Bolsonaro quer investigar aumento abusivo em postos de combustível

Presidente reforçou que Petrobras tem autonomia para definir preços

Publicado em 19/09/2019 – 20:24 – Por Pedro Rafael Vilela – Repórter da Agência Brasil Brasília

Posto de combustIvel, em São Cristóvão, na zona norte da cidade, recebe gasolina e volta a abastecer,  gerando enormes filas de carros e motos.

O presidente Jair Bolsonaro reclamou hoje (19) do aumento no preço de combustíveis praticado pelos postos. Segundo ele, que citou o ataque de drones, no sábado (14), contra instalações petroleiras da Arábia Saudita, tem havido prática abusiva de elevação dos preços mesmo antes dos reajustes da Petrobras. 

“Ontem mesmo, em Brasília, antes desse anúncio da Petrobras [de aumento no preço], que foi no final da tarde, começo da noite, alguns postos subiram 5%, levando-se em conta o ataque de drones à refinaria lá da Arábia Saudita. O preço continuava o mesmo, [mas] teve aumento aqui. Isso para mim é um abuso. A gente vai pra cima deles, tudo que estiver de acordo com a lei, puder defender o consumidor, nós faremos”, disse o presidente durante live semanal no Facebook, transmitida diretamente do Palácio do Alvorada, de onde ele despachou ao longo do dia. Ele estava acompanhado do diretor do Departamento de Biocombustíveis do Ministério de Minas Energia, Miguel Ivan Lacerda de Oliveira.

O presidente disse ter determinado à pasta uma investigação sobre eventuais práticas irregulares. “Estou em contato com o ministro das Minas e Energia e ele, obviamente, vai entrar em contato com a Agência Nacional de Petróleo, para ver o que está acontecendo, cartel, seja lá o que for, isso não pode continuar acontecendo”. O aumento citado por Bolsonaro está sendo investigado pelo Instituto de Defesa do Consumidor do Distrito Federal (Procon-DF), que passou a notificar postos pelo aumento sem justificativa.

Política de preços

Ao mencionar o reajuste da Petrobras e os valores da gasolina e do óleo diesel, Bolsonaro destacou que a companhia tem autonomia para definir sua política de preços e que não haverá interferência do governo nessa definição. Ele também condenou o ataque terrorista à maior refinaria de petróleo do planeta, na Arábia Saudita.

“Logicamente nós condenamos qualquer ataque terrorista. Esse ataque fez subir até 20% o preço do petróleo. O presidente da Petrobras resolveu segurar o preço o máximo possível, segurou, mas infelizmente, ontem, a decisão [de aumentar] é da Petrobras, não tem interferência nossa, é a Petrobras que faz sua política de preços, e aumentou em média 3% o diesel e a gasolina”. Os reajustes anunciados foram de aumento, nas refinarias, de 3,5% na gasolina e 4,2% no óleo diesel. O preço final na bomba é sempre maior por causa da incidência de impostos, incluindo tributos federais e estaduais. 

Saiba mais

Petrobras reduz preço da gasolina e do diesel nas refinarias em 2%

Valores começam a valer a partir desta sexta-feira (19).

Crédito da Foto: Eric Gaillard / REUTERS

RIO – A Petrobras anunciou redução nos preços da gasolina e do diesel no Brasil vendidos às refinarias. A partir desta sexta-feira (19), a gasolina terá recuo médio de 2,14%, para R$ 1,6457. É o menor valor desde o fim de fevereiro. A última redução ocorreu no início de junho, quando caiu 4,4%.

Em relação ao diesel, a queda média foi de 2,15%, para R$ 2,0205. A última redução no diesel ocorreu no dia 09 de julho, quando caiu 3,8% nas refinarias.

Os reajustes nos preços dos combustíveis pela Petrobras são alinhados ao mercado internacional do petróleo, seguindo os valores do petróleo Brent, que caíram cerca de 4,4% na última semana, e ao câmbio.

O repasse dos ajustes nas refinarias para os consumidores finais nos postos de combustíveis dependerá de diversos fatores, como tributos, margens de distribuição e revenda, e mistura obrigatória de biodiesel em ambos os combustíveis.

Fonte: O GLOBO

Petrobras reduz preço da gasolina nas refinarias em 4,4% a partir deste sábado

24 de maio de 2019

RIO – A Petrobras reduziu em 4,4% em média os preços da gasolina vendida em suas bases e refinarias, sem impostos. O valor médio do combustível ficou em torno de R$ 1,9543 o litro, contra os R$ 2,0450 que estavam em vigor desde o último dia 29 de abril.

Já os preços do diesel não foram alterados. Apesar da alta do dólar nos últimos dias no país, os preços dos combustíveis foram beneficiados com a queda dos preços do petróleo no mercado internacional. Somente em maio, o petróleo acumula uma redução em seus preços da ordem de 4,8%, sendo cotado a US$ 68,69 o barril nesta sexta-feira.

Artigo O Globo

Pesquisa de combustível do PROCON Natal constata aumento nos preços repassados aos consumidores

Pesquisa realizada no dia 06 de maio de 2019 em 70 postos de Natal nas quatro regiões da cidade pelo PROCON NATAL encontrou substancial aumento dos combustíveis pesquisados, sobretudo na gasolina que atingiu um percentual de 8,51%. Em abril, nas refinarias, houve dois aumentos nos dias 23 e 25, de 2,5% e 3,5% respectivamente.

A pesquisa constatou que os preços dos combustíveis seguem tendência crescente dos aumentos nas refinarias e são repassados aos consumidores. No mês de maio, 94,3% dos postos pesquisados repassaram o aumento aos consumidores para a gasolina. Para o Etanol, o percentual foi de 82,9% dos postos pesquisados. Já com relação ao Diesel, 47,1% dos postos repassaram aumento. A diferença entre o maior valor do litro de gasolina comum (R$ 4,999) e o menor preço (R$ 4,629) é de R$ 0,37 por litro.

A gasolina comum mais barata está na região Oeste, que apresentou o menor preço médio dentre as quatro regiões pesquisadas com R$ 4,703. A pesquisa encontrou o menor preço (de R$ 4,620) nos bairros de Cidade Nova e Cidade de Esperança. Já o maior preço da gasolina comum foi constatado na região sul, no com o preço de (R$4,999) nos bairros de Ponta Negra e alto da Candelária, e também o maior preço médio de gasolina encontrado pela pesquisa foi na região sul com (R$ 4,967).

O PROCON NATAL orienta os consumidores a consultarem na íntegra a pesquisa no endereço eletrônicowww.natal.rn.gov.br/procon, e também para que fiquem atentos aos preços, verificando em sua rotina o melhor custo-benefício na hora de abastecer.

Protesto contra alta dos combustíveis bloqueia faixas da BR-101 em Natal

Por Acson Freitas, Inter TV Cabugi
 
Protesto contra alta dos combustíveis bloqueia faixas da BR-101 em Natal — Foto: Reprodução/Inter TV CabugiProtesto contra alta dos combustíveis bloqueia faixas da BR-101 em Natal — Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi
Protesto contra alta dos combustíveis bloqueia faixas da BR-101 em Natal — Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi

Um protesto contra o aumento de combustíveis interditou duas vias da BR-101, em Natal, no sentido Parnamirim, no início da noite desta terça (7). Motoristas usaram os carros para impedir a passagem de outros veículos. Das três faixas da BR-101, apenas uma ficou liberada para o tráfego.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, o bloqueio começou por volta das 18h15 e a via foi liberada antes das 19h.

A Secretaria de Mobilidade Urbana (STTU) confirmou lentidão no trânsito das avenidas Hermes da Fonseca/Senador Salgado Filho/BR-101 e, por causa desse congestionamento, o tráfego na Avenida Prudente de Morais também foi prejudicado. Segundo a STTU, da Cidade da Criança até o viaduto estaiado próximo à Arena das Dunas a via também teve lentidão na passagem de veículos.

Os manifestantes carregaram cartazes em que reclamaram da alta dos combustíveis. Além de pararem os automóveis na rodovia, os condutores abriram os capôs dos carros.

Aumento dos combustíveis

Na última sexta-feira (3) o preço dagasolina superou R$ 5, no caso de aditivada, em alguns postos de Natal. Segundo dados da Agência Nacional de Petróleo (ANP), até uma semana antes do aumento, a média do litro era de R$ 4,65 na capital potiguar, e o maior valor encontrado nas bombas era de R$ 4,69.

Atraso ônibus

Por causa do congestionamento, algumas linhas de ônibus sofreram atrasos, segundo a Secretaria de Mobilidade Urbana. A STTU informou que estão em atraso as linhas 02, 04, 07, 07A, 08, 10/29, 24, 26, 31, 31A, 33, 33A, 33B, 35, 37, 39, 41, 41A, 44, 46, 48, 50, 51, 52, 54, 57, 60, 63, 63A, 64A/43, 65, 72, 73, 77, 78A/47, 79 e 599.

Motoristas bloquearam duas faixas da BR-101, em Natal, contra alta dos combustíveis — Foto: Reprodução/Inter TV CabugiMotoristas bloquearam duas faixas da BR-101, em Natal, contra alta dos combustíveis — Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi

Motoristas bloquearam duas faixas da BR-101, em Natal, contra alta dos combustíveis — Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi

Gasolina comum está 11,03% mais cara em Natal

O Instituto Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor de Natal (Procon Natal) realizou pesquisa em 70 postos de combustíveis da capital no início deste mês de abril e constatou aumento do custo médio da gasolina comum em 11,03%. Somente no mês de março, o preço da gasolina acumulou alta de 8,6% nas refinarias.

 

Fonte: Tribuna do Norte

No início deste mês de abril, 97,1% dos postos pesquisados aumentaram os preços da gasolina comum. Para o etanol, 88,6% dos locais pesquisados também reajustaram os valores e 52,9% seguiram a tendência de aumento do custo do litro do diesel comum. Para o gás natural veicular, o aumento registrado na passagem de março para abril foi de 11,4%. “Os percentuais comprovam que o aumento nas refinarias s’ao repassados para o consumidor final”, destaca documento do Procon Natal.

A diferença entre o maior e o menor preço da gasolina em Natal foi de R$ 0,28. O maior valor foi de R$ 4,699 e o menor, R$ 4,410 por litro. Essa diferença equivale a um incremento de 6,55% de um mês para o outro. O gás veicular, nas últimas pesquisas, vem se destacando em relação aos demais combustíveis. É o que menos apresentou, de março para abril, variação (0,02%) conforme dados do Procon Natal. No mês de março, o preço encontrado pela pesquisa foi de R$ 3,557 em média e, no mês de abril, foi de R$ 3,556 por metro cúbico.

O preço do etanol, segundo levantamento do órgão municipal, corresponde em média a 79,92% do preço da gasolina. Em relação ao observado em março, esse percentual era de 79,35%. Isso comprova que não se mostra viável para o consumidor que possui veículo flex, abastecê-lo com etanol, uma vez que o preço do etanol deve ser, no máximo, 70% do preço da gasolina. Para valer a pena, o etanol deveria custar em torno de R$ 3,138.

O Diesel comum inciou o ano com variação negativa nos dois primeiros meses. De março para abril, porém, seguiu tendência de variação positiva de 2%. A média de preço encontrada para o diesel comum foi de R$ 3,658.

O Procon Natal orienta aos consumidores consultarem na íntegra a pesquisa mensalmente realizada e divulgada no endereço eletrônico natal.rn.gov.br/procon. O órgão, destaca, ainda, que os consumidores fiquem atentos aos preços praticados nas bombas e denunciem qualquer possibilidade de preço abusivo.

Confira abaixo os maiores e menores preços médios.
Gasolina comum
Oeste  –  R$ 4,431

Norte  –   R$ 4,458

Leste –    R$ 4,482

Sul  – R$ 4,530

Etanol
Oeste  –  R$ 3,535

Norte –    R$ 3,561

Leste   –  R$ 3,573

Sul –    R$ 3,628

Diesel comum
Oeste  –  R$ 3,568

Norte  –   R$ 3,625

Sul  –   R$ 3,708

Leste  –   R$ 3,712

Gás natural veicular
Oeste  –   R$ 3,513

Sul  –   R$ 3,545

Leste   –  R$ 3,573

Norte  –   R$ 3,596

Posto de Combustível Mandacaru inaugura suas instalações em Pedro Avelino/RN

⛽Posto Mandacaru! O mais novo posto de combustível 🏁Ale em Pedro Avelino/RN, 📍localizado às margens dá 🛣 RN 263, de frente para o conjunto Canindé Vicente (próximo ao pórticos) saída para Afonso Bezerra.

⛽Abasteça seu 🚗 com qualidade!

 

Gasolina sobe pela 4° semana e acumula alta de 3,5%

Os dados são do levantamento semanal da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

O preço médio do litro da gasolina comercializada em postos de combustível de todo o país fechou esta semana a R$ 4,319. Essa foi a quarta alta semanal do produto, que acumula um aumento de preço de 3,5% em um mês, já que, na semana de 17 a 23 de fevereiro, o litro era vendido a R$ 4,172.

Os dados são do levantamento semanal da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). O óleo diesel, comercializado em média a R$ 3,54 por litro, registrou nesta semana sua quinta alta consecutiva e acumulou, no período, aumento de preços de 2,8%.

O litro do etanol, que foi comercializado em média a R$ 2,969, também subiu pela quinta vez consecutiva, acumulando alta de 8,2% no período de cinco semanas. Já o preço do GNV (gás natural veicular) aumentou pela terceira semana, fechando em média a R$ 3,169 o metro cúbico, uma alta de 1% no período.

Fonte: Notícias ao Minuto

Procon – RN realiza pesquisa e constata aumento de 1,47% no combustível da Capital

O PROCON NATAL realizou pesquisa de combustíveis no dia 12 março de 2019 em 70 postos de combustível nas quatro regiões da cidade. A pesquisa constatou que houve aumento no valor cobrado pelos postos e que o índice aplicado foi maior que os 1,47% que a Petrobras aplicou para eles. Foram identificados aumentos não só na gasolina comum, mas em todos os combustíveis pesquisados.

Em função de o preço nas bombas para o consumidor natalense ter sido superior ao repassado as refinarias, oPROCON NATAL orienta aos consumidores que pesquisem, pois mesmo com preços em alta, foram encontrados ainda alguns postos com preços bem mais em conta para abastecer. O PROCON NATAL também recomenda que os consumidores acessem um ranking com endereço e região dos (10) dez posto mais baratos na cidade elaborado pelo órgão e disponível no endereço virtual: www.natal.rn.gov.br/procon.

GASOLINA COMUM

A diferença entre o maior R$4,499 e o menor preço R$4,080 é de R$0,919 centavos de reais por litro de gasolina e isso equivale a uma variação de 10,27% a variação mensal é de 6,98% com o preço médio atual de R$4,321 e R$4,0,39 na pesquisa anterior e isso equivale a R$ 0,282 centavos de real por litro de gasolina de diferença entre a pesquisa atual e a anterior.

A gasolina comum mais barata encontra-se na região norte que apresentou o menor preço médio dentre as quatro regiões pesquisadas com, R$4,226 a pesquisa encontrou o menor preço de (R$4,080), na zona leste no bairro de Ribeira. Já o maior preço da gasolina comum foi constatado na região sul e oeste, com o preço de R$4,499 na zona sul nos bairros de Ponta Negra no conjunto Alagamar e Candelária, na zona oeste nos bairros de Quintas e Bairro Nordeste, no entanto o maior preço médio de gasolina encontrado pela pesquisa foi na região sul com (R$ 4,427).

GÁS VEICULAR

O Gás Veicular, nas últimas pesquisas se destacou em relação aos demais combustíveis com uma variação positiva, mas esse mês a variação acompanhou os de mais combustíveis obtendo o menor percentual entre os demais de 0,02% no mês anterior o preço encontrado pela pesquisa foi de R$3,556 em média, e no mês atual o preço médio encontrado foi de R$3,557, essa variação em reais equivale a R$0,001 centavos de reais por litro, a variação entre o maior preço encontrado pela pesquisa foi de R$3,699 e o menor preço de R$3,400, isso equivale a uma variação de 8,79%.

O menor preço constatado pela pesquisa foi de R$3,400 na zona sul, no bairro de Cidade Satélite e o maior preço encontrado foi de R$3,699 também na zona sul no bairro de Capim Macio. No entanto, a região com a menor média encontrada pela pesquisa foi a oeste com R$3,513 e a região com a maior média foi a norte com (R$3,596), ou seja as mesmas médias e localidades da pesquisa anterior.

ETANOL

O Etanol, apresentou variação de 14,98% no comparativo entre o maior e o menor preço no mês de março e uma variação negativa entre os meses de fevereiro e março de 8,02% e isso equivale a R$0,254 centavos de reais por litro. A região com a maior média encontrada pela pesquisa foi a região sul com R$3,506, o maior preço encontrado foi de R$3,599 em todas as regiões pesquisadas, já o menor preço encontrado foi na região oeste de R$3,130 no bairro de Cidade Nova, e a região com menor preço médio encontrada pela pesquisa é a oeste com R$3,343.

O etanol não é opção de economia para os consumidores uma vez que hoje o preço médio da gasolina em relação ao desempenho do carro flex com o uso do Etanol e de 79,35% do preço da gasolina. O ideal para ser vantajoso aos consumidores utilizar-se desse combustível o preço da gasolina teria que está custando R$3,024 e a pesquisa encontrou em média R$3,130

DIESEL COMUM

O aumento do Diesel decorre do fim do subsídio pactuado entre o governo federal e os caminhoneiros que lideraram a paralisação ocorrida no final de maio de 2018. Na ocasião, milhares de veículos ficaram estacionados nas estradas e não distribuíram mercadorias, provocando desabastecimento de vários itens em todo o país, como combustível e alimentos. O diesel inciou o ano com variação negativa em janeiro e fevereiro, mas em março o núcleo de pesquisa do PROCON NATAL identificou variação positiva no mês de março chegando a 4,03%.

Em média de preço atual do Diesel comum de R$ 3,587 e a média do mês anterior de R$ 3,380 e isso representa um aumento de R$ 0,139 reais de centavos por litro, o maior preço encontrado foi de R$ 3,799 no bairro de Candelária na região sul e o menor preço foi de R$ 3,380 no bairro de Cidade Nova na região oeste e isso equivale a uma variação de 12,40% a região com o maior preço médio do Diesel comum encontrado pela pesquisa foi a sul com R$ 3,682 e a região com menor preço médio foi a oeste com R$ 3,524.

Fonte: Prefeitura de Natal

Gasolina nas refinarias aumenta 2,42% só nos últimos três dias

Só nos últimos três dias, entre 12 e 15 de março, segundo o Sindipostos do RN, o aumento do preço da gasolina para as refinarias foi de 2,42%. Hoje, em muitos postos, o litro já está sendo vendido a R$ 4,49. Do começo do mês até agora, essa alta já é de 6,66% e entre os dias 1º de janeiro até esta sexta-feira, 15, o aumento é de 20,52%.

“Para quem pagava no começo deste mês R$ 3,89 o litro de gasolina em muitos postos de Natal, é uma notícia bem desanimadora”, reconhece Antônio Sales, presidente do Sindipostos. Segundo Sales, muitos empresários, inclusive ele, chegaram a acreditar numa possível desindexação dos valores internacionais do barril de petróleo do combustível entregue nas refinarias, “mas infelizmente isso não aconteceu”.

Ainda de acordo com ele, agora é ver como os postos de combustíveis irão repassar esses valores, já que eles têm a liberdade de marcar o dia e a hora de fazer isso, de acordo com a realidade de cada revenda.

“Mas, acreditem, essas altas consecutivas não são nada boas para os empresários do segmento”, acentuou.

Com informações do Agora RN.