Açude em Serra Negra do Norte é o primeiro a sangrar no RN em 2020, diz Igarn

Manancial não sangrava há um ano. Novo relatório aponta que pequenos reservatórios tiveram ganho de nível, enquanto os maiores não conseguiram recargas substanciais.

Por G1 RN

03/02/2020 17h56  Atualizado há 2 horas


Açude Dinamarca, em Serra Negra do Norte, RN — Foto: Igarn

O açude Dinamarca, que abastece a cidade de Serra Negra do Norte, distante cerca de 340 quilômetros de Natal, foi o primeiro reservatório a sangrar no Rio Grande do Norte em 2020. Isso é o que aponta o relatório do Volume dos Principais Reservatórios Estaduais, divulgado nesta segunda-feira (3) pelo Instituto de Gestão das Águas do RN (Igarn).

Segundo o Igarn, a última vez que o manancial havia sangrado foi em 21 de fevereiro do ano passado. O açude Dinarmaca, que tem capacidade para 2.724.425 m³, faz parte dos pequenos reservatórios, que, de acordo com o Igarn, foram os que receberam recargas nos últimos dias – os grandes reservatórios não receberam recargas substanciais.

O relatório do órgão indica também que outros pequenos reservatórios receberam boas recargas na última semana. Tourão, em Patu, teve um acréscimo de 4% no volume acumulado – a capacidade total é de 7.985.249 m³. Outro que também teve aumento de 4% foi o manancial Santo Antônio de Caraúbas, que tem capacidade de 8.538.109 m³. Os demais mananciais receberam recargas inferiores a 1% nos volumes.

Entre os maiores reservatórios do estado, recentemente o açude Gargalheiras, em Acari, saiu do estado seco para atingir 7% da capacidade, maior nível desde 2014. O dado foi divulgado em relatório do dia 20 de janeiro pelo Igarn.

Outros reservatórios

No relatório desta segunda-feira (3), a barragem Armando Ribeiro Gonçalves, maior reservatório potiguar, com capacidade para 2,37 milhões m³, aparece com 531.601.489 m³, o que representa 22,4% do volume total. No mesmo período de fevereiro de 2019, o reservatório estava com 483.348.133 m³, que corresponde a 20,14%, número abaixo do atual.

A barragem Santa Cruz do Apodi atualmente acumula 110.937.375 m³, o que corresponde a 18,5%, da sua capacidade total, que é de 599.712.000 m³. Neste período, em 2019, a barragem estava com 131.249.339 m³, ou seja, 21,89% do volume máximo.

Já o açude Umari tem 83.300.650 m³, o que corresponde a 28,45% do volume da capacidade de 292.813.650 m³. No início de fevereiro do ano passado o reservatório estava com 99.093.704 m³, percentualmente 33,84% da sua capacidade total.

Nível total

As reservas hídricas superficiais totais do Rio Grande do Norte atualmente são 959.315.595 m³. Isso representa 21,91% da capacidade total de acúmulo das bacias do estado, que totalizam 4.376.444.842 m³. No mesmo período do ano passado o volume total das reservas hídricas monitoradas era de 938.433.105 m³, ou seja, 21,44% da capacidade total.

Segundo o Igarn, dos 47 reservatório monitorados pelo órgão, 12 permanecem com menos de 10% das capacidades, o que é considerado “nível de alerta”. Esse número representa 25% dos mananciais monitorados. Os mananciais considerados secos são seis – 12% dos reservatórios. No mesmo período do ano passado os mananciais em nível de alerta eram oito e os secos também oito.

Nível inferior a 10%

  • Bonito II, localizado em São Miguel;
  • Jesus, Maria, José, em Tenente Ananias;
  • Lucrécia, localizado no município de Lucrécia;
  • Malhada Vermelha, em Severiano Melo;
  • Zangalheiras, em Jardim do Seridó;
  • Marechal Dutra (Gargalheiras), em Acari;
  • Passagem das Traíras, em São José do Seridó;
  • Itans, em Caicó;
  • Esguicho, em Ouro Branco;
  • Cruzeta, localizado na cidade de Cruzeta;
  • Dourado, em Currais Novos e
  • Santa Cruz do Trairi, em Santa Cruz

Secos

  • Santana, localizado em Rafael Fernandes
  • Pau dos Ferros, localizado em Pau dos Ferros
  • Pilões, localizado no município de Pilões
  • Inharé, em Santa Cruz
  • Trairi, em Tangará e
  • Japi II, em São José do Campestre

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *