Polícia prende novamente ex-governadores Rosinha e Garotinho

A Polícia Civil cumpriu hoje (30) mandados de prisão contra os ex-governadores do Rio de Janeiro Anthony Garotinho e Rosinha Matheus. A decisão de prender os políticos foi tomada pela 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça, que derrubou a liminar que concedia habeas corpus ao casal.

Publicado em 30/10/2019 – 07:23 Por Vitor Abdala – Repórter da Agência Brasil Rio de Janeiro

Os dois já haviam sido presos no início de setembro, por determinação da 2ª Vara Criminal da Comarca de Campos dos Goytacazes, mas foram soltos no dia seguinte, por um habeas corpus concedido pelo desembargador Siro Darlan, durante plantão judiciário.

Garotinho e Rosinha são acusados de fraudes em contratos celebrados entre a prefeitura de Campos dos Goytacazes, no norte fluminense, e a construtora Odebrecht para a construção de casas populares, durante os dois mandatos de Rosinha como prefeita da  cidade, entre 2009 e 2016.

Em nota divulgada ontem (29), o advogado de defesa do casal, Vanildo da Costa Júnior, informou que vai recorrer ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) contra a decisão da 2ª Câmara Criminal.

“Ainda que se respeite a decisão proferida pela Segunda Câmara Criminal do Egrégio Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, não há como concordar com as razões de sua fundamentação. A ordem de prisão é ilegal e arbitrária, pautada apenas em suposições e conjecturas genéricas sobre fatos extemporâneos, que supostamente teriam ocorrido entre os anos 2008 e 2014. Acreditamos em sua modificação pelos tribunais superiores, para onde encaminharemos recurso”, diz a nota.

Garotinho foi governador do estado do Rio de Janeiro entre os anos de 1999 e 2002. Sua esposa, Rosinha, governou o estado de 2003 a 2006.

Mais informações na Radioagência Nacional:

Saiba mais

Edição: Graça AdjutoTags: Anthony GarotinhoRosinha MatheusprisãoJustiçamultimídia

Neto do ex-presidente João Figueiredo é preso em Miami

O empresário Paulo Renato de Oliveira Figueiredo Filho foi preso em Miami na última sexta-feira (2). Ele é neto do general João Baptista Figueiredo, último presidente brasileiro na ditadura militar. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

Crédito: Divulgação

Da Redação 05/08/19 – 14h58 – Atualizado em 05/08/19 – 16h05

Paulo Roberto era alvo de um mandado de prisão preventiva expedido na Operação Circus Maximus, da Polícia Federal. Ele é suspeito de integrar um suposto esquema de pagamento de propinas a dirigentes do Banco de Brasília em troca de recursos para a construção do extinto Trump Hotel, no Rio, hoje batizado de LSH Lifestyle.

O empresário estava foragido desde que a Operação Circus Maximus foi deflagrada, em janeiro deste ano. Ele também estava na lista de procurados da Interpol.

Segundo documentos da operação, ao menos R$ 16,5 milhões em subornos foram pagos a dirigentes do BRB para que liberassem recursos de fundos de pensão de estatais e de órgãos públicos, administrados pelo banco, e da própria instituição financeira para os projetos que davam prejuízo e não passavam por análise técnica adequada.

Fonte: Istoé

Em Natal, manifestantes pró-Lava Jato comemoram um ano da prisão de Lula

este domingo, 7 de abril, em que completa um ano da prisão do ex-presidente Lula, manifestantes pró-Lava Jato comemoram em frente ao Shoping Midway Mall, na Av. Salgado Filho em Natal, um ano da prisão do petista. Um bolo de aniversário foi levado pelo grupo de manifestantes que também protestaram contra o STF. A manifestação foi organizada por grupos de Direita e o Movimento Brasil Livre – MBL/RN.

Nos bastidores da política

URGENTE: Ex-ministro de Temer, Moreira Franco é preso no Rio de Janeiro

Assim como Michel Temer, ex-ministro teve mandado de prisão expedido pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara da Justiça Federal do Rio de Janeiro

O ex-ministro Moreira Franco está preso

O ex-ministro Moreira Franco está presoRenato Costa/ Framephoto/ Estadão Conteúdo – 29.05.2018

Moreira Franco, ex-ministro de Minas e Energia do governo Michel Temer, foi preso pela Lava Jato, em cumprimento de mandado expedido pelo juiz Marcelo Bretas, da Justiça Federal do Rio de Janeiro. Franco foi detido pouco depois de o ex-presidente ter sido preso pela Polícia Federal em São Paulo. As informações são da Record TV.

As prisões de Temer e de Franco têm como base a delação do doleiro Lucio Funaro. No ano passado, Funaro entregou à Procuradoria-Geral da República informações complementares do seu acordo de colaboração premiada. Entre os documentos apresentados estão planilhas que, segundo o delator, revelam o caminho de parte dos R$ 10 milhões repassados pela Odebrecht ao MDB na campanha de 2014.

R7

Laércio, do BBB16, condenado por estupro de menor, segue cumprindo pena em presídio

Se você está por dentro da polêmica envolvendo o acreano Vanderson do BBB 19, o qual foi expulso do reality após a Polícia Civil o convocar para esclarecimento a respeito de acusações de agressão física, estupro e importunação, pode ser que venha a se lembrar de outro caso parecido que ocorreu no BBB 16, com o ex BBB Laércio.

Em fevereiro de 2016, Laércio Moura foi eliminado em um paredão em meio a denúncias de pedofilia. Alguns meses depois de ter saído da casa, ele foi preso e condenado a 12 anos de prisão. Hoje segue cumprindo pena na Casa de Custódia, no Paraná.

O ex Brother está preso desde maio de 2016, e segundo o Tribunal de Justiça do Paraná, ele já cumpriu 2 anos e 9 meses de sua pena. O “Barba Azul”, como foi apelidado na casa, em 2017, tentou um habeas corpus no Superior Tribunal de Justiça (STJ), mas o pedido não foi aceito. O processo de Laércio segue em segredo de Justiça, por este motivo não se sabe informações sobre a vítima do designer de tatuagem.

O processo de Laércio está em segredo de Justiça, por isso não é possível ter informações sobre a vítima do designer de tatuagem.

Láercio BBB 16 (Foto: Reprodução/Globo)