Coronavírus: Brasil tem primeiros casos de transmissão comunitária

O número de casos confirmados do novo coronavírus chega 98

Rio de Janeiro – Movimentação de passageiros na Rodoviária do Rio. Mais de 520 mil passageiros devem utilizar a rodoviária para viajar no próximo feriado de Carnaval. (Foto:Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Publicado em 13/03/2020 – 16:17 Por Jonas Valente – Repórter Agência Brasil – Brasília
Atualizado em 13/03/2020 – 16:46

O Brasil teve os primeiros casos de transmissão comunitária de coronavírus. De acordo com a última atualização do Ministério da Saúde, essa nova situação foi registrada nas cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro. Transmissão comunitária ocorre quando as equipes de vigilância não conseguem mais mapear a cadeia de infecção, não sabendo quem foi o primeiro paciente responsável pela contaminação dos demais.

No total, quatro pessoas adquiriram o vírus por essa modalidade de transmissão. Outras 79 são casos importados (que foram contaminadas no exterior) e 15 foram infectadas por transmissão local (por meio de contato com pessoas de casos importados).“Não temos evidência de aumento de internação por síndrome respiratória aguda grave”, comentou o secretário de vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira.

Acompanhe ao vivo

No balanço do ministério disponibilizado hoje (13), o número de casos confirmados do novo coronavírus (Covid-19) chegou 98. Foram 21 pessoas infectadas a mais do que o último dado, anunciado ontem (12). Os casos suspeitos aumentaram para 1.485. Os descartados ficaram em 1.344.

Os estados de São Paulo e Rio de Janeiro são os epicentros do surto no país, respectivamente com 56 e 16 casos confirmados. Em seguida vêm Paraná (seis), Rio Grande do Sul (quatro), Goiás (três) e Minas Gerais, Santa Catarina, Bahia, Distrito Federal e Pernambuco (dois casos cada um). Completam a lista Alagoas e Espírito Santo (um caso).

Nos casos suspeitos, São Paulo também lidera (753), seguido de Minas Gerais (116), Rio Grande do Sul (81), Santa Catarina (77), Rio de Janeiro (76) e Distrito Federal (75). Apenas Roraima e Amapá não possuem casos confirmados ou suspeitos.

Do total, 15% dos casos confirmados demandam maior nível de atenção, podendo evoluir para agravamento. Há 12 pessoas hospitalizadas.

Transmissão comunitária

PASSAGEIROS VESTEM MÁSCARAS CONTRA O NOVO CORONAVÍRUS NO AEROP
PASSAGEIROS E FUNCIONÁRIOS CIRCULAM VESTINDO MÁSCARAS CONTRA O NOVO CORONAVÍRUS – FERNANDO FRAZÃO/AGÊNCIA BRASIL

A transmissão comunitária ocorre quando há maior difusão do vírus e as equipes de vigilância não sabem mais quem originou os casos. Neste caso, as medidas recomendadas pelo Ministério da Saúde se tornam mais complexas, conforme conjunto de iniciativas divulgado hoje pela equipe da pasta.

Saiba tudo sobre coronavírus

Álcool gel
ÁLCOOL GEL – MARCELLO CASAL JRAGÊNCIA BRASIL

Agência Brasil reuniu as principais dúvidas e perguntas sobre Covid-19. Veja o que se sabe sobre a pandemia e sobre o vírus até agora. O novo coronavírus (SARS-Cov-2) causa a doença denominada Covid-19, que teve início na China, em dezembro de 2019. Os sintomas do Covid-19 envolvem febre, cansaço e tosse seca. Parte dos pacientes pode apresentar dores, congestão nasal, coriza, tosse e diarreia. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a estimativa é que o período de incubação seja de 1 a 14 dias. Os públicos mais vulneráveis são idosos e pessoas com doenças crônicas (diabetes, pressão alta e doenças cardiovasculares). A transmissão pode ocorrer por gotículas de saliva, espirro, tosse ou catarro, que podem ser repassados por toque ou aperto de mão, objetos ou superfícies contaminadas pelo infectado. As principais formas de prevenção são: lavar frequentemente as mãos por 20 segundos com sabonete ou usar álcool gel; evitar contato próximo com pessoas doentes; usar um lenço de papel para cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar, e descartá-lo no lixo após o uso; não compartilhar copos, talheres e objetos de uso pessoal.

Rio de Janeiro vai suspender aulas

Prevenção ao novo coronavírus Covid-19 nas escolas
ALUNOS APRENDEM A PREVENÇÃO AO NOVO CORONAVÍRUS (COVID-19) – FERNANDO FRAZÃO/AGÊNCIA BRASIL

As escolas municipais do Rio de Janeiro terão as aulas suspensas na semana que vem como medida de prevenção à circulação do novo coronavírus. A decisão foi anunciada hoje (13) pela Secretaria Municipal de Educação e entra em vigor na próxima segunda-feira (16).

Direito do consumidor

celular.jpg
CELULAR / ARQUIVO EBC

A partir de hoje (13) Procon de São Paulo disponibiliza em seu aplicativo um botão específico para consumidor registrar reclamações sobre prejuízos causados após pandemia do coronavírus, como problemas para cancelar viagens, abusividade de preço e falta de produtos. Segundo o Procon-SP, até hoje, já foram registrados 1.150 atendimentos, dos quais 900 são reclamações e 250 são consultas.

Bolsonaro testa negativo para coronavírus

Presidente informou em sua conta no Twitter sobre o resultado

Publicado em 13/03/2020 – 12:53 Por Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil – Brasília

O exame do presidente Jair Bolsonaro deu negativo para o novo coronavírus. A informação foi confirmada pelo próprio presidente em sua conta no Twitter.

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, também informou, em publicação no Twitter, que o seu exame para diagnosticar a presença do novo coronavírus deu negativo.

Bolsonaro, familiares e auxiliares que o acompanharam em viagem aos Estados Unidos, no último final de semana, estão sendo monitorados e examinados depois da confirmação de que o secretário de Comunicação da Presidência, Fábio Wajngarten, foi diagnosticado com o vírus.

Durante a viagem, Bolsonaro e sua equipe se reuniram com várias autoridades, inclusive o presidente americano Donald Trump.

Cai para três número de casos suspeitos de coronavírus no Brasil

Total de casos descartados sobe para 45 em todo o país

Diagnóstico laboratorial de casos suspeitos do novo coronavírus (2019-nCoV), realizado pelo Laboratório de Vírus Respiratório e do Sarampo do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), que atua como Centro de Referência Nacional em Vírus Respiratórios para o Ministério da Saúde

Publicado em 16/02/2020 – 14:20 Por Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil – Brasília

O número de casos suspeitos de infecção por coronavírus no Brasil caiu para três, informou o Ministério da Saúde. Segundo o balanço mais recente da pasta, divulgado às 12h de hoje (16), dois pacientes em São Paulo e um no Rio Grande do Sul estão sendo monitorados. O número de suspeitas descartadas subiu para 45.

O total não mudou em relação ao boletim de ontem (15). De sexta-feira (14) para sábado, um caso no Paraná e outro no Rio Grande do Sul foram descartados. No entanto, um caso começou a ser investigado em São Paulo, resultando no total de três suspeitas em todo o país.

Principais sintomas do coronavírus
Confira os principais sintomas e os cuidados para evitar o coronavírus. – Agência Brasil

Entre os 45 casos descartados, o estado de São Paulo lidera, com 20 pacientes analisados. Em seguida, vêm Rio Grande do Sul, com nove suspeitas, Rio de Janeiro (5), Santa Catarina (4), Paraná (3), Minas Gerais (2), Distrito Federal (1) e Ceará (1).

Na sexta-feira, o Ministério da Saúde informou que não pretende reduzir as ações de combate ao coronavírus até o inverno, quando aumentam os casos de doenças respiratórias. Segundo a pasta, a mobilização continuará, independentemente da redução do número de casos investigados.

Batizada pela Organização Mundial da Saúde de COVID-19, a doença provocada pelo coronavírus provoca febre e problemas respiratórios. Até as 12h de hoje, haviam sido registrados 50.580 casos confirmados em todo o planeta. Desse total, a maioria está na China, com 50.024 casos e 1.524 mortes. Os outros dois óbitos foram registrados no Japão e nas Filipinas.

Edição: Maria Claudia

Brasileiros em quarentena seguem sem sintomas do novo coronavírus

Informação é do Ministério da Defesa

Publicado em 16/02/2020 – 08:49 Por Agência Brasil – Brasília

O Ministério da Defesa informou ontem (15) que os 58 brasileiros que regressaram da China e cumprem um período de quarentena em Anápolis (GO) seguem sem sintomas de contaminação pelo novo coronavírus.

Segundo a nota, os repatriados “passaram pelas avaliações clínicas previstas e permanecem com o quadro assintomático”.

As avaliações de saúde são feitas pelo Laboratório Central do Estado de Goiás (Lacen) em todos os 34 brasileiros resgatados e nos 24 profissionais, divididos entre tripulação, médicos e equipe de comunicação, que foram à China durante a Operação Regresso.

Os brasileiros que não apresentarem sintomas da doença serão liberados depois de 18 dias de isolamento. Eles estão hospedados na Base Aérea de Anápolis desde o último domingo (9).

Casos investigados no Brasil

Na última sexta-feira (14), o Ministério da Saúde informou que investiga quatro casos suspeitos de infecção pelo novo coronavírus no Brasil. Das quatro pessoas ainda sob suspeita de ter o vírus, cujo epicentro ocorreu na cidade chinesa de Wuhan, há uma criança de 2 anos, um adulto de 56 anos e duas pessoas na faixa dos 20 anos. Duas pessoas são do sexo masculino e duas são mulheres. Todos têm histórico de viagem à China, mas não a Wuhan.

Aeronaves da FAB chegam amanhã à meia-noite em Anápolis

Aviões chegam a Wuhan, na China, hoje às 13h30 (horário de Brasília)

Publicado em 07/02/2020 – 12:10

Por Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil Brasília

 Aviões da Força Aérea Brasileira decolam de Brasília para buscar brasileiros que estão em Wuhan, na China

As aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB) com as 34 pessoas resgatadas de Wuhan, na China, chegam por volta da meia-noite de amanhã (8) na Base Aérea de Anápolis (GO), onde as pessoas passarão por uma quarentena de 18 dias. A cidade chinesa é o epicentro do surto de coronavírus.

A informação foi confirmada hoje (7) pelo brigadeiro Marcelo Damasceno, responsável pela Operação Regresso, em reunião com o presidente Jair Bolsonaro, no Ministério da Defesa, em Brasília.

“Ao levar informação clara para o Brasil e, em especial, para o pessoal de Anápolis, que não existe qualquer risco para terceiros aqui no Brasil. É uma operação muito bem preparada e planejada”, disse Bolsonaro

Os ministros da Defesa, Fernando Azevedo, e da Saúde, Henrique Mandetta, também participaram do briefing antes de seguir para Anápolis, onde visitarão as instalações que receberão os brasileiros e suas famílias.

Os dois aviões partiram de Ürumqi, última escala na China, pouco depois das 10h (horário de Brasília), com previsão de chegada em Wuhan às 13h30 (de Brasília). Às 17h30, partem da cidade chinesa. Antes de embarcar, as pessoas serão submetidas a exames médicos prévios. Quem apresentar sintomas compatíveis com o coronavírus não poderá viajar.

Aviões da FAB trarão brasileiros que estão em Wuhan, epicentro do surto de coronavírus, para o Brasil – Ministério da Defesa/Divulgação

Além dos 34 resgatados, brasileiros e suas famílias, mais seis estrangeiros – quatro poloneses, um indiano e um chinês – embarcarão no voo da FAB. De acordo com o brigadeiro, foi um gesto de solidariedade ao governo da Polônia que não tinha como buscar seus cidadãos.

Ao deixarem Brasília, na quarta-feira (5), as aeronaves brasileiras fizeram escala em Fortaleza (CE), Las Palmas (Espanha), Varsóvia (Polônia) e Ürumqi (China), até o destino final em Wuhan. A viagem de volta prevê escalas nos mesmos locais. Os estrangeiros desembarcarão em Varsóvia.

Entre os 34 resgatados estão duas crianças de 2 e 3 anos. Além deles, 24 pessoas da equipe de resgate também passarão pela quarentena: 12 pessoas da equipe médica da FAB, dois médicos do Ministério da Saúde, duas pessoas da equipe de imprensa – entre elas, um cinegrafista da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) – e oito tripulantes.

Instalações

O hotel da Base Aérea de Anápolis foi isolado e preparado para receber as 58 pessoas para os dias de quarentena. Eles ficarão em quartos individuais, terão seis refeições diárias, televisão e internet disponíveis e espaço de lazer e entretenimento.

Os cidadãos confinados terão tratamento gratuito e o direito de serem informados permanentemente sobre seu estado de saúde. Eles serão monitorados e, em caso de suspeita de infecção, serão isolados e levados para outro setor da base aérea. Caso o quadro de saúde se agrave, eles serão transportados, em aeronave preparada, para o Hospital da Forças Armadas, em Brasília.

No dia 30 de janeiro, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o surto de coronavírus como emergência em saúde pública de importância internacional. Mais de 630 pessoas já morreram na China e 30 mil foram infectadas pelo novo vírus. No Brasil, nove pacientes são monitorados por suspeita de terem sido infectados. Até agora, nenhum caso foi confirmado.

Confira os principais sintomas e os cuidados para evitar o coronavírus. – Agência Brasil

Coronavírus no Brasil: número de casos suspeitos segue estável

O Ministério da Saúde anunciou em coletiva de imprensa nesta quinta-feira 30 que o número de suspeitos de coronavírus no país, doença que vem se propagando globalmente, permanece em nove.

Redação

Pessoas viajando para o Ano Novo Lunar vestem máscaras de proteção. Foto: Nicolas Asfouri/AFP

Foram notificados, entre às 12h de ontem, quarta-feira 29, e às 12h de hoje, quinta-feira 30, dez novos casos. Dos 43 casos notificados no total no território brasileiro, 28 foram descartados de suspeita da doença.

Dos nove suspeitos de coronavírus, 1 está em Minas Gerais, 1 no Rio de Janeiro, 3 em São Paulo, 2 no Rio Grande do Sul, 1 no Paraná e 1 no Ceará.

https://twitter.com/minsaude/status/1222962832985198592

Carta Capital

OMS declara coronavírus emergência de saúde pública internacional

Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou nesta quinta-feira (30), em Genebra, na Suíça, que o surto do novo coronavírus (2019-nCoV) constitui uma Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional (ESPII). Atualmente, há casos em 19 países, com transmissão entre humanos em China, Alemanha, Japão, Vietnã e Estados Unidos.

Desenvolvimento Sustentável 30/01/2020

Passageiros usam máscaras no metrô em Shenzhen, China. Foto: ONU/Jing Zhang

“O principal motivo dessa declaração não diz respeito ao que está acontecendo na China, mas o que está acontecendo em outros países. Nossa maior preocupação é o potencial do vírus se espalhar para países com sistemas de saúde mais fracos e mal preparados para lidar com ele”, afirmou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Ele também disse que não há razão para medidas que interfiram desnecessariamente em viagens e comércio internacional. “Apelamos a todos os países para que implementem decisões consistentes e baseadas em evidências. A OMS está pronta para orientar qualquer país que esteja considerando quais medidas tomar”.

Atualmente, há 7.834 casos confirmados de coronavírus, dos quais 7.736 na China, que representa quase 99% de todos os casos notificados no mundo. Ao todo, 170 pessoas perderam a vida com esse surto, todas na China.

Confira a nota da OMS na íntegra:

Declaração do diretor-geral sobre a reunião do Comitê de Emergência do Regulamento Sanitário Internacional (2005) sobre o novo coronavírus (2019 n-CoV)

Boa noite a todos na sala e online.

Nas últimas semanas, testemunhamos o surgimento de um patógeno anteriormente desconhecido, que evoluiu para um surto sem precedentes e que foi atingido por uma resposta sem precedentes.

Como já disse várias vezes desde o meu retorno de Pequim, o governo chinês deve ser parabenizado pelas medidas extraordinárias adotadas para conter o surto, apesar do grave impacto social e econômico que essas medidas estão exercendo sobre o povo chinês.

Já teríamos visto muitos outros casos fora da China – e provavelmente mortes – se não fossem os esforços do governo e os progressos que eles alcançaram na proteção de seu próprio povo e da população mundial.

A velocidade com que a China detectou o surto, isolou o vírus, sequenciou o genoma e compartilhou tudo com a OMS e o mundo é muito impressionante e vai além das palavras. O mesmo acontece com o compromisso da China com a transparência e o apoio a outros países.

De muitas maneiras, a China está realmente estabelecendo um novo padrão para a resposta a surtos. Não é um exagero.

Também ofereço meu profundo respeito e agradecimento aos milhares de profissionais de saúde corajosos e a todas as pessoas que participam da resposta na linha de frente, que no meio do Festival da Primavera estão trabalhando 24 horas por dia, 7 dias por semana, para tratar os doentes, salvar vidas e controlar esse surto.

Graças aos esforços dessas pessoas, o número de casos no resto do mundo até agora tem permanecido relativamente pequeno.

Atualmente, existem 98 casos em 18 países fora da China, incluindo 8 casos de transmissão de humano para humano em quatro países: Alemanha, Japão, Vietnã e Estados Unidos da América.

Até agora, não vimos nenhuma morte fora da China, razão pela qual todos devemos ser gratos. Embora esses números ainda sejam relativamente pequenos em comparação com o número de casos na China, devemos todos agir juntos agora para limitar a propagação.

A grande maioria dos casos fora da China tem um histórico de viagens para Wuhan ou contato com alguém com um histórico de viagens para Wuhan.

Não sabemos que tipo de dano esse vírus poderia causar caso se propagasse para um país com um sistema de saúde mais fraco.

Devemos agir agora para ajudar os países a se prepararem para essa possibilidade.

Por todas essas razões, declaro como emergência de saúde pública de importância internacional o surto global do novo coronavírus.

O principal motivo desta declaração não é o que está acontecendo na China, mas o que está acontecendo em outros países.

Nossa maior preocupação é o potencial do vírus se espalhar para países com sistemas de saúde mais fracos e mal preparados para lidar com ele.

Deixe-me ser claro: esta declaração não é um voto de falta de confiança na China. Pelo contrário, a OMS continua confiando na capacidade da China de controlar o surto.

Como vocês sabem, eu estive na China alguns dias atrás, onde me encontrei com o presidente Xi Jinping. Eu saí de lá sem qualquer dúvida sobre o compromisso da China com a transparência e a proteção das pessoas no mundo.

Para o povo da China e todos os que foram afetados por esse surto mundial, queremos que saibam que o mundo está ao seu lado. Estamos trabalhando diligentemente com parceiros nacionais e internacionais de saúde pública para controlar esse surto o mais rápido possível.

No total, existem agora 7.834 casos confirmados, incluindo 7.736 na China, representando quase 99% de todos os casos relatados no mundo. Ao todo, 170 pessoas perderam a vida com esse surto, todas na China.

Devemos lembrar que estas são pessoas, não números.

Mais importantes do que a declaração de uma emergência de saúde pública são as recomendações do comitê para impedir a propagação do vírus e garantir uma resposta adequada e baseada em evidências.

