Secretário de Guedes assina documento que quadruplica o próprio salário

O secretário de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa, assinou uma nota técnica que procura justificar a necessidade de se criar o novo escritório de representação do Brasil em Washington, diz O Globo.

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Escalado por Paulo Guedes para chefiar a nova repartição, Carlos da Costa terá um salário quatro vezes maior do que os atuais R$ 18,3 mil.

“O documento diz que o chefe da estrutura vai precisar de ‘senioridade máxima’ para divulgar o Brasil. Daí a necessidade, escreve o parecerista, de ganhar como um ministro de primeira classe do Itamaraty.

Costa terá uma remuneração de US$ 13,3 mil ou R$ 75 mil mensais.” Ele também elaborou a minuta do decreto a ser assinado por Jair Bolsonaro autorizando a abertura do escritório.

O Antagonista 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *