fontes da PGR, ouvidas pelo Radar, dizem que a procuradoria já cobrou o procurador encarregado do caso, no Distrito Federal, pela demora em apresentar a denúncia contra a militante bolsonarista e pedir providências. “A minuta do pedido de prisão preventiva dessa Sara Winter está até redigida aqui na PGR e já foi enviada ao procurador. A PGR aguarda apenas que o procurador tome providências”, diz um investigador ao Radar.

A última da influencer e seus colegas foi um ato com tochas na frente do STF, neste sábado. Nas redes sociais, a estética do protesto foi comparada à de marchas nazistas na década de 1930 na Europa, às manifestações lideradas pelo grupo supremacista branco Ku Klux Klan e aos atos racistas de Charlotesville em 2017 – estas duas últimas nos EUA.

A ativista bolsonarista Sara Winter realiza protesto contra o Supremo Tribunal Federal Twitter/Reprodução

PF prende 4 mulheres no Aeroporto Internacional de Natal com 47 quilos de maconha

Um homem que esperava por elas no saguão do aeroporto também foi preso. Droga veio de SP. Esta foi a maior apreensão de maconha da história realizada pela PF em aeroportos do RN.

Por G1 RN

24/05/2020 19h54  Atualizado há 2 horas


Grupo desembarcou no Aeroporto Internacional de Natal com 47 quilos de maconha — Foto: Polícia Federal/Divulgação

A Polícia Federal prendeu em flagrante no Aeroporto Internacional de Natal quatro mulheres e um homem por tráfico de drogas. As mulheres desembarcaram de um voo que teve origem em Guarulhos e trouxeram na bagagem 47 quilos de maconha. O homem as aguardava no saguão do aeroporto.

A PF informou que esta foi a maior apreensão de maconha da história realizada pela Polícia Federal em aeroportos do Rio Grande do Norte.

A prisão aconteceu na noite de sábado (23). O grupo era composto por duas catarinenses, de 27 e 29 anos; uma paranaense, de 29 anos; e uma paraibana, de 22 anos.

De acordo com a PF, a prisão aconteceu durante uma fiscalização de rotina junto ao setor de desembarque doméstico. Após uma rápida entrevista com alguns passageiros, os policiais observaram o comportamento suspeito das quatro jovens que ficaram visivelmente nervosas e não souberam informar, com precisão, o real motivo da viagem e nem onde ficariam hospedadas. Desconfiados, os agentes pediram então que elas abrissem as malas para uma inspeção e logo encontraram os tabletes da droga.

Na sequência, um paraibano de 29 anos foi identificado e preso no saguão do aeroporto. Ele aguardava e daria suporte, em princípio, a uma das mulheres. No carro dele foram encontradas uma balança de precisão e vestígios de substância entorpecente.

Após receberem voz de prisão, os cinco suspeitos foram levados para autuação na Superintendência da PF. Durante o interrogatório, a maioria preferiu invocar o direito constitucional de se manifestar apenas em juízo.

Uma das mulheres possui antecedentes criminais e já havia sido presa pela Polícia Federal na Bahia por idêntica conduta criminosa. Em 2019 ela tentou embarcar para Lisboa levando na bagagem pasta-base de cocaína.

Indiciadas por tráfico interestadual de drogas, as pessoas presas permanecem custodiadas na sede da PF à disposição da Justiça.

Droga foi apreendida no Aeroporto Internacional de Natal — Foto: Polícia Federal/Divulgação
Quatro mulheres transportaram a droga de SP para Natal — Foto: Polícia Federal/Divulgação

PF prende foragido que levou 94 milhões de cruzeiros no ‘maior roubo da história do Rio Grande do Norte’ há quase 40 anos

A Polícia Federal prendeu nesta terça, 3, em Cobé, distrito de Vera Cruz, na Região Metropolitana de Natal, um agricultor foragido da Justiça e condenado a 36 anos de reclusão.

03/03/2020

Foto: Reprodução

Ele integrou a quadrilha que roubou malotes de dinheiro contendo 94 milhões de cruzeiros que seguiam pela RN-117, em 1982, para trabalhadores rurais inscritos no Plano de Emergência contra a Seca.

O roubo aconteceu entre os municípios de Caraúbas e Olho D´Água dos Borges, na região oeste potiguar. O crime é o maior da história do Rio Grande do Norte e um dos maiores do País, diz a PF. O roubo ficou conhecido como ‘Roubo da Emergência’.

A prisão se deu em razão do cumprimento de um mandado judicial expedido pela 14ª Vara Federal do Rio Grande do Norte. O homem preso pela Polícia Federal também foi condenado por participar do homicídio de quatro pessoas que resultou na morte de uma criança de seis anos.

Após passar por exame de corpo de delito, ele foi transferido para o Sistema Prisional do Rio Grande do Norte, à disposição da Justiça, onde deverá cumprir a pena.

O Estadão

Homem é preso por porte ilegal de arma de fogo na Grande Natal

A Polícia Rodoviária Federal prendeu, na manhã desta quarta-feira (26), no Km 75 da BR 101, em Extremoz/RN, um homem de 70 anos, por porte ilegal de arma de fogo.

Durante fiscalização da Operação Carnaval, os policiais abordaram uma Hilux e, ao realizar vistoria, foi encontrada, no interior do veículo, uma pistola calibre .380, com munição raspada, um carregador e 19 munições intactas.

O condutor foi preso em flagrante e a ocorrência encaminhada à Delegacia de Plantão da Zona Norte em Natal/RN.

#PRF191RN #PRFBrasil #PRFOficial #PRFContraOcrime #PRF

Homem é preso em Mossoró após divulgar blitz da PRF no WhatsApp

Motorista é preso após fazer alerta de fiscalização policial

Um motorista de caminhão foi preso na manhã após fazer alerta sobre fiscalização policial em Mossoró – região Oeste do Rio Grande do Norte. Ele foi fiscalizado com excesso de peso e aguardava veículo para realizar o transbordo, quando fez o aviso.

O fato foi flagrado na BR-304, por volta das 6 horas, quando policiais rodoviários federais fiscalizavam um caminhão que transportava tijolos. Os policiais realizaram autuação pelo excesso de peso da carga, conforme o artigo 231 do CTB, de natureza média e valor de R$ 385,52. Após a multa e o transbordo, que estava sendo providenciado, o motorista continuaria viagem, mas resolveu fazer imagens e enviar áudio a outros, alertando que a equipe da Polícia Rodoviária Federal (PRF) estava trabalhando ali. Os policiais perceberam e pediram o telefone, confirmando a situação.

O homem, de 47 anos, foi preso pelo crime de atentado contra a segurança de serviço de utilidade pública, previsto no artigo 265 do Código Penal, e foi levado para a delegacia de Polícia Civil em Mossoró, tendo o telefone celular também apreendido. O crime é inafiançável, ficando a cargo de um juiz sua liberação.

Fonte: Notícias do Face