Excesso de café aumenta chance de pressão alta em pessoas predispostas

Já o consumo moderado da bebida é benéfico à saúde, diz estudo

Publicado em 17/07/2019 – 20:10

Por Camila Maciel – Repórter da Agência Brasil São Paulo

Ministério das Relações Exteriores comemora o Dia Internacional do Café com a entrega do prêmio "Melhores cafés do Brasil".

O consumo habitual de mais de três xícaras de café de 50 ml por dia aumenta em até quatro vezes a chance de pessoas geneticamente predispostas apresentarem pressão arterial alta. A descoberta faz parte de um estudo desenvolvido na Universidade de São Paulo (USP) e publicado na revista Clinical Nutrition.

Estudo anterior mostra, por outro lado, que o consumo moderado de café (de uma a três xícaras por dia) tem efeito benéfico sobre alguns fatores de risco cardiovascular – particularmente a pressão arterial. 

A principal autora do estudo, Andreia Machado Miranda, pós-doutoranda no Departamento de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública da USP (FSP-USP), explica que essa conclusão chama atenção para a importância da relação entre o consumo de café e a prevenção da pressão alta. “Como a maior parte da população não tem ideia se é predisposta ou não para desenvolver a pressão alta, o ideal é que se faça um consumo moderado de café. Até onde nós sabemos, pelos nossos estudos e por outros já publicados, esse consumo moderado é benéfico para a saúde do coração”, apontou.

A escolha do café para avaliar essa associação se deu por ser uma das bebidas mais consumidas entre os brasileiros. A pesquisa aponta que ele pode ser protetor para a saúde do coração se usado de forma moderada, mas também pode ser vilão para pessoas predispostas a hipertensão e em doses exageradas. Segundo Andreia, isso ocorre porque o café é uma mistura de mais de 2 mil compostos químicos.

Cafeína

“A hipótese do nosso estudo é que mais de três xícaras podem aumentar as chances [de pressão alta] pela presença da cafeína. A cafeína está associada com a resistência vascular, ou seja, a dificuldade com a passagem do fluxo nos vasos, e também provoca vasoconstrição, que é a contração a nível dos vasos sanguíneos, o que dificulta a passagem do fluxo e tudo isso faz com que haja um aumento da pressão arterial”, explicou.

Os polifenóis, por sua vez, seriam os responsáveis pelas ações benéficas. “São compostos de origem vegetal que não são sintetizados pelo organismo, então precisam ser obtidos pela dieta. Eles têm elevado poder antioxidante, tem uma ação antitrombótica, que significa que impedem a formação de trombos nos vasos, e promovem uma melhoria da vasodilatação, ao contrário do efeito da cafeína”, elencou a pesquisadora.

Dados

A pesquisa é baseada em dados de 533 pessoas entrevistadas no Inquérito de Saúde do Município de São Paulo (ISA), de 2008. O levantamento estadual obteve dados sociodemográficos e de estilo de vida, como idade, sexo, raça, renda familiar per capita, atividade física e tabagismo por meio de um questionário aplicado a mais de 3 mil participantes. Além disso, foram colhidas informações sobre consumo alimentar e feita coleta de sangue para análises bioquímicas e extração de DNA para genotipagem. Em visita domiciliar, foram medidos o peso, a altura e a pressão arterial dos voluntários. Para a pesquisa desenvolvida por Andreia, foi utilizada uma mostra representativa de adultos e idosos.

“Com todos esses dados, fizemos o estudo de associação entre pressão arterial, genética e influência do café. Foi aí que concluímos que indivíduos que tinham uma pontuação mais elevada no score, ou seja, que eram geneticamente predispostos [a pressão alta], e que consumiam mais de três xícaras de café por dia, tinham uma chance quatro vezes maior de ter pressão alta em relação a quem não tinha predisposição”, explicou a pesquisadora.

Pesquisa

A pesquisa, que tem apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), vai avaliar agora o efeito do consumo de café em pacientes com doença cardiovascular – particularmente a síndrome coronariana aguda, causada por obstrução na artéria coronária, que irriga o coração. Os pesquisadores vão avaliar, durante quatro anos, os dados de acompanhamento de 1.085 pacientes que sofreram infarto agudo do miocárdio ou angina instável e foram atendidos pelo Hospital Universitário da USP.    

Edição: Aline LealTags: cafépesquisaestudoCafeína

Miojo pode causar infarto, AVC e até câncer, diz especialista

Do R7

Na edição deste domingo (27) do Domingo Espetacular, a série Mitos e Verdades falou sobre comidas rápidas. E a nutricionista Mariana Ferri D’Ávila fez um alerta sobre os graves problemas que o miojo pode trazer para nossa saúde.

— O macarrão instantâneo tem alto teor de gordura hidrogenada, que é uma gordura muito prejudicial ao nosso organismo. É uma gordura que se agrega na parede dos vasos e isso pode causar doenças, como um infarto, um AVC.

Repleto de sal, sódio e conservantes, o tempero que vem com o miojo também é uma 'bomba', explica a especialista.— (Esse tempero) tem alto teor de glutamato monossódico, que é um realçador de sabor que faz muito mal à saúde, podendo levar à tonturas, enxaqueca, fraqueza e até doenças mais graves como o câncer > Veja toda a programação da Record no R7 Play

Reprodução 

Repleto de sal, sódio e conservantes, o tempero que vem com o miojo também é uma “bomba”, explica a especialista.

— (Esse tempero) tem alto teor de glutamato monossódico, que é um realçador de sabor que faz muito mal à saúde, podendo levar à tonturas, enxaqueca, fraqueza e até doenças mais graves como o câncer.

Para quem não quer mais consumir macarrão instantâneo, um alento: é possível sim fazer um macarrão rápido e saudável> Veja toda a programação da Record no R7 Play

Para quem não quer mais consumir macarrão instantâneo, um alento: é possível sim fazer um macarrão rápido e saudável.

Quem explica é Marcia Ikemoto, professora de gastronomia. — Eu preciso de uma farinha forte, ou seja, uma farinha que geralmente no mercado custa um pouquinho mais caro. É uma farinha que a gente gente chama de 'farinha para pão'> Veja toda a programação da Record no R7 Play Reprodução

Quem explica é Marcia Ikemoto, professora de gastronomia.

— Eu preciso de uma farinha forte, ou seja, uma farinha que geralmente no mercado custa um pouquinho mais caro. É uma farinha que a gente gente chama de “farinha para pão”

Basta misturar aos poucos a farinha forte com ovo e água até que ela adquira essa consistência> Veja toda a programação da Record no R7 Play

Reprodução

Basta misturar aos poucos a farinha forte com ovo e água até que ela adquira essa consistência

Depois, embrulhe a massa em um saquinho plástico e deixe-a descansar por 30 minutos> Veja toda a programação da Record no R7 Play

Reprodução

Depois, embrulhe a massa em um saquinho plástico e deixe-a descansar por 30 minutos

Aí, basta passar a massa em um cilindro e pronto! Um macarrão instantâneo caseiro e nutritivo está em suas mãos!> Veja toda a programação da Record no R7 Play

Reprodução

Aí, basta passar a massa em um cilindro e pronto! Um macarrão instantâneo caseiro e nutritivo está em suas mãos!

Para o tempero, a professora Marcia usa um trio de cogumelos, que vai para a panela com azeite, manteiga e creme de leite. Aí, é só misturar tudo e saborear. — A opção de quem não quer colocar o creme de leite é só o leite mesmo. Ou, se não quiser, só o cogumelo> Veja toda a programação da Record no R7 Play

Reprodução

Para o tempero, a professora Marcia usa um trio de cogumelos, que vai para a panela com azeite, manteiga e creme de leite. Aí, é só misturar tudo e saborear.

— A opção de quem não quer colocar o creme de leite é só o leite mesmo. Ou, se não quiser, só o cogumelo

 

Secretaria de Saúde confirma morte por calazar em cidade do interior do RN

Caso aconteceu em Pau dos Ferros, no Alto Oeste potiguar. Vítima era homem de 59 anos de idade.

Por G1 RN

 


A Secretaria Municipal de Saúde de Pau dos Ferros, na região do Alto Oeste potiguar, confirmou um caso de morte provocada por Leishmaniose Visceral, também conhecida como calazar, de um homem de 59 anos. De acordo com a pasta, o homem esteve internado no Hospital Regional Doutor Cleodon Carlos de Andrade.

