‘Novo Lázaro’ de Goiás: Saiba quem é criminoso que está sendo comparado a Lázaro Barbosa, o ‘serial killer’ de Brasília

Polícia de Goiás continua buscas por “novo Lázaro”, que cometeu 3 assassinatos

Criminoso furtou caminhonete e fugiu em direção a Abadiânia (GO)

O caso Lázaro Barbosa teve repercussão em território nacional. Lázaro ficou conhecido como o ‘serial killer de Brasília’, por causa dos assassinatos em série que cometeu no entorno do Distrito Federal. Agora, outro criminoso está sendo procurado, após assassinatos em série, e já é conhecido como o ‘Novo Lázaro’.

O ‘novo Lázaro’

O ‘novo Lázaro’ é Wanderson Mota Protácio, de 21 anos. Assim como Lázaro, ele era caseiro. O suspeito está sendo procurado pelas polícias Militar e Civil de Goiás, por matar a esposa, grávida de quatro meses, a enteada, de dois anos e oito meses, e também um fazendeiro da região. 

Apesar das semelhanças com o caso Lázaro, a polícia está agindo com cautela. Por enquanto, preferem divulgar poucas informações e descartaram a necessidade dos moradores das regiões de Abadiânia e Alexânia abandonarem suas casas.

Lázaro Barbosa

Lázaro Barbosa fugiu de 270 policiais, por 20 dias. Na fuga, ele invadiu dezenas de propriedades rurais no entorno do Distrito Federal, fez reféns e trocou tiros com a polícia. Estima-se que cerca de 70% da população da região deixou suas casas, com medo do criminoso. Ele foi morto na segunda-feira, 28 de junho de 2021, em confronto com a polícia. 

Lázaro Barbosa ficou conhecido como ‘serial killer de Brasília’

TV jornal

GO: avião fica destruído após cair de cabeça para baixo; veja vídeo

De acordo com o Corpo de Bombeiros, duas vítimas foram resgatadas com vida e encaminhadas ao hospital para atendimento médico

Goiânia – Uma aeronave de pequeno porte caiu na tarde desta sexta-feira (12/11) em uma fazenda, nas proximidades da GO-050, na zona rural do município de Palmeiras de Goiás, a cerca de 94 km da capital goiana. De acordo com o Corpo de Bombeiros, os dois ocupantes do avião foram resgatados com vida e levados para um hospital da cidade.

Um vídeo gravado no local do acidente mostra que parte da aeronave ficou destruída. Veja as imagens:

De acordo com a corporação, a ocorrência foi registrada às 15h49. Segundo os bombeiros, as duas pessoas do sexo masculino foram resgatadas em estado estável, conscientes e sem sinais de trauma. Elas foram levadas para um hospital de Palmeiras de Goiás.

Conforme o registro da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a aeronave de pequeno porte estava em situação de aeronavegabilidade normal.

Metrópoles

Casal é suspeito de criar pistas falsas para proteger Lázaro Barbosa

A polícia desconfia que um casal pode ter ajudado Lázaro Barbosa a se esconder durante 21 dias. Os dois, que foram presos, teriam espalhado pistas falsas para confundir a ação da polícia.

O secretário de Segurança Pública de Goiás, Rodney Miranda, revelou detalhes das investigações do caso. Logo na primeira semana de buscas, um casal de traficantes foi preso. Eles estariam dando suporte na fuga do criminoso e tentando despistar a polícia com pistas falsas. O casal também forneceria drogas a Lázaro.

“Na investigação, descobrimos que tinha um traficante da região, que inclusive era amigo de infância dele, que tudo indicava que estava fornecendo drogas pra ele por conta do trajeto que ele tomou”, detalhou o secretário.

Além do casal, o fazendeiro Elmi Caetano também continua preso. A justiça aceitou a denúncia de que ele também teria ajudado Lázaro Barbosa. O fugitivo teria se escondido na fazenda de Elmi por pelo menos cinco dias, recebendo abrigo e alimentação.

A polícia também suspeita que a mulher de Lázaro teria ajudado na fuga.No celular dela, foram encontradas mensagens e ligações entre os dois. A mulher alega que as conversas ocorreram porque Lázaro queria ver a filha.

Se no início Lázaro era tratado como um assassino em série, hoje a polícia já tem convicção de que ele era um matador de aluguel, que agia a mando de uma organização criminosa da região. Agora, a investigação quer descobrir quem faz parte dessa quadrilha e quais crimes foram cometidos.

