Bolsonaro apresenta ‘leve anemia’ devido a sangramento, diz hospital

Segundo médicos, apesar disso, quadro clínico do presidenciável continua em evolução

SÃO PAULO – O candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) apresenta leve anemia em decorrência do sangramento causado pela facada, mas seu quadro de saúde “continua em evolução”, informou o boletim médico divulgado na tarde deste domingo pelo Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. O candidato segue internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Ainda de acordo com o comunicado, a previsão é que nos próximos dias a função intestinal se normalize e Bolsonaro possa começar a ingerir alimentos. Por ora, ele segue em jejum oral e com alimentação intravenosa. Os médicos informaram que a circulação do intestino para o fígado está preservada e a paralisia intestinal decorrente da facada está regredindo.

LEIAFilhos de Bolsonaro devem se reunir com PF para discutir segurança da família

O boletim frisou que o presidenciável segue fazendo fisioterapia, que incluem pequenas caminhadas no quarto e exercícios diários, e não apresenta dor.

O relatório médico de Bolsonaro, assinado pelos médicos Antonio Luiz Macedo, cirurgião; Leandro Santini Echenique, clínico e cardiologista; e Miguel Cendoroglo, diretor superintendente do hospital, foi divulgado neste domingo às 17h, uma hora antes do horário previsto.

Mais cedo, o deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidenciável, disse que o pai está evoluindo bem, mas segue debilitado.

LEIA: Marina, Alckmin, Ciro e Haddad freiam estratégias e fazem cálculos pós-atentado

– Está evoluindo bem, mas (o ataque) foi muito sério. Está todo arrebentando. Não estamos aumentando para gerar comoção pública. Ele quase morreu. Não há previsão de saída da UTI. Ainda está com anemia. Ele andou hoje com andador. Não conversa normalmente, a voz tá debilitada.

Bolsonaro foi atingido por uma facada na última quinta-feira, quando participava de uma caminhada no Centro de Juiz de Fora. Na ocasião, foi submetido a uma cirurgia de emergência para estancar uma hemorragia em um hospital da cidade. No dia seguinte, o candidato foi transferido para o Einstein.

o globo

Ciro Gomes divulga em site cartilha sobre SPC dada a Bonner no JN

 

O candidato à Presidência pelo PDT, Ciro Gomes, divulgou no final da noite desta segunda-feira, 27, o manual do programa ‘Nome Limpo’, que pretende estimular a renegociação de dívidas de pessoas físicas. A cartilha, disponível no site da campanha, foi ‘dada’ horas antes de presente ao apresentador do Jornal Nacional, William Bonner, durante a sabatina do pedetista. Depois, o pedetista repetiu o gesto com os jornalistas presentes na entrevista realizada pelo Jornal das 10, da GloboNews.

A cartilha tem doze páginas e mostra em sete passos os objetivos do programa e as propostas do candidato. Boa parte do conteúdo já havia sido apresentada por Ciro em sabatinas, entrevistas, debates e atividades de campanha. O material ressalta um dos principais objetivos da campanha do pedetista: impulsionar a recuperação econômica destravando a via do consumo das famílias.

O manual reitera que o beneficiário do programa é aquele cujo nome foi incluído em birôs de crédito, como SPC e Serasa, até 20 de julho, data em que Ciro apresentou a proposta pela primeira vez.

A ideia, segundo o material de governo, é baixar a dívida em até 70%. De acordo com a campanha de Ciro, a dívida média vai cair de R$ 4,2 mil para R$ 1,4 mil, valor que poderá ser parcelado via bancos públicos (Caixa e Banco do Brasil) ou outras instituições financeiras que aderirem ao projeto.

O texto explicita qual o papel do governo no programa. “O Governo tem a capacidade de organizar uma negociação coletiva, em nome de milhões de pessoas, o que facilita a negociação e torna mais rápida a solução do problema”, diz o material, que explica também que a dívida poderá ser parcelada, e não quitada à vista como ocorre na maioria dos feirões de renegociação dos programas de proteção ao crédito.

O manual ressalta ainda que o Programa ‘Nome Limpo’ vai organizar os devedores em grupos de cinco a dez pessoas, que se responsabilizam umas pelas outras. O governo não arcaria, portanto, com a inadimplência, se ela vier a ocorrer. “É o sistema de Aval Solidário. Se uma pessoa do grupo não pagar a sua prestação, os outros membros se responsabilizam pelo pagamento”, diz o texto, exaltando a experiência do Crediamigo, do Banco do Nordeste.

Polêmica

Na entrevista, ao ser questionado da viabilidade da proposta, Ciro entregou a Bonner a cartilha e repetiu que “vai tirar 63 milhões de pessoas do SPC”.

O pedetista ironizou ainda o fato de outros candidatos terem propostas parecidas com a dele. “Hoje o (Henrique) Meirelles aderiu a ele”, disse, em referência ao programa de refinanciamento. Mais cedo, em entrevista, o candidato do MDB disse que estuda proposta semelhante para que pessoas saiam da “bola de neve” da dívida.

Como o Broadcast Político mostrou neste domingo, a equipe de redes sociais de Ciro deve iniciar nos próximos dias uma ação nas redes sociais, na qual dirá que outros candidatos copiam as propostas dele.

Estadão

Justiça eleitoral precisa “dar resposta” sobre candidatura de Lula, diz presidente do TSE

O presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ministro Luiz Fux, afirmou nesta quinta-feira (26) que o tribunal, órgão máximo da Justiça Eleitoral, precisa dar uma “resposta” sobre a situação eleitoral do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), com o objetivo de que fique definido o cenário político das eleições de outubro.

O mandato de Fux na presidência do TSE se encerra em 14 de agosto, quando assume o posto a ministra Rosa Weber.

O ministro fez a afirmação ao ser perguntado por jornalistas se o TSE deveria ser rápido ao decidir sobre a possibilidade da candidatura de Lula.

“Meu exercício de mandato é até o dia 14, até o dia 14 o tribunal será célere, e tenho certeza que também o será quando a ministra Rosa assumir”, afirmou Fux.

“É claro que essa é uma questão que o tribunal precisa dar uma resposta para fins de definição de um panorama político”, disse Fux.

O ministro participou de evento na sede do TSE, em Brasília, para a entrega pelo TCU (Tribunal de Contas da União) da lista de gestores públicos que tiveram as contas de gestão reprovadas, o que pode levá-los a ficar impedidos de disputar a eleição, segundo as regras da Lei da Ficha Limpa.

“É preciso deixar claro: só a presença na lista não significa que a pessoa seja considerada ficha suja. É preciso que os requisitos da lei [da Ficha Limpa] sejam cumpridos também: dolo e irregularidade insanável”, explicou Fux.

Em seu discurso sobre a entrega da lista pelo TCU, Fux afirmou que a Justiça Eleitoral será “inflexível” com políticos considerados ficha suja.

“O direito não convive com a mentira. Com relação à Lei da Ficha Limpa, o tribunal demonstrou e demonstrará ser inflexível com aqueles que são considerados ficha suja, aqueles que já incidiram nas hipóteses de inelegibilidade”, disse Fux.

Este é, até o momento, o caso do ex-presidente Lula, que está inelegível por ter sido condenado em segunda instância em processo da Operação Lava Jato.

A inelegibilidade, no entanto, só é declarada pela Justiça Eleitoral quando o registro de candidatura é julgado.

O PT tem afirmado que pretende registrar a candidatura de Lula no dia 15 de agosto, último dia do prazo.

Os advogados do partido pretendem buscar reverter a inelegibilidade do petista na Justiça.

Lula está preso desde 7 de abril, após ter a condenação por corrupção e lavagem de dinheiro confirmada pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), Corte de segunda instância dos processos da Lava Jato. Ele foi acusado de receber propina por meio da reserva de um apartamento tríplex em Guarujá (SP), construído e reformado pela OAS.

O ex-presidente tem afirmado que é inocente e foi condenado sem provas. Sua defesa afirma que ele nunca usou ou teve a posse do apartamento e diz que não há provas de que ele teria sido beneficiado pela OAS.

UOL