Em nota, a secretária de Saúde do município, Eliana Barreto Fixina, afirmou que a Vigilância Epidemiológica pediu o prontuário do paciente ao hospital, junto com a declaração de óbito, para confirmar a doença e foi informada pelos profissionais plantonistas da UTI que foram colhidas amostras cujos exames confirmaram a doença.

Além do calazar, consta na declaração de óbito como causa da morte: falência múltipla de órgãos e infecção generalizada. A nota que confirma o caso foi publicada neste sábado (18) no site da prefeitura de Pau dos Ferros.

Apesar da confirmação, a pasta afirma que a nota tem objetivo de acalmar a população, informando que não há inúmeros casos positivos na cidade.

“Salientamos ainda, que estamos empenhados em garantir a segurança e a saúde da população em geral, bem como dos cães de nosso município. Pensando na melhor forma de conduzir esta questão em debate e suas implicações, com a elaboração de novas diretrizes e estratégias de enfrentamento da leishmaniose”, informou a secretária.

Contaminação

Ainda conforme a pasta, a Leishmaniose visceral é uma zoonose crônica e é transmitida ao homem pela picada de fêmeas do inseto vetor infectado. No Brasil, a principal espécie responsável pela transmissão é a Lutzomyia longipalpis, conhecida popularmente como mosquito palha. “Raposas e lobos silvestres (Lycalopex vetulus e Cerdocyon thous) e marsupiais (Didelphis albiventris) têm sido apontados como reservatórios silvestres”, aponta a nota. No ambiente urbano,os cães domésticos são fontes de infecção para o mosquito.

Os sintomas da Leishmaniose Visceral Humana, ainda de acordo com a secretaria, são febre de longa duração, aumento do fígado e baço, perda de peso, fraqueza, redução da força muscular, anemia.

Nos primeiros sinais dos sintomas, a população é orientada a procurar a unidade de saúde mais próxima.

Prevenção

Para prevenir a doença, é indicada a limpeza periódica dos quintais e a retirada da matéria orgânica em decomposição, como folhas, frutos, fezes de animais e outros entulhos que favoreçam a umidade do solo, que é onde os mosquitos se desenvolvem.

Também é preciso destinar o lixo orgânico adequadamente, para impedir o desenvolvimento das larvas dos mosquitos, além de limpar os abrigos de animais domésticos e usar coleiras repelentes nos cachorros.

O uso de inseticida feito pela vigilância ambiental é usado, mas só é indicado para as áreas com casos notificados e confirmados.

“Ao mesmo tempo que nos preocupamos em tratar as demandas humanas, buscamos avaliar os animais. Os animais da comunidade estavam sendo avaliados e realizado testes rápidos, o resultado saindo com em média 25 minutos. Os cães que tinham o resultado positivo, logo após as amostras de sangue coletados eram enviados ao Laboratório Regional do Estado (Lare) para ser submetidos a exames sorológicos encaminhamos ao Laboratório Central (Lacen) em Natal para confirmação laboratorial”, diz a nota.

“Porem há aproximadamente 60 dias o mesmo Larep, que é de gerência do Estado, encerrou o recebimento de amostras, alegando não haver espaço para acondicionar as amostras sorológicas e o Lacen em Natal que acusou não existir profissionais para avaliações sorológicas”, disse a pasta.

O caso, segundo a secretária, foi notificado ao Ministério Público e divulgado em reunião ordinária do Comissão Intergestora Regional – que é o colegiado de secretários municipais.

O Sistema Único de Saúde (SUS) não disponibiliza tratamento para o animal, sendo indicado o sacrifício do animal infectado, com acompanhamento de médico veterinário.

Jovem de Timbaúba dos Batistas, grávida, morre com suspeita de H1N1 em Natal

Neste sábado, dia 18 de maio, a família da jovem Jéssica, natural de Timbaúba dos Batistas, região Seridó potiguar foi comunicada da sua morte precoce.

Ela estava internada em uma UTI na capital potiguar para tratamento de saúde.

Corpo da seridoense encontra-se à disposição do Serviço de Verificação de Óbito — Foto: Redes Sociais

De acordo com um popular que conversou com o Blog Jair Sampaio, a suspeita recai sobre o vírus H1N1.

Jéssica estava grávida e o bebê também morreu.

O corpo da seridoense encontra-se à disposição do Serviço de Verificação de Óbito (SVO), em Natal.

Crédito: Blog Jair Sampaio