Aniversáriantes desta terça-feira (02/06)

Parabenizamos nesta terça-feira, 02 de junho de 2020, nossos amigos e conterrâneos, Wellerson de Lima, Maura Costa, Fred Costa, Matheus Kennedy, Antonia Silva, Ana Karina e Marlucia Oliveira a todos vocês desejamos um feliz aniversário e que nosso bom Deus abençoe a todos.

Parabéns👏👏👏👏

O procurador que tem nas mãos o pedido de prisão de Sara Winter

PGR considera urgente responder ao avanço dos aloprados bolsonaristas contra as instituições; caso foi remetido ao MPF do DF na sexta

Por Robson Bonin 1 jun 2020, 13h42 – Publicado em 1 jun 2020, 13h06

O procurador Frederick Lustosa de Melo, do MPF em Brasília, recebeu na sexta-feira a inicial da PGR, já com o pedido de prisão preventiva contra Sara Winter escrito pela procuradoria-geral da República.

O material foi acompanhado de evidências e o devido cruzamento de dispositivos jurídicos que justificam, na avaliação da PGR, a ação mais dura contra a militante bolsonarista que ameaçou o ministro Alexandre de Moraes.

Diante da lentidão em tocar o caso, o procurador foi cobrado no fim de semana. A PGR considera urgente responder ao avanço dos aloprados bolsonaristas contra as instituições.

Sara Winter está na lista de alvos do inquérito das fake news. Depois de receber a visita da Polícia Federal na semana passada, ela ameaçou o relator da investigação, como mostrou o Radar.

“Não vão me calar, de maneira nenhuma. Pelo contrário.. Pois agora..Pena que ele mora em São Paulo. Se morasse aqui já estava na frente da casa dele convidando para trocar soco comigo. Queria trocar soco com esse fdp (xingamento), esse arrombado. Infelizmente, não posso. Pois me aguarde, sr. Alexandre de Moraes. Nunca mais vai ter paz na sua vida. Descobrir os lugares que o senhor frequenta. Vamos infernizar sua vida, até o senhor pedir para sair. Hoje o sr. tomou a pior decisão da sua vida”, diz Sara Winter no vídeo, gravado após a ação da PF na sua residência.

Lei que reserva 1/3 da carga horária do magistério para atividades extraclasse é constitucional

Segundo a decisão, a Lei federal 11.738/2008 estabelece parâmetros gerais para a composição da jornada dos profissionais da educação, sem inviabilizar o exercício da competência dos entes federados.

01/06/2020 18h35 – Atualizado há

Em sessão virtual encerrada no dia 28/5, o Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), por maioria, decidiu que é constitucional a norma geral federal que reserva a fração mínima de 1/3 da carga horária dos professores da educação básica para dedicação às atividades extraclasse. A tese foi firmada no julgamento do Recurso Extraordinário (RE) 936790, com repercussão geral reconhecida (Tema 958).

Atividades extraclasse

O RE foi interposto pelo Estado de Santa Catarina contra decisão do Tribunal de Justiça local (TJ-SC) que reconheceu o direito de uma professora da educação básica ao piso salarial e à utilização de 1/3 da jornada de trabalho para atividades extraclasse. O fundamento do TJ-SC foi o parágrafo 4º do artigo 2º da Lei Federal 11.738/2008. O dispositivo prevê o limite máximo de 2/3 da carga horária dos professores para o desempenho das atividades de interação com os educandos e, portanto, o tempo restante da jornada deveria ser dedicado às atividades extraclasse.

Usurpação de competência

O estado argumentava que, no julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4167, o Supremo concluiu pela constitucionalidade do dispositivo da Lei 11.738/2008, mas não conferiu efeito vinculante nem eficácia para toda a administração pública, em razão do quórum reduzido. Para os procuradores de SC, ao tratar da distribuição da carga horária dos professores entre atividades extraclasse e dentro de sala de aula, o dispositivo legal usurparia a competência do chefe do Poder Executivo.

Pacto federativo respeitado

A maioria do Plenário do STF seguiu o voto do ministro Edson Fachin. A seu ver, a Lei federal 11.738/2008 estabelece parâmetros gerais para a composição da jornada dos profissionais da educação, sem inviabilizar o exercício da competência dos entes federados.

Segundo o ministro, se a norma geral destina a fração máxima de 2/3 do tempo às atividades de docência, os entes federados podem dispor que é possível ao professor dedicar 60% de sua jornada à sala de aula e 40% às atividades de apoio. “Portanto, a distribuição da carga horária da jornada dos professores operada pela lei federal não viola o pacto federativo”, concluiu. Para Fachin, não há impedimento para que as unidades da federação controlem a divisão da jornada, conforme atividades de coordenação e supervisão de ensino, encontros entre docentes e destes com as famílias, entre outras medidas.

Valorização das atividades extraclasse

Por essa razão, o ministro também rejeitou a alegação de vício de iniciativa, uma vez que não houve tratamento legislativo da jornada dos servidores da educação, mas medida que visou assegurar a equivalência entre jornada e piso salarial e garantir, minimamente, a valorização e a retribuição do tempo dedicado à preparação de aulas, correção de provas e relacionamento entre professores, alunos e famílias. Fachin assinalou que é dever do Estado reconhecer e valorizar as atividades extraclasse, indispensáveis ao direito à educação, ao pleno desenvolvimento da pessoa, ao seu preparo para o exercício da cidadania e à sua qualificação para o trabalho.

Ficaram vencidos os ministros Marco Aurélio (relator), Luiz Fux e Gilmar Mendes.

EC/AS//CF

Leia Mais:

4/9/2017 – STF analisará regra que trata da carga horária do magistério público

Processo relacionado: RE 936790

Paroquianos de Pedro Avelino parabenizam Padre Clóvis por seu aniversário

Da Redação – Os Paroquianos de São Paulo Apóstolo parabenizam Padre Clóvis da Silva Santos pela passagem de seu aniversário natalício. Os fiéis desejam que Deus continue a abençoar os seus caminhos e dar forças na caminhada. Bendizemos a Deus pelo dom da vida e agradecemos por nos enviar um pastor tão dedicado, sábio e zeloso. Que o seu amor e zelo pelas coisas de Deus continuem a nos contagiar.

Parabéns e muitas felicidades!

Associação de juristas entra com ação para decretação de lockdown na região metropolitana de Natal e Mossoró

A Associação de Juristas Potiguares pela Democracia e Cidadadina ingressou esta segunda-feira, 1, com ação civil pública pedindo que a Justiça decrete lockdown na região metropolitana de Natal e Mossoró. A ação foi distribuída para a 6ª Vara da Fazenda Pública de Natal e será julgada pelo juiz Geraldo Mota. A associação pede que seja

Foto: Reprodução

A Associação de Juristas Potiguares pela Democracia e Cidadania ingressou esta segunda-feira, 1, com ação civil pública pedindo que a Justiça decrete lockdown na região metropolitana de Natal e Mossoró.

A ação foi distribuída para a 6ª Vara da Fazenda Pública de Natal e será julgada pelo juiz Geraldo Mota.

A associação pede que seja decretado o lockdown de pelo menos 15 dias e embasa os argumentos em consultas feitas ao secretário adjunto de Saúde, Petronio Spinelli e o cientista Ricardo Valentim, do Comitê Cientifico da UFRN.

As informações são do Justiça Potiguar.

Urgente: George Antunes pede demissão da Secretaria de Saúde de Natal

O secretário de Saúde de Natal, George Antunes, informou que enviou uma carta de demissão ao prefeito Alvaro Dias. A iminente saída se dá após  sua declaração com fortes críticas as medidas de flexibilização diante da proximidade do pico da pandemia novo coronavírus na Estado e o aumento de casos.

Em contato com o Blog, George Antunes disse que o prefeito não teria gostado da entrevista à Intertv. “Ou a gente fecha a metade dessas portas que estão abertas, que eu acho um absurdo o que está acontecendo, ou nós vamos ter um caos. Se vocês estão achando que a situação está crítica, é porque vocês não tem noção exata do que virá. A se manter nessa condição, nós vamos ter pessoas morrendo nas calçadas, sem ter direito nem a entrar em uma unidade de pronto-atendimento ou hospital”, disse.

Em outro trecho, George Antunes não poupou, inclusive, o Município:

“Esqueçam decreto de governadora e de prefeitos. Esqueçam pelo amor de Jesus Cristo e fiquem em casa. Isso é o maior absurdo que a gente pode ver nos dias de hoje, se falar em flexibilização. O povo deve ficar em casa. Os poderes, os governantes, têm que ter a coragem de dizer o que são serviços essenciais nas suas cidades, o que é serviço essencial dentro desse estado, e não abrir comércio da forma como está sendo aberto, chamar o povo para a rua, distribuir máscara para causar sensação de falsa segurança”.

O secretário ainda alertou que a estimativa é que o pico da pandemia do novo coronavírus ocorra no estado próximo ao dia 15 de junho e se mantenha por pelo menos outros 15 dias. Ainda afirmou que está “revoltado” com o apelo pela flexibilização do comércio e pela liberação em si, que já ocorre em algumas cidades do estado.

“Eu digo a vocês com toda convicção: se não se tomar uma medidas agora, nós vamos ter um caos instalado nessa cidade. Eu digo a vocês que é uma tragédia anunciada”.

Vacinação é prorrogada para público de todas as fases da campanha

Prazo agora vai até o dia 30 deste mês

Publicado em 01/06/2020 – 10:06 Por Pedro Peduzzi – Repórter da Agência Brasil – Brasília

Diante de um baixo índice de vacinação de grupos prioritários, a Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe teve seu prazo ampliado e agora vai até o dia 30 deste mês. Segundo o Ministério da Saúde, dos 77,7 milhões de pessoas consideradas público prioritário, 63,53% receberam a vacina. Com a prorrogação, a expectativa é vacinar mais 28,3 milhões de pessoas.

A campanha teve três fases. Dividida em duas etapas, a terceira e última fase, iniciada em 11 de maio, tinha previsão de vacinar 90% do grupo considerado prioritário até o dia 5 de junho. Como o resultado ainda está aquém do esperado, o governo adotou a estratégia de prorrogar a data final para o dia 30.

Segundo o Ministério da Saúde, até o último fim de semana 25,7% de 36,1 milhões de pessoas estimadas nesta terceira fase foram vacinadas. “Desde o início da ação nacional, em 23 de março, 50 milhões de pessoas foram vacinadas, faltando ainda 28,3 milhões que ainda não receberam a vacina”, informou a pasta.

Nesta segunda etapa, a campanha tem como foco principal os professores de escolas públicas e privadas e adultos de 55 a 59 anos. Já a primeira etapa (da terceira fase da campanha) teve como público-alvo pessoas com deficiência; crianças de 6 meses a menores de 6 anos; gestantes e mães no pós-parto até 45 dias.

Em nota, o secretário substituto de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Eduardo Macário, disse que, além de ser importante para reduzir complicações e óbitos em decorrência da gripe influenza, a prorrogação da campanha é “mais uma oportunidade para que os públicos de todas as fases, que ainda não se vacinaram, possam procurar de forma organizada as unidades de saúde”.

Fantástico: 11 dos 22 criminosos mais procurados do Brasil tiveram auxílio emergencial liberado

Fantástico teve acesso a um levantamento exclusivo que revela: mais de 27 mil foragidos, em todo o Brasil, tiveram o auxilio emergencial aprovado durante a pandemia.

31/05/2020 22h50  Atualizado há 3 horas


Exclusivo: 11 dos 22 criminosos mais procurados do Brasil têm auxílio emergencial liberado

O Tribunal de Contas da União deu um prazo de 48 horas para o governo se manifestar sobre problemas na concessão do auxílio emergencial. O prazo começa a valer assim que os ministérios da Economia e da Cidadania, a Receita Federal e a Controladoria-geral da União receberem a notificação.

O TCU quer explicações sobre dificuldades de acesso às bases de informações da Receita, para definir quem tem direito ao benefício. E é justamente sobre a concessão desse benefício que a reportagem acima fala.

Nossos repórteres descobriram que o auxílio está sendo liberado para quem não deveria receber, como foragidos da justiça. Entre eles, estão alguns dos mais perigosos e procurados criminosos do Brasil.

Roubos milionários, tráfico internacional de drogas e até a construção de um túnel. O que casos tão diferentes têm em comum? A resposta. Os nomes de alguns dos envolvidos nesses crimes aparecem na lista dos brasileiros que conseguiram receber o auxílio emergencial do governo, mesmo sendo foragidos da Justiça. Ou seja: eles deveriam estar na cadeia, e não poderiam sequer conseguir a liberação das parcelas de R$ 600, dinheiro para enfrentar a crise do coronavírus.

O Fantástico descobriu a liberação do auxílio emergencial em nome de foragidos a partir de uma informação pública. No site do Ministério da Justiça, existe uma lista com os 22 criminosos mais procurados do Brasil. A maioria, ladrões e traficantes condenados que escaparam da Justiça e se esconderam, sem cumprir suas penas.

Com as informações que constam no site do Ministério da Justiça e em processos judiciais, fomos à pagina de consultas do auxílio emergencial. O produtor do Fantástico checou – um por um – se os nomes dos 22 bandidos apareciam no cadastro. O resultado: em nome de 11 deles, foi dada a entrada no pedido, e pra esses 11, o dinheiro consta como liberado.

Os “11” correspondem exatamente à metade dos principais foragidos do país que teriam sido beneficiados pelo programa destinado a trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados prejudicados pela pandemia.

Entre esses 11, estão alguns dos foragidos mais perigosos e ricos do Brasil. Como por exemplo: Willian Moscardini, o Baixinho, acusado de participar do roubo a uma empresa de transporte de valores no Paraguai em 2017. Os assaltantes explodiram a empresa e fugiram com o equivalente, hoje, a mais de R$ 60 milhões. Moscardini nunca foi preso por esse crime. No sistema da Caixa Econômica Federal consta que a entrada do pedido foi no dia 17 de abril e o beneficio foi aprovado seis dias depois. Na terça passada, a segunda parcela de R$ 600 em nome de Moscardini foi liberada.

Outro foragido que teve o auxílio concedido é Leomar de Oliveira Barbosa, o Léo Playboy. Condenado a 36 anos de prisão, Leomar era o braço direito de Fernandinho Beira Mar. É procurado pela polícia desde 2018.

Também saíram as duas parcelas de R$ 600 do auxílio para o nome deste outro criminoso: Álvaro Daniel Roberto. Apelido: Caipira. Apontado como um dos comparsas do megatraficante colombiano Juan Carlos Ramires Abadia, ele chegou a ser preso em 2013, mas fugiu e é procurado desde então. A quadrilha do Caipira tinha pelo menos R$ 70 milhões, somando dinheiro vivo, carros de luxo e imóveis.

Ouça o podcast do Fantástico

Imagine então R$ 110 milhões. Era o que valiam os 780 quilos de ouro roubados no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, no ano passado. Um dos foragidos mais procurados do Brasil é acusado justamente de participar do planejamento do roubo do ouro. Para o nome dele, foram liberadas as duas parcelas do auxílio emergencial.

A Justiça procura Joselito de Souza desde 2018, quando foi acusado de assaltar uma lotérica. Ou seja, na época do roubo do ouro, ele já era um foragido da Justiça. E assim, mesmo tendo dois mandados de prisão em aberto – pela lotérica e pelo ouro -, o nome de Joselito foi aprovado no auxílio emergencial. O pedido em nome dele deu entrada no dia 20 de abril.

Além desses casos mostrados até agora, existem muitos outros. O Fantástico teve acesso a um levantamento exclusivo que revela: mais de 27 mil foragidos, em todo o Brasil, tiveram o auxílio emergencial aprovado. Só pra primeira parcela liberada para os nomes que aparecem nessa lista, o governo federal gastou mais de R$ 16 milhões.

Esse levantamento é da CGU, a Controladoria-Geral da União. Em São Paulo, por exemplo, o benefício foi liberado para os nomes de 6.879 foragidos. No Rio de Janeiro, para 825. Só uma investigação poderá dizer quantos desses 27 mil foragidos ficaram com o dinheiro ou tiveram seus dados usados indevidamente por outras pessoas.

Em Roraima, a lista da CGU já chegou e as investigações começaram. “Nós temos 88 pessoas sendo procuradas pela Justiça. Iniciamos o trabalho essa semana e já conseguimos prender 12 pessoas. Todas elas falaram que fizeram o cadastro, com o objetivo de receber o valor”, explica o delegado-geral de Roraima, Herbert de Amorim Cardoso.

Nesse levantamento a que o Fantástico teve acesso, também aparece outras fraudes: golpistas conseguiram o benefício usando os dados de pessoas que já morreram. E, mesmo presos, criminosos também embolsaram o auxílio, se cadastrando no programa com os celulares que circulam dentro das cadeias.

E tem mais gente que não deveria, mas está recebendo. Quem explica pra gente é o repórter Leonardo Monteiro. Em Portugal vivem pelo menos 150 mil brasileiros; nenhum deles tem direito ao auxílio emergencial. É uma das regras: o benefício só pode ser concedido para brasileiros, refugiados e estrangeiros que moram no Brasil.

Mas… “Eu achava meio estranho muita gente estar recebendo. E eu falei: isso não pode estar acontecendo”. Ela é brasileira e mora há 13 anos em Portugal; ganha a vida fazendo bolos e doces. Num dos grupos que participa, num aplicativo de mensagens – que tem brasileiras, na sua maioria – ela avisou que não era certo receber o auxilio: “Se alguma de vocês fizeram, toma atenção. Porque eu vou denunciar isso”.

Não adiantou. Mesmo morando em Portugal, algumas conhecidas falaram que conseguiram o benefício e elas nem precisavam do dinheiro. Uma escreveu: “Já da pra fazer um churras”. Uma outra tentou justificar, culpando os impostos pagos na época que morava no Brasil: “Tanto desconto lá e nunca fui beneficiada. Eu fiz e deixei na poupança das crianças”.

“É um estado de emergência, onde o país tem que ajudar os mais necessitados, e a gente está lesando o país em relação a isso. Má fé”, critica a brasileira.

Boa fé seria pedir o auxilio no país onde vivem de fato, e esperar a aprovação ou não. Portugueses e brasileiros que moram no país podem conseguir um benefício das autoridades locais, semelhante ao nosso auxilio emergencial, para enfrentar a crise provocada pela pandemia. O valor chega, no máximo, a 1100 euros, cerca de 7 mil reais, e pode ser solicitado mensalmente por até 6 meses.

“Eu estou usando o beneficio do governo português. Eu não tenho necessidade de usar o beneficio do governo brasileiro”.

Mesmo assim, a mulher resolveu fazer um teste pra ver se burlar o sistema era tão fácil como suas amigas disseram. Será que também conseguiria receber o auxílio do Brasil, mesmo sem ter direito? Ela conta que colocou o telefone e o endereço de parentes que vivem no Brasil. Pronto. Foi o bastante, logo o benefício foi aprovado.

No grupo, a brasileira escreveu: “Vou denunciar o meu caso. Eu quero um Brasil melhor. Devo contribuir”. E foi o que ela fez. Inclusive, já pediu o cancelamento do beneficio e devolveu o dinheiro. Existe uma página do Ministério da Cidadania só pra isso: “Não estava agindo de má fé. Eu pensei que não ia ser aprovada, mas como eu fui, a primeira coisa que eu devo fazer é denunciar. A minha missão realmente está cumprida. Não vou melhorar o mundo, mas eu vou fazer a minha parte”.

O Fantástico foi atrás de respostas. A Controladoria- geral da União informou que 22.942 pessoas que vivem fora do Brasil receberam o auxílio, mesmo sem ter direito, e disse também que mais de 233 mil brasileiros podem ter recebido o benefício ilegalmente e devem responder por estelionato e falsidade ideológica.

Qual seria a explicação pra tanta gente assim ter recebido o auxílio? A Caixa informou que apenas realiza os pagamentos e não participa nem interfere no processo de avaliação.

Especialistas ouvidos pelo Fantástico suspeitam que não tenha havido o cruzamento das informações com todas as bases de dados disponíveis, como a do Tribunal Superior Eleitoral e a do Conselho Nacional de Justiça.

Em nota, o Ministério da Cidadania informou que há “casos em reanálise que estão passando por filtros de checagem”, para evitar o pagamento indevido, que “os recursos para o auxílio já passam de 150 bilhões de reais”, e que “as parcerias com os órgãos de controle e fiscalização auxiliam na transparência da iniciativa”. O ministério afirma ainda que “quem prestar declarações falsas ou utilizar qualquer outro meio ilícito para conseguir o auxílio será obrigado a devolver os valores recebidos”.

Ao todo, 58 milhões de brasileiros tiveram o cadastro aprovado e o auxílio liberado.

Do outro lado dessa história, está quem – comprovadamente – tem o direito ao benefício, e mesmo assim, teve o cadastro recusado. A Karine, de Minas Gerais, tem cinco filhos. O auxílio foi negado porque consta no sistema que ela tem emprego formal, mas ela está desempregada desde setembro de 2019, como prova a rescisão do contrato de trabalho.

“Sem esse dinheiro, eu não consigo fazer nada. Até pra comprar as coisas pros meus filhos está difícil”, conta Karine Souza Oliveira.

Pra se ter uma ideia, só a Defensoria Pública da União já fez mais de 31 mil atendimentos de pessoas que alegam ter o direito, mas não receberam o auxílio. “Quem tem fome fica, de fato, indignado quando vê uma injustiça acontecendo. Especialmente quando é uma injustiça que lhe prejudica”, explica Atanasio Lucero Júnior, Defensor Nacional de Direitos Humanos.

Sobre o programa do auxílio emergencial, o defensor afirma: “É uma politica muito importante, muito necessária. Ela precisa de ajustes. Ela precisa ser aprofundada pra, de fato, chegar onde é mais necessária”.

“Tanta gente tá recebendo sem precisar. Eu estou precisando tanto e não consigo receber o meu benefício”, lamenta Karine.

Pedido de prisão de Sara Winter está redigido na PGR

MPF deve adotar providências contra militante bolsonarista que ameaçou o ministro Alexandre de Moraes

Por Robson Bonin 31 maio 2020, 20h17 – Publicado em 31 maio 2020, 20h12

A influencer Sara Winter, que ganhou notoriedade por liderar um grupo de aloprados bolsonaristas em Brasília, será alvo, nos próximos dias, de uma denúncia do Ministério Público Federal por ter ameaçado de morte o ministro Alexandre de Moraes.

Relator do inquérito das fake news no STF, Moraes assinou os mandados de busca da operação que mirou 29 alvos do esquema bolsonarista de fake news, na semana passada.

Sara, por liderar um bando paramilitar que ensaiava coreografias musicais na frente do Supremo, teve celulares e outros pertences apreendidos na ação.

Depois disso, ela ameaçou Moraes, como mostrou o Radar. “Não vão me calar, de maneira nenhuma. Pelo contrário.. Pois agora..Pena que ele mora em São Paulo. Se morasse aqui já estava na frente da casa dele convidando para trocar soco comigo. Queria trocar soco com esse fdp (xingamento), esse arrombado. Infelizmente, não posso. Pois me aguarde, sr. Alexandre de Moraes. Nunca mais vai ter paz na sua vida. Descobrir os lugares que o senhor frequenta. Vamos infernizar sua vida, até o senhor pedir para sair. Hoje o sr. tomou a pior decisão da sua vida”, diz Sara Winter no vídeo, gravado após a ação da PF na sua residência.

Fontes da PGR, ouvidas pelo Radar, dizem que a procuradoria já cobrou o procurador encarregado do caso, no Distrito Federal, pela demora em apresentar a denúncia contra a militante bolsonarista e pedir providências. “A minuta do pedido de prisão preventiva dessa Sara Winter está até redigida aqui na PGR e já foi enviada ao procurador. A PGR aguarda apenas que o procurador tome providências”, diz um investigador ao Radar.

A última da influencer e seus colegas foi um ato com tochas na frente do STF, neste sábado. Nas redes sociais, a estética do protesto foi comparada à de marchas nazistas na década de 1930 na Europa, às manifestações lideradas pelo grupo supremacista branco Ku Klux Klan e aos atos racistas de Charlotesville em 2017 – estas duas últimas nos EUA.

A ativista bolsonarista Sara Winter realiza protesto contra o Supremo Tribunal Federal Twitter/Reprodução

Covid-19: equatoriano Juan Cazares, do Atlético-MG, testa positivo

Assintomático, jogador iniciou período de isolamento social

Publicado em 31/05/2020 – 18:20 Por Agência Brasil – Rio de Janeiro

O Atlético-MG confirmou na tarde de hoje (31) que o meia-atacante equatoriano Juan Cazares, de 28 anos, testou positivo para o novo coronavírus (covid-19). De acordo com uma sequência de mensagens publicadas em sua conta oficial no Twitter, o clube esclarece que Cazares foi o único a ser diagnosticado com a doença, entre todos os que realizaram testes ontem (30), entre eles,  atletas, comissão técnica e funcionários. Há 12 dias os jogadores retornaram aos treinamentos presenciais no CT do Galo, no município de Vespasiano, a cerca de 30 quilômetros da capital Belo Horizonte (MG).

Segundo o clube, “o jogador está assintomático, mas já iniciou o período de isolamento, afastado de todas as atividades e sob os cuidados do departamento médico”.

https://twitter.com/Atletico/status/1267176527982211074?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1267176527982211074%7Ctwgr%5E&ref_url=https%3A%2F%2Fagenciabrasil.ebc.com.br%2Fesportes%2Fnoticia%2F2020-05%2Fcovid-19-equatoriano-juan-cazares-do-atletico-mg-testa-positivo

O Atlético-MG afirma ainda que “de acordo como Rodrigo Lasmar, o clube segue cumprindo rigidamente os protocolos estabelecidos pelas autoridades de saúde e tomando as providências necessárias para proteger seus funcionários e familiares”.

Por fim, a agremiação garante que “todos os demais testados apresentaram resultado negativo e nenhum atleta apresenta qualquer tipo de sintoma. O clube continua sua programação normal de atividades”.