Mais concessões para que o Congresso barre o impeachment

Tudo para completar o mandato

Por Ricardo Noblat 8 maio 2020, 09h50 – Publicado em 8 maio 2020, 09h00

Aliar-se ao Centrão, grupo que reúne os partidos mais fisiológicos do Congresso, surpreende a quem acreditou na promessa do presidente Jair Bolsonaro de acabar com a política do “é dando que se recebe” – você me dá cargos no governo e eu lhe dou meu voto.

Bolsonaro apenas reconciliou-se com sua origem. E com tal disposição que já avisou ao novo ministro da Justiça e da Segurança Pública que, em breve, poderá dividir seu ministério em dois. A Justiça ficaria com ele. A Segurança Pública com o Centrão.

O ministro, que em seu discurso de posse bateu continência duas vezes para Bolsonaro e disse que seria “um servo”, respondeu que taokey. A Justiça, para ele, basta. Para o Centrão, tudo é pouco. Há na Câmara mais de 20 pedidos de impeachment contra Bolsonaro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *