Açude Dourado: Após 9 anos, o coração dos curraisnovenses volta a transbordar de alegria [Vídeo]

Após anos de seca, o açude Público Dourado renasceu totalmente nesta madrugada de terça-feira (03) de março de 2020. O manancial que estava no seu volume morto há alguns dias, voltou a receber uma imensa quantidade de água no último final de semana, através de grandes rios.

O Dourado deu início a sua sangria por volta de 00:47 da madrugada.

CURIOSIDADE

Segundo um morador que estava acompanhando de perto a tomada de água do Dourado, afirmou que o açude começou a receber água no último sábado (29), às 20h, e que depois de exatas 52h47, o manancial chegou a sua cota máxima, atingindo a sangria.

As águas do Dourado deságuam na barragem Marechal Dutra (Gargalheiras) que fica localizada na cidade de Acari.

HISTÓRIA

Construído no início da década de 80, e com uma capacidade de 10.321.600 m³ de água, o Açude Público Dourado – um dos responsáveis pelo abastecimento de Currais Novos, sangrou pela última vez em maio de 2011. Em 2015, a cidade viu com tristeza o manancial chegar ao seu volume morto e secar completamente.

Imagens: Josenildo Lopes – Operador CAERN

@jeansouzapulsacao

Caern reativa sistema do açude Gargalheiras em fase de testes

ACS/Caern 07 Feb 2020 18:43

As chuvas no Seridó fizeram o açude Marechal Dutra, o Gargalheiras, atingir a marca de 6,79% de medição volumétrica. Por este motivo, a Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern) iniciou em fase de testes a reativação da captação de água pelo manancial. De acordo com a gerente da Regional Seridó, Rosi Gurgel, estão sendo observadas as condições operacionais como vazão e qualidade da água, para a captação ser feita definitivamente pelo Gargalheiras.

A Caern deixou de captar água pelo Gargalheiras em 1º de setembro de 2015. A princípio, quando o sistema for colocado definitivamente em funcionamento, Acari terá seu abastecimento por rodízio. Já Currais Novos continuará sendo abastecida pelo açude Dourado. De toda forma, a Caern está trabalhando na reativação do sistema que vai do Gargalheiras para Currais Novos. Caso o açude Dourado entre em colapso, o abastecimento volta a ser pelo Gargalheiras.

Mesmo com as últimas chuvas, é necessário compreender, que a recuperação de mananciais leva tempo e necessita de bons volumes de chuvas. É importante que a população colabore fazendo uso racional da água em todas as regiões do Estado.

Açude em Serra Negra do Norte é o primeiro a sangrar no RN em 2020, diz Igarn

Manancial não sangrava há um ano. Novo relatório aponta que pequenos reservatórios tiveram ganho de nível, enquanto os maiores não conseguiram recargas substanciais.

Por G1 RN

03/02/2020 17h56  Atualizado há 2 horas


Açude Dinamarca, em Serra Negra do Norte, RN — Foto: Igarn

O açude Dinamarca, que abastece a cidade de Serra Negra do Norte, distante cerca de 340 quilômetros de Natal, foi o primeiro reservatório a sangrar no Rio Grande do Norte em 2020. Isso é o que aponta o relatório do Volume dos Principais Reservatórios Estaduais, divulgado nesta segunda-feira (3) pelo Instituto de Gestão das Águas do RN (Igarn).

Segundo o Igarn, a última vez que o manancial havia sangrado foi em 21 de fevereiro do ano passado. O açude Dinarmaca, que tem capacidade para 2.724.425 m³, faz parte dos pequenos reservatórios, que, de acordo com o Igarn, foram os que receberam recargas nos últimos dias – os grandes reservatórios não receberam recargas substanciais.

O relatório do órgão indica também que outros pequenos reservatórios receberam boas recargas na última semana. Tourão, em Patu, teve um acréscimo de 4% no volume acumulado – a capacidade total é de 7.985.249 m³. Outro que também teve aumento de 4% foi o manancial Santo Antônio de Caraúbas, que tem capacidade de 8.538.109 m³. Os demais mananciais receberam recargas inferiores a 1% nos volumes.

Entre os maiores reservatórios do estado, recentemente o açude Gargalheiras, em Acari, saiu do estado seco para atingir 7% da capacidade, maior nível desde 2014. O dado foi divulgado em relatório do dia 20 de janeiro pelo Igarn.

Outros reservatórios

No relatório desta segunda-feira (3), a barragem Armando Ribeiro Gonçalves, maior reservatório potiguar, com capacidade para 2,37 milhões m³, aparece com 531.601.489 m³, o que representa 22,4% do volume total. No mesmo período de fevereiro de 2019, o reservatório estava com 483.348.133 m³, que corresponde a 20,14%, número abaixo do atual.

A barragem Santa Cruz do Apodi atualmente acumula 110.937.375 m³, o que corresponde a 18,5%, da sua capacidade total, que é de 599.712.000 m³. Neste período, em 2019, a barragem estava com 131.249.339 m³, ou seja, 21,89% do volume máximo.

Já o açude Umari tem 83.300.650 m³, o que corresponde a 28,45% do volume da capacidade de 292.813.650 m³. No início de fevereiro do ano passado o reservatório estava com 99.093.704 m³, percentualmente 33,84% da sua capacidade total.

Nível total

As reservas hídricas superficiais totais do Rio Grande do Norte atualmente são 959.315.595 m³. Isso representa 21,91% da capacidade total de acúmulo das bacias do estado, que totalizam 4.376.444.842 m³. No mesmo período do ano passado o volume total das reservas hídricas monitoradas era de 938.433.105 m³, ou seja, 21,44% da capacidade total.

Segundo o Igarn, dos 47 reservatório monitorados pelo órgão, 12 permanecem com menos de 10% das capacidades, o que é considerado “nível de alerta”. Esse número representa 25% dos mananciais monitorados. Os mananciais considerados secos são seis – 12% dos reservatórios. No mesmo período do ano passado os mananciais em nível de alerta eram oito e os secos também oito.

Nível inferior a 10%

  • Bonito II, localizado em São Miguel;
  • Jesus, Maria, José, em Tenente Ananias;
  • Lucrécia, localizado no município de Lucrécia;
  • Malhada Vermelha, em Severiano Melo;
  • Zangalheiras, em Jardim do Seridó;
  • Marechal Dutra (Gargalheiras), em Acari;
  • Passagem das Traíras, em São José do Seridó;
  • Itans, em Caicó;
  • Esguicho, em Ouro Branco;
  • Cruzeta, localizado na cidade de Cruzeta;
  • Dourado, em Currais Novos e
  • Santa Cruz do Trairi, em Santa Cruz

Secos

  • Santana, localizado em Rafael Fernandes
  • Pau dos Ferros, localizado em Pau dos Ferros
  • Pilões, localizado no município de Pilões
  • Inharé, em Santa Cruz
  • Trairi, em Tangará e
  • Japi II, em São José do Campestre

Acari: Com 200mm de chuva, açude não suporta e parede estoura em Acari

Na Fazenda Acauã de Rita de Ozenan, o Açude não suportou as fortes chuvas e estourou. Suas águas deságuam no Gargalheiras em Acari. Vídeo: Davi Neto

A chuva que cai desde ontem nos arredores de Acari já soma mais de 200 milímetros. O Gargalheiras elevou a 8 metros o nível da água, que estava seco.

Informações do blog jair sampaio

Açude Dourado, em Currais Novos, agora tem garantia hídrica até o final de 2019.

 

O açude Dourado, em Currais Novos, Seridó Potiguar, atingiu 30% de sua capacidade após as chuvas que vêm ocorrendo no Rio Grande do Norte. O reservatório estava seco desde novembro de 2017, de acordo com o Instituto de Gestão das Águas do Estado (Igarn), e agora tem garantia hídrica até o final de 2019.

Açude Dourado, em Currais Novos, agora tem garantia hídrica até o final de 2019 — Foto: Anderson de Almeida


A Companhia de Águas e Esgotos do RN (Caern) informou que, diante da retomada da capacidade hídrica do açude, será possível retomar o sistema de captação de água do manancial. A Caern disse ainda que vai voltar a operar no reservatório em um prazo de 15 dias. O Açude Dourado tem capacidade de 10 milhões de m³.

Barragem: Ainda de acordo com a Companhia, o maior reservatório do Rio Grande do Norte, a barragem Armando Ribeiro Gonçalves, também registrou um “significativo aumento” de volume durante o feriado. A barragem fica na mesma região do açude Dourado.

Fonte; G1RN

Açude Mendubim ‘sangra’ e região Oeste potiguar chega a cinco açudes 100% cheios; veja vídeo

Por Anderson Barbosa, G1 RN

 

00:00/00:23
Açude Mendubim sangra no RN

Açude Mendubim sangra no RN

Um dos maiores reservatórios do Oeste potiguar sangrou na madrugada desta quinta-feira (4). O açude Mendubim fica em Assu, e tem capacidade para 76,3 milhões de metros cúbicos de água. O vídeo acima mostra o momento em que a água transborda sobre a parede do açude e também escorre pelo sangradouro. Agora são cinco os reservatórios da região 100% cheios. São eles:

  • Açude Mendubim, em Assu / Capacidade: 76.349.500 m³ / volume atual: 100%.
  • Açude Beldroega, em Paraú / Capacidade: 8.057.520 m³ / volume atual: 100%.
  • Açude Encanto, em Encanto / Capacidade: 5.192.538 m³ / volume atual: 100%.
  • Açude Riacho da Cruz II, em Riacho da Cruz / Capacidade: 9.604.200 m³ / volume atual: 100%.
  • Açude Pataxó, em Ipanguaçu / Capacidade: 15.017.379 m³ / volume atual: 100%.

A sangria do Açude Mendubim é motivo para festa na região. Com as cascatas de água que se formam nas escadarias do sangradouro, o local vira ponto de lazer e já começa a receber muitos visitantes em busca de um banho refrescante.

Açude Mendubim vira ponto de lazer e já começa a receber muitos visitantes — Foto: Jalisson Ferreira/Assú NotíciaAçude Mendubim vira ponto de lazer e já começa a receber muitos visitantes — Foto: Jalisson Ferreira/Assú Notícia

Açude Mendubim vira ponto de lazer e já começa a receber muitos visitantes — Foto: Jalisson Ferreira/Assú Notícia

Escadarias do sangradouro viram piscinas  — Foto: Jalisson Ferreira/Assú NotíciaEscadarias do sangradouro viram piscinas  — Foto: Jalisson Ferreira/Assú Notícia

Escadarias do sangradouro viram piscinas — Foto: Jalisson Ferreira/Assú Notícia

Açude Mendubim fica em Assu, e tem capacidade para 76,3 milhões de metros cúbicos de água — Foto: Sueldo Araújo Açude Mendubim fica em Assu, e tem capacidade para 76,3 milhões de metros cúbicos de água — Foto: Sueldo Araújo

Açude Mendubim fica em Assu, e tem capacidade para 76,3 milhões de metros cúbicos de água — Foto: Sueldo Araújo

A capacidade hídrica total do Rio Grande do Norte é de 4,4 bilhões de metros cúbicos de água. Até esta quarta-feira (3), segundo o Instituto de Gestão das Águas do RN (Igarn), o acumulado nas bacias do estado somavam pouco mais de 1,1 bilhão de metros cúbicos – o que representa 25,67% da capacidade total de armazenamento.

Feita por drone, foto aérea mostra o Açude Mendubim — Foto: Bruno Andrade/BaDroneRNFeita por drone, foto aérea mostra o Açude Mendubim — Foto: Bruno Andrade/BaDroneRN

Feita por drone, foto aérea mostra o Açude Mendubim — Foto: Bruno Andrade/BaDroneRN

Seca histórica

Os últimos sete anos foram castigantes no interior do Rio Grande do Norte. Com chuvas abaixo da média histórica, o estado enfrenta a seca mais severa de todos os tempos. As chuvas que caem desde o início do ano aliviam o sofrimento do sertanejo, mas ainda não são suficientes para reabastecer os grandes reservatórios e os efeitos ainda são preocupantes.

Dos 167 municípios potiguares, 148 estão em situação de emergência por causa da escassez de água – o que representa 88% do estado. Na lavoura e pecuária, por exemplo, os prejuízos somaram R$ 2,5 bilhões em 2018, segundo o governo do estado.