Gostaria de resumir essas recomendações em sete áreas principais.

Primeiro, não há razão para medidas que interfiram desnecessariamente nas viagens e comércio internacional. A OMS não recomenda limitar o comércio e o movimento.

Conclamamos todos os países a implementar decisões consistentes e baseadas em evidências. A OMS está pronta para orientar qualquer país que esteja considerando quais medidas tomar.

Segundo, devemos apoiar países com sistemas de saúde mais fracos.

Terceiro, acelerar o desenvolvimento de vacinas, terapêuticas e diagnósticos.

Quarto, combater a disseminação de rumores e desinformação.

Quinto, revisar os planos de preparação, identificar lacunas e avaliar os recursos necessários para identificar, isolar e cuidar de casos, e impedir a transmissão.

Sexto, compartilhar dados, conhecimentos e experiências com a OMS e o mundo.

E sétimo, a única maneira de derrotar este surto é ter todos os países trabalhando juntos em um espírito de solidariedade e cooperação. Estamos todos juntos nisso e só podemos pará-lo juntos.

É tempo de fatos, não de medo.

É tempo da ciência, não de rumores.

É tempo da solidariedade, não do estigma.

Obrigado.

https://nacoesunidas.org/amp/

Cruzeiro com 7 mil pessoas a bordo é bloqueado em porto da Itália por suspeita de coronavírus

Casal de chineses foi isolado em enfermaria do navio; fontes ligadas ao Ministério da Saúde italiano afirmam que primeiro exame deu negativo

AFP com Ansa 30/01/2020 – 09:37 / Atualizado em 30/01/2020 – 12:48

Navio cruzeiro Costa Esmeralda, da empresa Costa Cruzeiros, está bloqueado no porto de Civitavecchia, cidade próxima a Roma, depois que casal chinês apresentou sintomas semelhantes ao da doença provocada pelo novo coronavírus Foto: Guglielmo Mangiapane / REUTERS
Navio cruzeiro Costa Esmeralda, da empresa Costa Cruzeiros, está bloqueado no porto de Civitavecchia, cidade próxima a Roma, depois que casal chinês apresentou sintomas semelhantes ao da doença provocada pelo novo coronavírus Foto: Guglielmo Mangiapane / REUTERS

ROMA — Quase 7 mil pessoas, incluindo 6 mil passageiros, estão bloqueadas em um navio cruzeiro no porto italiano de Civitavecchia , perto de Roma , por casos suspeitos de coronavírus a bordo, anunciaram as autoridades de saúde locais.

— O ministério da Saúde nos alertou sobre possíveis casos e enviou três médicos a bordo para realizar os exames prévios — informou à AFP uma porta-voz do centro de saúde de Civitavecchia.

Coronavírus : O que se sabe até agora?

Os primeiros exames realizados na passageira, no entanto, teriam descartado que ela tenha contraído o coronavírus, segundo pessoas ligadas ao Ministério da Saúde italiano.

— Tudo parece indicar que os primeiros resultados de laboratório indicaro negativo. Aguardamos, no entanto, um laudo definitivo — adiantou à AFP uma fonte da pasta.

Especialistas do hospital Spallanzani, em Roma, referência em doenças infecciosas, explicaram que o resultado definitivo deve estar disponível em até 48 horas. Não se sabe se o casal chinês ficará isolado durante os próximos dois dias, nem se a embarcação permanecerá em Civitavecchia ao longo desse período.

O prefeito da cidade italiana, Ernesto Tedesco, solicitou aos passageiros que permaneçam a borto até lá:

— Tenho que proteger a saúde dos meus compatriotas.

A empresa italiana Costa Cruzeiros , responsável pela viagem, confirmou que 6 mil passageiros estão a bordo e as demais pessoas são integrantes da tripulação.

Mais de 6 mil passageiros são impedidos de desembarcar em Civitavecchia, na Itália, devido a suspeita de coronavírus a bordo Foto: Guglielmo Mangiapane / Reuters▲

Casal de chineses com suspeita de coronavírus foi isolado em enfermaria do navio Foto: Filippo Monteforte / AFP
Casal de chineses com suspeita de coronavírus foi isolado em enfermaria do navio Foto: Filippo Monteforte / AFP▲

A empresa de cruzeiros explicou que “ativou o protocolo para um caso suspeito relacionado a um hóspede de Macau atualmente a bordo do Costa Smeralda”, segundo o comunicado da Costa Cruzeiros.

Leia também : Droga aprovada contra HIV pode atacar coronavírus, diz estudo chinês

“A mulher, de 54 anos, foi colocada em um quarto isolado da enfermaria a bordo, juntamente com seu companheiro de viagem”, informou.

A mulher, que viaja com o marido, é proveniente de Hong Kong e chegou na Itália via Milão, em 25 de janeiro. O casal está em isolamento no hospital de bordo do navio e é acompanhado por médicos do Instituto Lazzaro Spallanzani, especializado em doenças contagiosas.

Veja mais : Confira a cronologia do surto de coronavírus

Os especialistas fazem exames para descobrir se os chineses contraíram o novo coronavírus (2019-nCoV), que já contaminou cerca de 7,8 mil pessoas e matou pelo menos 170, a maioria delas na província de Hubei, epicentro da epidemia.

Continue lendo : Coronavírus chega à Índia e às Filipinas

As outras 7 mil pessoas a bordo, entre passageiros e tripulantes, foram impedidas de descer do transatlântico por enquanto. O roteiro do navio já incluiu Marselha, na França, Barcelona e Palma de Mallorca, na Espanha, e Savona, na Itália.

— Estamos aguardando para conhecer o resultado das verificações ainda em curso, mas tudo que precisava ser feito foi feito. A situação está sob controle, e não há motivos para preocupações a bordo — disse o comandante da Guarda Costeira na região do Lazio, Vincenzo Leone.

O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, afirmou que o governo está preparado para adotar novas medidas se necessário, mas não detalhou quais seriam elas.

— Não estamos alarmados, mas, sim, absolutamente vigilantes e cautelosos na condução desse caso — disse Conte a repórteres durante uma agenda na Bulgária.

O casal voou para Milão de Hong Kong em 25 de janeiro, antes de embarcar no cruzeiro, informou a mídia italiana.

— É claro que estamos um pouco preocupados. Ninguém entra no barco, exceto os médicos. Essas férias correm o risco de acabar sendo um pesadelo — disse um dos passageiros.

A China informou nesta quinta-feira o pior número de mortos em um dia, 38, devido ao novo coronavírus, enquanto a preocupação global cresce com o aumento do contágio.

A Organização Mundial da Saúde (OMS), que instou o “mundo inteiro a agir”, se reunirá nesta quinta-feira para determinar se a epidemia constitui uma emergência internacional de saúde.

China construirá segundo hospital em 10 dias para tratar pacientes com coronavírus

Governo havia feito anúncio da obra do primeiro hospital, também para tempo recorde, ainda na sexta-feira

O Povo Online | Rede Nordeste25.01.2020, 18:00:00

Escavadeiras em canteiro de obras de novo hospital sendo construído em Wuhan, na província central de Hubei, na China ((Foto: STR/AFP))

A cidade chinesa de Wuhan, epicentro de um novo coronavírus, construirá um segundo hospital “em duas semanas” para tratar os doentes deste patógeno, informou neste sábado o Jornal do Povo.

De acordo com o veículo estatal, o novo centro terá capacidade para 1.300 leitos, que serão adicionados aos 1.000 planejados em um primeiro hospital de emergência, cuja construção em 10 dias foi anunciada na sexta-feira, 24.

Ainda na sexta, o governo Chinês começou a construir o primeiro hospital de emergência destinado a receber mil pacientes com coronavírus a partir de 3 de fevereiro, informou a imprensa estatal.

Segundo imagens transmitidas pela televisão, maquinas pesadas preparavam o terreno onde o estabelecimento será construído em Wuhan, o epicentro do surto, uma cidade com 11 milhões de habitantes no centro do país.

Os números mais recentes divulgados sobre o coronavírus são de 26 mortos e 830 pessoas infectadas, segundo o governo chinês. A agência de notícias France Press cita a Comissão Nacional de Saúde da China e diz que mais de mil casos considerados suspeitos estão sendo investigados.

Neste sábado, o governo da Austrália confirmou o primeiro caso de coronavírus. A doença já tem registros em pelo menos dez países.

Morcegos
Estudo publicado na última terça-feira, 21, pela revista Science China Life Sciences, apontou que o novo tipo de coronavírus está diretamente relacionado a uma cepa existente em morcegos. A suspeita agora é de que o vírus, que surgiu na cidade chinesa Wuhan, em dezembro de 2019, pode ter sido disseminado pelo consumo de uma sopa de morcego, comum na região.

Mais de 40 milhões de chineses foram isolados em suas cidades depois da imposição de restrições em outras cinco localidades para evitar a propagação do coronavírus, que já matou 26 pessoas e contaminou pelo menos 830 no gigante asiático.

Veja o que se sabe até agora no vídeo a seguir.

Coronavírus: aeroportos transmitem mensagem da Anvisa a partir de hoje

Não há registros de que a doença tenha chegado ao Brasil

Publicado em 24/01/2020 – 18:49

Por Marcelo Brandão – Repórter da Agência Brasil Brasília

Movimentação no Aeroporto Internacional de Brasília.

Os aeroportos brasileiros começaram a divulgar a partir de hoje (24) um alerta da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sobre o coronavírus. No alerta, uma mensagem de áudio de aproximadamente 1 minuto, a Anvisa orienta os passageiros que chegaram da China e estão com sintomas como febre e tosse a procurar uma unidade de saúde. Também são dadas orientações para evitar a transmissão de doenças.

A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) confirmou que todos os aeroportos administrados por ela veicularão a mensagem. Segundo a Anvisa, os aeroportos concedidos à iniciativa privada também receberam o alerta sonoro e devem veiculá-lo. A agência se reuniu especificamente com representantes do aeroporto de Guarulhos, por tratar-se de um local com fluxo intenso de voos internacionais.

Nessa reunião, a Anvisa informou profissionais de empresas aéreas e de outros setores do aeroporto sobre a atual situação do coronavírus e sobre a definição do governo brasileiro, alinhada às orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) do que pode ser considerado um caso suspeito. Além disso, a agência abordou a intensificação nos procedimentos de limpeza e desinfecção dos terminais.

O coronavírus matou 26 pessoas na China e a doença chegou a outros países, como Japão , Tailândia e Coreia do Sul. Não há registros de que a doença tenha chegado ao Brasil. A fonte do vírus ainda é desconhecida, sendo possivelmente de uma reserva animal, e a extensão da transmissão entre humanos ainda não é clara.

Leia o alerta da Anvisa, veiculado nos aeroportos a partir de hoje:

“A Anvisa informa: se você tiver febre, tosse ou dificuldade para respirar dentro de um período de 14 dias após a viagem para a China, você deve procurar uma unidade de saúde mais próxima e informar a respeito da viagem. Se você tiver febre, tosse ou dificuldade para respirar tome medidas simples, que podem evitar a transmissão de doenças: lave as mãos frequentemente com água e sabão. Se não tiver água e sabão, use álcool em gel. Cubra o nariz e a boca com lenço descartável ao tossir ou espirrar. Descarte o lenço no lixo e lave as mãos. Evite aglomerações e ambientes fechados, procurando manter os ambientes ventilados. Não compartilhe objetos de uso pessoal como talheres, pratos, copos ou garrafas. Procure o serviço de saúde mais próximo”.  

Edição: Fábio MassalliTags: coronavírusAnvisaalertaaeroportosInfraero