“Ele era matador, jagunço dessa quadrilha. Não tira a psicopatia dele, não tira o caráter psicopata dele”, afirmou o secretário.

Fonte: R7

Em carta, Lázaro disse estar sem munições e que não se entregaria à polícia

Bilhete foi encontrado no bolso do criminoso no dia em que foi morto por policiais militares de Goiás. Secretaria de Segurança Pública admite que Lázaro teve acesso à internet no período em que esteve foragido, em área de mata

Por Darcianne DiogoPor Ana Isabel Mansur05/07/2021 13:44

SSP-GO/Divulgação
SSP-GO/Divulgação

Em atualização das investigações do caso Lázaro Barbosa, a Secretaria de Segurança Pública de Goiás (SSP-GO), por meio de investigações da Polícia Civil de Goiás (PCGO), divulgou uma carta escrita pelo criminoso enquanto esteve foragido. O bilhete foi encontrado no bolso de Lázaro no dia em que foi morto pela Polícia Militar de Goiás (PMGO), na última segunda-feira (28/6), em Águas Lindas de Goiás, após 20 dias de buscas.

No documento, Lázaro admite estar sem munições e pede ao destinatário da carta, a quem chama de Jil, que envie mais balas, de calibre 38 e 380. “Cara por favor arruma o tanto de munição de 38 e 380 pra mim, eu tenho 35 munição de 380 lá naquele barraco que eu tava”, pede o criminoso, acrescentando que, caso não conseguisse as balas compradas, teria que matar mais pessoas e “isso não pode acontecer”, completa. A grafia original foi mantida nas citações de trechos da carta escrita pelo criminosa.

A PCGO investiga a participação de outras pessoas nos crimes que Lázaro cometeu em Cocalzinho de Goiás e reforça a possibilidade de o foragido ter feito parte de uma organização criminosa. Em outro trecho da carta, o criminoso admite que, por causa dos confrontos que teve com os policiais, estava sem munições para as armas que carregava, roubadas de chácaras que invadiu.

As investigações da PCGO também apontam para uma fuga arquitetada com apoio financeiro, devido à maneira com que a quantidade de dinheiro encontrada com ele, cerca de R$ 4,4 mil, estava guardada. A PCGO também admite que Lázaro teve acesso à internet enquanto esteve foragido e cometendo crimes na zona rural de Cocalzinho (GO), no distrito de Girassol e no município de Edilândia. Na carta, inclusive, o criminoso afirma que “tem um monte de mentira rolando, vejo na TV às vezes”.

A PCGO destacou, mais uma vez, que a força-tarefa responsável pela operação de captura, formada por 270 agentes de diversas forças policiais, tentou, “o tempo todo” a rendição de Lázaro, uma vez que era do interesse da operação que o criminoso respondesse por seus crimes. “A força-tarefa tinha o propósito de restabelecer a paz da população da região, garantir que Lázaro Barbosa Sousa não cometesse mais crimes e que ele fosse capturado’, completou, em nota, a SSP-GO.

A secretaria divulgará outras atualizações da operação que não comprometam os trabalhos da polícia, conforme o andamento das investigações.

Leia a íntegra da carta escrita por Lázaro (a grafia original também foi mantida):

“Oi Jil, olha mano velho eu fui numa fita que deu mó peteco como vc mesmo deve ta vendo o cara tava armado, e antes de eu conseguir enquadrar a vitima ainda consegui avisar uma pessoa que quando eu vi já foi só os tiros
Deu essa p… aí, olha tem um monte de mentira rolando, vejo na TV as vezes, mas isso só daria pra falar se fosse pessoalmente.
Mano não vou me entregar, pois além do caso (…) tem muita coisa que tão querendo botar pra mim, e eles tão me caçando como caça viado, já tive 2 confronto com eles e to zerado de munição, cara por favor arruma o tanto de munição de 38 e 380 pra mim, eu tenho 35 munição de 380 lá naquele barraco que eu tava ve com a — (Lázaro omitiu o nome) pra pegar para mim eu voou te adiantar 500 reais por esse corre por favor mano não me deixa na mão não pois se eu não arrumar comprado eu vou ter que ir atrás e pode morrer mais gente e isso não pode acontecer, eu só quero que eles não cheguem perto de mim que são muitos e tão só pra matar.
Se tu for me ajudar vem pegar a grana se não rasga
Falou, to na — (ocultado por Lázaro)”

Caseiro que ajudou nas buscas por Lázaro busca emprego: ‘Vivendo de doação’

O caseiro Alain Reis de Santana, de 33 anos, que ajudou a força-tarefa nas buscas pelo criminoso Lázaro Barbosa, está à procura de um emprego. O homem chegou a ser preso suspeito de ajudar a esconder o serial killer, mas nada foi comprovado e ele foi solto.

Da Redação

“Estou vivendo de doações. Quero arrumar um emprego para continuar minha vida e sustentar minha família. Estou aceitando toda oferta”, disse Alain.

Além de ser casado, Santana tem seis filhos, com idades entre 1 e 12 anos. Ele morava com a família em Águas Lindas de Goiás, mas recebeu a oferta de trabalhar como caseiro na fazenda de Elmi Caetano Evangelista, em Girassol. Segundo o G1, ele estava trabalhando no local há 21 dias, quando a força-tarefa foi até a propriedade e o prendeu junto com o fazendeiro.

De acordo com Alain, ele chegou a ver o criminoso na propriedade e até falou com o patrão, que negou o fato. Ao ser levado para a delegacia, Santana afirmou que não fez nenhuma denúncia à polícia pois chegou a ser ameaçado por Lázaro caso ele contasse para alguém o que tinha visto.

Até o momento, Elmi continua preso e foi denunciado pelo Ministério Público por favorecimento e posse ilegal de arma de fogo. “Eu vim trabalhar inocente na fazenda. O Elmi me deu casa para ficar, nunca imaginava uma situação dessas”, desabafou Alain. Com a prisão do patrão, o homem está sem emprego e teme continuar na região.

“Se eu puder, eu queria sair de Girassol. Tem muita gente me ajudando, mas tenho medo do que outras pessoas podem falar ou fazer por acharem que eu estava ajudando o Lázaro”, revelou.

“É difícil não lembrar mais dessa história do Lázaro, mas quero seguir em frente. Tenho experiência como caseiro e trabalhando em lava-jato também. Aceito emprego em qualquer lugar”, concluiu.

Corpo de Lázaro Barbosa é liberado e aguarda funerária, no IML de Goiânia

O corpo de Lázaro Barbosa de Sousa, morto aos 32 anos após uma troca de tiros com policiais em Águas Lindas de Goiás, passou por necropsia e foi liberado pelos peritos do Instituto de Medicina Legal (IML) de Goiânia, nesta quarta-feira (30/6). Acuada, a família não buscará o corpo, que será entregue, por meio de procuração, a uma funerária nas próximas horas.

O sepultamento de Lázaro está previsto para acontecer amanhã. O local e horário não foram divulgados. “A família optou por fazer uma cerimônia fechada somente para os parentes. O local do sepultamento e a data não serão divulgados, por questão de segurança e privacidade dos familiares”, esclarece o advogado Wesley Lacerda, que presta apoio aos parentes do suspeito.

“Como foi dito por mim, eu prestaria apoio à família neste último momento, por uma questão de caridade e humanidade, pois os familiares são muito carentes e de baixa instrução”, revela o advogado. “Meu apoio ficou restrito a buscar informações junto ao IML sobre a liberação do corpo, bem como a passar as informações corretas, e de forma clara, para os familiares – o que foi feito”, ressalta.

Lázaro foi morto após 20 dias de caçada, protagonizada por uma força-tarefa composta por 270 policias de diversas forças de segurança. O homem é suspeito de cometer uma chacina, matando quatro pessoas de uma mesma família, no Incra 9, em Ceilândia, no dia 9 de junho.

Após cometer o quádruplo homicídio, Lázaro fez outra família refém, ainda no DF, um dia antes de fugir para o Entorno do DF, na região de Cocalzinho e Edilândia, onde ficou por 20 dias escondido em uma região de mata.

Metrópoles

Dinheiro, remédios e armas: veja o que Lázaro carregava na mochila

A polícia também encontrou munições, que foram supostamente roubadas por Lázaro na ocasião que ele invadiu uma chácara em Cocalzinho de Goiás e baleou três pessoas. O suspeito também guardava R$ 4,4 mil

Darcianne Diogopostado em 29/06/2021 08:49 / atualizado em 29/06/2021 08:51

 (crédito: Material cedido ao Correio)
(crédito: Material cedido ao Correio)

Faca, comida, remédio e armas foram alguns dos itens encontrados pela polícia dentro da mochila que Lázaro Barbosa Sousa, 32 anos, carregava. O suspeito de assassinar uma família no DF, balear quatro pessoas e manter reféns foi morto na manhã de terça-feira (29/6), durante um confronto com policiais militares da Rotam de Goiás, em Águas Lindas.

Os pertences passam por perícia. Na foto, a qual o Correio teve acesso, mostra alguns dos objetos. Na mochila, Lázaro carregava escova de dente, isqueiros, cebola, biscoitos e macarrão instantâneo, faca, remédios e um casaco camuflado.

A polícia também encontrou duas armas e munições, que foram supostamente roubadas por Lázaro na ocasião que ele invadiu uma chácara em Cocalzinho de Goiás e baleou três pessoas. O suspeito também guardava um dinheiro no valor de R$ 4,4 mil. Os investigadores analisam todos os itens, inclusive o celular roubado por ele em 15 de junho, quando manteve três pessoas da mesma família reféns em Edilândia.

Confronto e morte

Imagens do circuito interno de segurança de uma casa captaram Lázaro Barbosa por volta das 20h desse domingo (27/6). Na filmagem, ele sai de uma mata e caminha pela rua, em direção à casa da ex-mulher e da ex-sogra, em Águas Lindas de Goiás.

Policiais receberam uma denúncia anônima e se deslocaram às pressas para a região. Durante a madrugada, agentes da Polícia Civil do Estado de Goiás (PCGO) teriam visto o suspeito, que os ameaçou dizendo: “Se entrar, vou meter tiro no rosto”. Em seguida, ele fugiu para a área de mata, mas foi capturado por volta das 9h dessa segunda-feira (28/6).

Segundo informou o secretário de Segurança Pública de Goiás, Rodney Miranda, Lázaro estava com duas armas, uma pistola e um revólver e teria descarregado as munições contra os policiais, que revidaram. O homem foi alvejado com mais de 30 tiros e morreu antes de chegar no Hospital Bom Jesus.

Correio Brasiliense

Polícia investigará se Lázaro atuou como jagunço e teve ajuda na fuga

“As investigações não acabam aqui”, disse Rodney Miranda

Publicado em 28/06/2021 – 12:31 Por Alex Rodrigues – Repórter da Agência Brasil – Brasília

morte do fugitivo Lázaro Barbosa, na manhã de hoje (28), não põe fim ao trabalho da Polícia Civil de Goiás, que, a partir de agora, centrará esforços para esclarecer se o acusado de ter cometido múltiplos assassinatos recebeu ajuda para escapar ao cerco dos agentes de segurança por 20 dias.

“As investigações não acabam aqui. Ainda temos algumas pessoas para investigar e prender”, disse a jornalistas o secretário de Segurança Pública de Goiás, Rodney Miranda. Segundo ele, a Polícia Civil já está investigando a suspeita de que Lázaro agia como matador de aluguel e contou com o auxílio de pessoas que não queriam que ele fosse preso.

O principal alvo da apuração da suposta ligação de Lázaro com matadores é, de acordo com Miranda, o dono de uma chácara onde o fugitivo chegou a se esconder e obter alimentos, Elmi Caetano Evangelista, preso na última quinta-feira (24).

“O empresário [chacareiro] que está preso é um dos líderes da organização”, disse o secretário, afastando a tese de que Lázaro atuava sozinho. “Mais para frente, quando a investigação estiver finalizada, colocaremos [todas as informações] para vocês. Mas já há uma linha de apuração. Uma das coisas [hipóteses] é de que ele [Lázaro] atuava como jagunço ou segurança para algumas pessoas”, afirmou o secretário estadual, declarando que a suposta “organização” pode estar envolvida com crimes como latrocínio e assassinatos nos quais Lázaro pode ter participação.

Segundo Miranda, Lázaro trocou de roupas várias vezes (“Uma prova de que ele tinha uma rede que o acobertava”) e, ao ser morto, estava com cerca de R$ 4,4 mil no bolso. O que, para o secretário, evidencia não só sua intenção de seguir fugindo, mas também que ele contava com o suporte de outras pessoas. O dinheiro é, certamente, um indicativo de que ele estava querendo sair do estado ou do país. E esta questão dele querer fugir, logicamente com o patrocínio [de terceiros], tinha gente interessada em que ele não fosse preso.

Lázaro foi surpreendido por policiais quando chegava à casa de sua ex-sogra, na zona rural de Águas Lindas (GO), a cerca de 50 quilômetros de Brasília. “Ele foi para encontrar com ela. Nós já estávamos monitorando, tentamos pegá-lo no momento [em que ele se aproximou], mas ele chegou a ameaçar alguns policiais”, contou Miranda, explicando que após ser cercado, Lázaro trocou tiros com os policiais e foi baleado. Sua ex-esposa e sua ex-sogra foram conduzidas para prestar depoimento.

Socorrido com vida, Lázaro foi levado ao Hospital Municipal Bom Jesus, de Águas Lindas de Goiás (GO), mas não resistiu aos ferimentos. Seu corpo já foi transferido para o Instituto Médico Legal (IML) de Goiania, onde será periciado antes de ser liberado para que sua família providencie o enterro.

Lázaro é acusado de assassinar quatro pessoas da mesma família em uma chácara no Distrito Federal. Uma quinta vítima teria sido feita refém em Goiás. Ele ainda é suspeito de balear três pessoas no município de Cocalzinho de Goiás, onde se concentraram as buscas. Além disso, já tinha sido condenado por homicídio na Bahia.

Polícia rastreia perfil falso criado por Lázaro em rede social

Operação de busca, ainda sem sucesso, segue pelo 19º dia

Publicado em 27/06/2021 – 19:20 Por Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil – Brasília

A polícia rastreia um perfil falso criado por Lázaro Barbosa, suspeito de assassinar uma família numa área rural de Ceilândia Norte (DF) e de balear pessoas e manter reféns no município de Cocalzinho de Goiás (GO). Por meio de uma conta criada com base em um celular roubado no distrito de Edilândia, Lázaro, foragido há 19 dias, acompanhava notícias sobre a própria caçada.

A conta criada na rede Instagram não tinha publicações. O perfil atribuído a Lázaro segue vários veículos de comunicação e, nas últimas 24 horas, alcançou 2,8 mil seguidores, contra menos de 40 registrados até ontem (26).

No início da tarde do 19º dia de buscas, várias equipes da força-tarefa verificaram uma chácara em Edilândia, que teria servido invadida pelo fugitivo, mas não encontraram ninguém. A propriedade teve o portão arrebentado, o que motivou uma operação da Polícia Científica, que enviou viaturas e um helicóptero. Barreiras continuam montadas nas áreas rurais de Edilândia e do distrito vizinho de Girassol para verificar quem passa.

Também na tarde de hoje (27), foi entregue a segunda Estação Rádio Base (ERB) cedida pela Polícia Militar do Rio de Janeiro. Usado na Copa do Mundo de 2014 e nos Jogos Olímpicos de 2016, o equipamento possibilita a conexão entre telefones celulares por meio de uma estação fixa, ajudando em buscas de grande extensão, onde a comunicação entre diferentes equipes é normalmente dificultada.

A primeira ERB havia sido cedida pela Polícia Militar na última terça-feira (22). O transporte das estações, que incluem torres de transmissão de 15 metros de altura, ficou a cargo do Corpo de Bombeiros Militar do Rio de Janeiro.

*Colaborou o repórter Vitor Abdala, do Rio de Janeiro.

Deputada federal de Goiás posta vídeo ‘caçando’ Lázaro em helicóptero e de fuzil

A deputada federal Magda Moffato (PL-GO) publicou em suas redes sociais no último sábado (19) um vídeo dela própria dentro de um helicóptero e armada com um fuzil. Segundo a parlamentar, ela estava se deslocando para Cocalzinho, no interior de Goiás, em busca do serial killer foragido Lázaro Barbosa.

“Te cuida, Lázaro. Se o Ronaldo Caiado [governador de Goiás] não deu conta de te pegar, eu estou indo aí te pegar. Comandante rumo para Cocalzinho”, escreveu Moffato no Instagram. No vídeo, a deputada aparece sobrevoando uma região de mata.

Nos comentários, internautas criticaram a postura de Moffato. Um deles escreveu que a atitude era “falta de respeito com os policiais que estão exaustivamente dedicando” forças à captura de Lázaro. 

A deputada, que se descreve como alguém que defende quem trabalha pelo Brasil, respondeu: “Minha crítica não é aos policiais. A PM de Goiás é a melhor do Brasil. Minha crítica é à falta de logística, até de alimentação, à tropa que atua no caso. Minha crítica é para que o Caiado proporcione condições”, explicou, e repetiu o argumento em outros comentários semelhantes. Neste domingo (20), ela fez uma nova publicação reforçando que jamais criticou a polícia goiana, mas, sim, a forma como é tratada pelo Governo.

Na última postagem do governador Ronaldo Caiado (DEM) em suas redes sociais sobre o assunto, há três dias, ele escreveu: “Não vou admitir que desmereçam as nossas forças de segurança, que são referência nacional e têm trabalhado incansavelmente na busca pelo criminoso Lázaro”.

Diário do Nordeste