PF prende em aeroporto de SP homem suspeito de matar técnica de enfermagem em Natal

A Polícia Federal prendeu na manhã do último sábado (13) um homem investigado pelo assassinato da técnica de enfermagem Rosângela Alves Soares, que aconteceu no estacionamento de uma farmácia na Zona Norte de Natal no dia 15 de outubro.

PF em ação

Segundo a corporação, o homem foi preso ao tentar embarcar em um voo no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, com destino ao Rio Grande do Norte.

Após receber informação da Superintendência Regional da PF no Rio Grande do Norte, os policiais federais de São Paulo cumpriram mandado de prisão temporária expedido pela 2ª Vara Criminal da Comarca de Natal e deram voz de prisão ao suspeito.

Ainda de acordo com a PF, ele foi levado à Polícia Civil de São Paulo para ser encaminhado ao sistema penitenciário, onde permanecerá à disposição da Justiça Estadual potiguar.

A investigação do caso é conduzida pela Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) em Natal. O g1 RN procurou a Polícia Civil para questionar a identidade do preso e a possível motivação do crime, mas não recebeu retorno sobre o assunto até a publicação desta matéria.

O crime

Rosângela Alves Soares, de 39 anos, foi executada a tiros no estacionamento de uma farmácia da Zona Norte de Natal, à luz do dia, na manhã da sexta-feira 15 de outubro.

O caso aconteceu pouco após 8h na avenida Tomaz Landim – uma das mais movimentadas da região.

O corpo da vítima ficou caído sobre os bancos do motorista e passageiro em um carro de cor branca estacionado no local.

De acordo com a Polícia Civil, a mulher morava em São Gonçalo do Amarante e trabalhava como técnica de enfermagem. A Polícia Militar, a Polícia Civil e o Instituto Técnico-Científico de Perícia foram acionados ao local e localizaram várias cápsulas de pistola.

Na ocasião, o delegado Marcus Vinícius, da DHPP, afirmou que a mulher entrou na farmácia e estava voltando para o carro, quando um assassino se aproximou e atirou várias vezes. Ele fugiu em seguida, em uma moto.

“Foi execução. Muitos tiros, na região da cabeça, região do pescoço e tórax”, afirmou na ocasião.

As possíveis motivações do crime não foram informadas, mas a polícia constatou que nem o dinheiro, nem os pertences da vítima foram levados.

G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *